Um artista israelense se recusa a abrir o Pavilhão de Israel na Bienal de Veneza

VENEZA, Itália (AP) – O artista e os curadores que representam Israel na Bienal de Veneza deste ano anunciaram terça-feira que não abrirão a exposição do Pavilhão de Israel até que haja um cessar-fogo em Gaza e um acordo sobre a sua libertação. Reféns feitos pelo Hamas em 7 de outubro.

A decisão deles, que o curador principal do festival considerou corajosa, foi afixada num banner na vitrine do Pavilhão de Israel no primeiro dia de exibição na mídia, antes da exposição. Exposição Bienal de Arte Contemporânea Abertura no sábado.

“A arte pode esperar, mas as mulheres, as crianças e as pessoas que vivem no inferno não podem”, afirmaram os curadores da exposição num comunicado conjunto com o artista. Ela expressou o seu horror face à situação dos palestinianos em Gaza e à situação dos familiares dos reféns raptados pelo Hamas no ataque de 7 de Outubro a Israel.

Israel está entre os 88 países participantes da 60ª Bienal de Veneza, que acontece de 20 de abril a novembro. 24. O Pavilhão de Israel foi construído em 1952 para servir como representação permanente de Israel dentro do Giardini, o local original da galeria de arte contemporânea mais antiga do mundo e sede de 29 pavilhões nacionais. Outros países aparecem nas proximidades de Arsenale ou em locais ao redor da cidade.

Este ano, a exposição israelense é intitulada “(M)otherland” da artista Ruth Bater.

Antes mesmo da prévia, milhares de artistas, curadores e críticos participaram Ele assinou uma carta aberta Ele apelou à Bienal para excluir o pavilhão nacional de Israel da sessão deste ano Em protesto contra a guerra israelense em Gaza. Os oponentes da presença israelense também prometeram protestar no local.

READ  Fui contratado para uma experiência ‘Willy Wonka’ semelhante ao Fyre Festival – senti como se tivesse sido enganado

O Ministro da Cultura italiano apoiou fortemente a participação de Israel e a exposição foi inaugurada no meio de medidas de segurança invulgarmente rigorosas.

O anúncio de terça-feira em inglês sobre o adiamento da abertura em Israel dizia: “O artista e os curadores do Pavilhão de Israel abrirão a exposição quando um acordo de cessar-fogo for alcançado e os reféns forem libertados”. Dois soldados italianos montavam guarda nas proximidades.

Batir disse em comunicado que ela e os curadores da exposição queriam mostrar solidariedade às famílias dos reféns “e à comunidade maior em Israel que clama por mudanças”.

Battier disse no comunicado: “Como artista e professor, oponho-me veementemente ao boicote cultural, mas acho muito difícil apresentar um projeto que fale sobre a fragilidade da vida numa época de negligência insondável”.

Battier, que permaneceu em Veneza na terça-feira, não quis comentar mais. Nem os organizadores da bienal nem o Ministério da Cultura de Israel comentaram.

Os curadores do pavilhão israelense, Mira Lapidot e Tamar Margalit, disseram que estavam adiando a abertura da exposição devido “à horrível guerra que assola Gaza”, mas expressaram sua esperança de que as circunstâncias mudassem para que a exposição pudesse ser aberta para o público. Cenário.

“Não há fim à vista, apenas a promessa de mais dor, perda e destruição. A exposição acabou e o pavilhão está esperando para ser inaugurado”, disseram. Por enquanto, o trabalho em vídeo de Battier pode ser visto pela janela do pavilhão.

Adriano Pedrosa, curador brasileiro da mostra principal da bienal, elogiou o gesto.

“É uma decisão muito corajosa”, disse Pedrosa à Associated Press. “Também penso que é uma decisão muito sensata” porque “é muito difícil apresentar trabalho neste contexto particular”.

READ  Leslie Grace, estrela de 'Batgirl', fala pela primeira vez depois que o filme foi cortado

Os Pavilhões Nacionais de Veneza são independentes da exposição principal, e cada país decide a sua própria exposição, que pode ou não servir a visão do curador.

Artistas palestinos participam de eventos paralelos Em Veneza, as obras de três artistas palestinos estão programadas para aparecer na exposição principal de Pedrosa, intitulada “Stranieri Ovunque – Foreigners Everywhere”, que apresenta uma maioria de artistas do Sul Global.

Pedrosa, diretor artístico do Museu de Arte de São Paulo no Brasil, disse que um dos artistas palestinos, Khaled Jarrar, que mora em Nova York, não estava fisicamente presente em Veneza porque não conseguiu obter visto de entrada.

A geopolítica não é estranha à bienal. O festival italiano desencorajou e depois proibiu a participação sul-africana durante o período do apartheid. Artistas russos retiraram a sua participação em 2022 em protesto contra a invasão da Ucrânia pelo Kremlin, e a bienal disse que a Rússia não solicitou participação este ano.

A guerra em Gaza eclodiu depois de militantes do Hamas e da Jihad Islâmica realizarem um ataque transfronteiriço em 7 de Outubro que matou 1.200 pessoas em Israel e raptou outras 250.

O ataque retaliatório israelense a Gaza ocorreu Até agora matou mais de 33.700 palestinosSegundo autoridades de saúde locais, causando destruição generalizada. As Nações Unidas alertaram Fome iminente no norte de Gaza.

___

As redatoras da Associated Press Nicole Winfield em Roma e Julia Frankel em Jerusalém contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *