Um tribunal ordena que a Holanda pare de fornecer peças de aviões de combate a Israel Notícias da guerra israelense em Gaza

desenvolvimento da história,

O tribunal observou que havia um risco claro de que as peças fossem utilizadas em “graves violações do direito humanitário internacional”.

Um tribunal holandês ordenou que o governo pare de fornecer peças sobressalentes para os caças F-35 usados ​​por Israel no bombardeio da Faixa de Gaza. A ordem seguiu-se a um apelo de organizações de direitos humanos contra uma decisão de um tribunal de primeira instância que rejeitou o seu argumento de que o fornecimento de peças contribuiu para alegadas violações do direito internacional por parte de Israel.

No ano passado, organizações de direitos humanos nos Países Baixos acusaram o governo de cumplicidade em alegados crimes de guerra cometidos por Israel durante a guerra em Gaza devido às suas exportações de peças sobressalentes para aviões de combate F-35.

As filiais da Amnistia Internacional e da Oxfam nos Países Baixos afirmaram que os carregamentos “contribuem para violações graves e generalizadas do direito humanitário por parte de Israel em Gaza”.

Em Dezembro, um tribunal rejeitou o caso e disse que o governo deveria ter maior liberdade na decisão de questões políticas relacionadas com a exportação de armas.

No entanto, um tribunal de apelações ordenou na segunda-feira que o governo holandês bloqueasse todas as exportações de peças de caças F-35 para Israel no prazo de sete dias.

“Não se pode negar que existe um risco claro de que as peças exportadas do F-35 sejam usadas em graves violações do direito humanitário internacional”, disse o tribunal.

Israel negou repetidamente as acusações de crimes de guerra cometidos durante a sua operação militar em Gaza. Contudo, em Janeiro, o Tribunal Internacional de Justiça apelou a Israel para estar vigilante contra quaisquer actividades na Faixa que possam constituir genocídio.

READ  Netanyahu diz que informou aos Estados Unidos que se opõe ao estabelecimento de um Estado palestino em qualquer cenário pós-guerra

O Ministério da Saúde da Faixa de Gaza controlada pelo Hamas disse na segunda-feira que pelo menos 28.340 pessoas foram mortas no enclave sitiado durante a guerra, incluindo 164 nas últimas 24 horas. Um total de 67.984 pessoas ficaram feridas desde o início das hostilidades, em 7 de outubro, depois que o Hamas matou cerca de 1.100 pessoas e capturou cerca de 240 num ataque a Israel.

Esta é uma história em desenvolvimento…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *