Ucrânia obtém novas defesas aéreas e aliados aprofundam sua determinação após ataques russos

BRUXELAS (Reuters) – Os aliados da Ucrânia anunciaram a entrega de novas defesas aéreas e se comprometeram novamente com uma assistência militar forte e sustentada em uma reunião na sede da Otan nesta quarta-feira, dizendo que ataques com mísseis russos há apenas dois dias os uniram.

Sentado ao lado de seu colega ucraniano, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, abriu uma reunião de mais de 50 países condenando os ataques mortais de mísseis do presidente russo, Vladimir Putin, contra “alvos que não têm propósito militar” em toda a Ucrânia.

“O mundo inteiro mais uma vez testemunhou a malícia e a crueldade da guerra escolhida por Putin, enraizada na agressão e travada com profundo desprezo pelas regras da guerra”, disse Austin à multidão, que estava sentado ao lado do ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksiy Reznikov.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Mas os recentes ataques russos só aprofundaram a determinação do povo ucraniano e uniram ainda mais os países de boa vontade de todas as regiões do planeta”, acrescentou.

Os ataques aéreos russos mataram 19 pessoas na Ucrânia, feriram mais de 100 e interromperam o fornecimento de energia em todo o país, acrescentando uma nova urgência aos pedidos de longa data de Kyiv por defesas aéreas para proteger suas cidades.

O chefe da Otan, Jens Stoltenberg, descreveu os ataques com mísseis russos como um sinal de fraqueza, depois que semanas de ganhos ucranianos atraíram raras críticas dentro da Rússia por seu esforço de guerra.

“A verdade é que eles não são capazes de progredir no campo de batalha”, disse Stoltenberg. “A Rússia já está perdendo no campo de batalha.”

READ  A primeira-ministra Liz Truss ainda está no comando do governo do Reino Unido?

“A Ucrânia tem o impulso e continua a obter ganhos significativos, enquanto a Rússia está recorrendo cada vez mais a ataques horríveis e indiscriminados contra civis e infraestrutura crítica”.

A Alemanha anunciou que os quatro primeiros sistemas de defesa aérea IRIS-T chegaram à Ucrânia. A ministra da Defesa alemã, Christine Lambrecht, descreveu-o como “um apoio muito importante para a Ucrânia na luta contra ataques de mísseis”.

Um alto funcionário de defesa dos EUA, falando sob condição de anonimato, disse que o sistema IRIS-T da Alemanha é outro sinal de compromisso de fornecer defesas aéreas à Ucrânia, antes dos recentes ataques de mísseis de Putin ao país.

“Mais uma vez, esta é uma combinação horrível de circunstâncias, o que aconteceu”, disse o funcionário. Mas o fato de a Rússia ter essa capacidade e estar disposta a usá-la, inclusive contra infraestrutura civil e alvos civis, não é surpreendente.

A reunião em Bruxelas é a primeira grande reunião da OTAN desde que Moscou anexou várias províncias ucranianas, anunciou mobilização e emitiu ameaças nucleares veladas, movimentos que a aliança caracterizou como uma clara escalada da guerra que começou com a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro.

Um alto funcionário da Otan disse que um ataque nuclear russo mudaria o curso do conflito e quase certamente desencadearia uma “resposta material” dos aliados da Ucrânia – “e possivelmente da própria OTAN”. Consulte Mais informação

O funcionário não detalhou o que a resposta física poderia implicar.

infraestrutura crítica

Os ataques aos oleodutos Nord Stream que correm sob o Mar Báltico aumentaram as tensões, embora ainda não esteja claro quem estava por trás das explosões.

A Otan alertou Moscou na terça-feira que enfrentaria ataques à infraestrutura de aliados críticos com uma “resposta unida e resoluta”.

READ  Cansado Papa Francisco diz que precisa se afastar de viagens ou talvez se aposentar

Stoltenberg prometeu aumentar a proteção da infraestrutura crítica, dizendo que a Otan já dobrou sua presença nos mares Báltico e do Norte para mais de 30 navios apoiados por aeronaves e atividades offshore.

Falando antes da reunião de dois dias dos ministros da Defesa da Otan, Stoltenberg disse que, embora a aliança não tenha visto nenhuma mudança na postura nuclear da Rússia, está vigilante e continuará seu exercício anual de prontidão nuclear na próxima semana.

Ele estava se referindo ao exercício “Noon Clash”, no qual as forças aéreas da OTAN usam bombas nucleares dos EUA estacionadas na Europa com voos de treinamento sem armas reais.

Stoltenberg disse que cancelar os exercícios por causa da guerra na Ucrânia enviaria um “sinal muito errado”.

“É um exercício para garantir que nossa dissuasão nuclear permaneça segura e eficaz”, disse ele, acrescentando que a força militar da Otan é a melhor maneira de evitar qualquer escalada de tensões.

Moscou, que descreve suas ações na Ucrânia como uma “operação militar especial” para eliminar nacionalistas perigosos e proteger pessoas de língua russa, acusou o Ocidente de escalar o conflito ao apoiar Kyiv.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Sabine Siebold e Philip Blinkinsop) Reportagem adicional de John Chalmers e Jan Struchevsky. Edição por Alex Richardson, Nick McPhee e Jonathan Otis

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.