Tim Cook abre a primeira Apple Store na Índia

Hong Kong (CNN) O CEO da Apple, Tim Cook, está na Índia esta semana para abrir suas primeiras lojas físicas no país, marcando um marco significativo para a fabricante do iPhone no segundo maior mercado de smartphones do mundo.

Cook foi visto cumprimentando pessoalmente os clientes enquanto os funcionários comemoravam e batiam palmas na nova loja da empresa em Mumbai, inaugurada na terça-feira. É amplamente esperado que apareça na abertura de uma segunda loja em Delhi na quinta-feira.

A mudança ocorre quando a empresa mais valiosa do mundo continua a se concentrar na Índia, de olho em seu potencial como mercado consumidor e base de fabricação.

Em um comunicado na segunda-feira, Cook observou a expansão contínua da Apple no país, dizendo que seu lançamento físico coincidiu com seu 25º ano de operação lá.

“A Índia tem uma bela cultura e uma energia incrível”, disse ele. “Estamos entusiasmados em construir nossa longa história – apoiando nossos clientes, investindo nas comunidades locais e trabalhando juntos para construir um futuro melhor.”



A mais nova loja da Apple em Mumbai, na Índia.

Em uma declaração separada na segunda-feira, maçã (AAPL) Compartilhamos uma prévia de sua nova loja em Mumbai, localizada em uma propriedade da Reliance Industries, o conglomerado empresarial indiano. Mukesh Ambani.

A empresa descreveu a loja como uma das “mais eficientes energeticamente” do mundo, afirmando que os painéis solares permitem que ela funcione apenas com energia renovável.

A Apple não respondeu a um pedido de mais comentários ou detalhes da visita de Cook.

Ambições de varejo

A Apple é o mundo O segundo maior Fabricante de smartphones, atrás Samsung (SSNLF)mas sua participação de 6% no mercado indiano ainda é pequena.

READ  Preços do petróleo caem pelo segundo dia com temores de uma recessão esperada

É ofuscado pelos cinco principais fornecedores do país, liderados pela Samsung e pelas fabricantes chinesas de smartphones Xiaomi e Vivo. produtos da Apple É considerado muito caro por muitos consumidores no país.

Na Índia, o salário médio para trabalhadores regulares em período integral é de 18.585 rúpias (US$ 226,5) por mês, de acordo com as últimas estatísticas do governo. Para efeito de comparação, o iPhone 14 custa a partir de 79.900 rúpias (US$ 973,6), enquanto o iPhone SE, que é um modelo de menor custo, sai a partir de 49.900 rúpias (US$ 608,2).

Espera-se que a posição da Apple cresça, à medida que continua a fortalecer sua presença no varejo e mais clientes se voltam para smartphones de última geração.

A Índia é promissora para as empresas por causa de sua enorme população, classe média crescente e potencial de crescimento de consumidores que devem mudar de telefones celulares básicos para smartphones, de acordo com o diretor associado da Counterpoint Research, Hanish Bhatia.

Até agora, no entanto, a Apple vendia seus produtos on-line ou por meio de vendedores terceirizados.

Isso porque a empresa, junto com outros varejistas estrangeiros, foi proibida por anos de se estabelecer no país, a menos que adquirisse pelo menos 30% de suas matérias-primas localmente, obrigando-os a contar com parceiros locais. O governo indiano aliviou as restrições em 2019.

Em 2020, a Apple lançado Uma loja online na Índia, que permite aos clientes comprar seus produtos e, pela primeira vez, personalizar dispositivos específicos.

Anteriormente para a Apple um plano abrir sua primeira loja física no país em 2021, ainda que a pandemia de Covid-19 a tenha atrapalhado.

READ  Relatório de empregos de abril manteve-se estável em 3,6 por cento

Sanyam Chaurasia, analista de mobilidade da Canalys, disse que as lojas permitirão que a Apple traga todos os seus produtos “sob o mesmo teto” e direcione mais consumidores para a compra.

A categoria de smartphones premium, onde se encontra a Apple, continua a ser impulsionada por lojas tradicionais onde os consumidores podem tocar [and] Sinta o dispositivo.

A localização das novas lojas é crítica, disse Prashir Singh, analista sênior da Counterpoint Research, com Delhi e Mumbai sendo os dois maiores mercados indianos da Apple, respectivamente.

Singh disse que Mumbai, por exemplo, normalmente contribui com 10% de todas as vendas de iPhone na Índia.

força de fabricação

A Apple começou a fabricar iPhones na Índia em 2017 e eles estão funcionando de forma constante intensificação da fabricação lá.

Nos últimos meses, expandiu significativamente a produção no país depois de enfrentar obstáculos na cadeia de suprimentos na China continental, que responde pela maior parte da fabricação de smartphones.

A Apple aumentou significativamente suas exportações indianas no ano passado, com o número de iPhones fabricados e enviados do país crescendo 65% em relação ao ano anterior, de acordo com a Counterpoint.

A empresa disse que dois dos maiores fabricantes contratados da Apple, Foxconn e Wistron, também foram os fabricantes de crescimento mais rápido na Índia durante o quarto trimestre de 2022.

No mês passado, o CEO da Foxconn, Liu Yong, também passou uma semana no país e se encontrou com o primeiro-ministro Narendra Modi.

Em seu comunicado na segunda-feira, a Apple disse que a empresa está trabalhando com fornecedores para “produzir um número crescente de componentes” junto com suas linhas de montagem para iPhones.

“O trabalho da Apple com fornecedores indianos de todos os tamanhos sustenta centenas de milhares de empregos em todo o país”, disse ela.

READ  O erro de um varejista leva um homem a ganhar US$ 25 mil por ano para o resto da vida

Ela acrescentou que o negócio de aplicativos móveis da empresa também cresceu para suportar mais de um milhão de empregos de desenvolvedores no país.

O aumento das atividades da Apple na Índia faz parte de uma tendência mais ampla das empresas de diversificar sua produção fora da China.

Nos últimos anos, o país do sul da Ásia aumentou exponencialmente sua participação na produção global de smartphones, de menos de 10% em 2016 para quase um quinto esperado para este ano, de acordo com a Counterpoint.

– Manviena Suri da CNN contribuiu para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *