UFC, demandantes chegam a acordo de US$ 335 milhões em ação coletiva

A TKO Holdings, controladora do UFC, chegou a um acordo de US$ 335 milhões em duas ações judiciais coletivas antitruste movidas por lutadores que buscam melhores salários.

O acordo foi acordado em 13 de março, pouco mais de um mês antes do início do julgamento no Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito de Nevada em 15 de abril, disse a SEC na quarta-feira.

Em suas ações judiciais, os demandantes alegaram que o UFC era um monopólio ilegal que utilizava práticas anticompetitivas para suprimir os salários dos lutadores e sufocar as promoções concorrentes. As ações, uma das quais representa mais de 1.200 pessoas físicas, envolvem lutadores que competiram no Ultimate Fighting Championship de 16 de dezembro de 2010 a 30 de junho de 2017 e de 1º de julho de 2017 a 2021. Os demandantes inicialmente buscaram US$ 1,6 bilhão. Em danos.

“Estamos satisfeitos por ter chegado a um acordo para resolver todas as reivindicações apresentadas em ambos os casos [Cung] Se e [Kajan] A ação coletiva de Johnson, encerrando o litígio e beneficiando todas as partes”, disse um porta-voz do UFC em comunicado à ESPN. “Os termos finais do acordo serão submetidos ao tribunal para aprovação.”

Os promotores também emitiram uma declaração sobre X, escrevendo em parte: “Estamos satisfeitos com o acordo e revelaremos mais quando entrarmos com o processo no tribunal em 45 a 60 dias”.

READ  Quais são os jogos de futebol universitário de hoje? Programação e horários de início na Pensilvânia, Geórgia, Flórida

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *