Uma baleia beluga resgatada do rio Sena foi sacrificada enquanto estava em trânsito, segundo autoridades francesas

Os cetáceos estão presos em uma eclusa de água doce em Saint-Pierre-la-Garenne, cerca de 70 quilômetros a noroeste de Paris, desde 2 de agosto. Sua saúde piorou depois que ela se recusou a comer, de acordo com grupos de conservação da vida selvagem que monitoram a situação.

A Reuters informou que levou mais de 80 socorristas seis horas para tirar o animal da eclusa, após o que foi colocado em um barco, onde foi submetido a exames médicos.

No entanto, os cientistas estavam preocupados com a perda de peso “alarmante” do animal e tiveram que se livrar dele logo depois. Funcionários do Departamento de Bombeiros e Resgate de Eason confirmaram sua morte em uma mensagem de vídeo.

“Durante o voo, os veterinários notaram uma deterioração em seu estado, principalmente em sua atividade respiratória, e pudemos notar que o animal estava hipóxico – ou seja, ventilação insuficiente – então ficou claro que o animal estava sofrendo e decidimos que era”, disse Florence Olivet Courtois, veterinária. No serviço de bombeiros e resgate:

Os veterinários esperavam anteriormente que a baleia pudesse ser levada para a Normandia e, eventualmente, solta no mar.

Segundo a Reuters, pesava cerca de 800 kg (1.764 libras), mas deveria ter cerca de 1.200 kg (2.646 libras).

O habitat natural da beluga está nas regiões árticas e subárticas. Embora os habitantes mais famosos sejam encontrados na foz do rio São Lourenço, em Quebec, Canadá, o mais próximo da costa francesa fica em Svalbard, um arquipélago no norte da Noruega, a cerca de 3.000 quilômetros do Sena.

Ninguém sabe como a beluga se perdeu, mas a perda de gelo marinho nas águas do Ártico está abrindo a região para mais navegação, pesca e outras atividades humanas, afetando a capacidade de comunicação e navegação das baleias, de acordo com o WWF. Encontrar comida e procurar parceiros também está se tornando cada vez mais difícil para a espécie.

READ  Biden diz durante reunião de líderes do G20 que os Estados Unidos não buscam conflito com a China

Nos últimos anos, muitas espécies de mamíferos marinhos foram relatadas na França, longe de seu habitat primário. As possíveis causas podem incluir estado de saúde, idade, isolamento social e condições ambientais, entre outras, de acordo com o Observatório Pelagis francês, especializado no estudo de mamíferos marinhos.

Angela Dewan da CNN contribuiu para esta história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *