Uma caixa contendo fezes de girafa foi apreendida em um aeroporto de Minnesota



CNN

Funcionários da alfândega de um aeroporto de Minnesota descobriram que uma viajante trouxe uma lembrança única em sua bagagem: cocô de girafa.

O passageiro chegou ao Aeroporto Internacional de Minneapolis-Saint Paul vindo do Quênia em 29 de setembro de De acordo com um comunicado de imprensa da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA.

“A passageira anunciou excrementos de girafa e disse que havia obtido excrementos de girafa no Quênia e estava planejando fazer um colar”, dizia o comunicado.

A viajante disse que já havia usado fezes de alce para fazer joias semelhantes em sua casa em Iowa, segundo autoridades alfandegárias.

Os especialistas agrícolas da agência “apreenderam o lixo e as fezes foram eliminadas por esterilização a vapor”, de acordo com o protocolo, disse o comunicado.

LaFonda Dr. disse: “Há um risco real de fezes serem trazidas para os Estados Unidos”, disse Sutton Burke, diretor de operações de campo do escritório de campo da agência em Chicago, no comunicado. “Se essa pessoa tivesse entrado nos Estados Unidos e não tivesse declarado esses itens, há uma grande probabilidade de que a pessoa adoecesse por causa dessas joias e sofresse sérios problemas de saúde.”

O comunicado afirma que trazer “fezes de ruminantes” para os Estados Unidos exige a obtenção de autorização dos serviços veterinários. A agência observou que o Quénia sofre de peste suína africana, peste suína clássica, doença de Newcastle, febre aftosa e doença vesiculosa suína.

As girafas vivem em 27 dos 47 condados do Quénia. De acordo com a Fundação de Conservação de Girafas. A fundação disse que a doença desempenhou um papel inexplicável no declínio do número de girafas em todo o país.

READ  Timothée Chalamet fala sobre ossos e tudo no Festival de Cinema de Veneza - Prazo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *