União Europeia: Bósnia e Herzegovina inicia negociações para aderir ao bloco

Fonte da imagem, Imagens Getty

Comente a foto,

O Presidente do Conselho publicou uma fotografia sua com o Primeiro-Ministro da Bósnia e Herzegovina

A Bósnia e Herzegovina, o país dos Balcãs, deverá iniciar as negociações de adesão à UE, oito anos depois de ter solicitado formalmente a adesão ao bloco.

A Comissão Europeia – o braço executivo da União Europeia – recomendou na semana passada que as negociações começassem.

Os líderes da União Europeia já deram a sua aprovação ao plano.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, felicitou os líderes do país, dizendo-lhes: “O vosso lugar é na nossa família europeia”.

Ele publicou uma foto sua apertando a mão de Borjana Kresto, primeiro-ministro da Bósnia e Herzegovina.

“A decisão de hoje representa um grande passo em frente no caminho para a União Europeia. Agora, o trabalho árduo deve continuar para que a Bósnia e Herzegovina avance de forma constante, como o seu povo deseja.”

Pouco depois, a Sra. Christou agradeceu, dizendo: “A determinação e o esforço mútuos alcançaram o nível necessário de conformidade com os requisitos e padrões”.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, descreveu o apoio da Bósnia como uma “boa mensagem” para toda a região.

O primeiro-ministro croata, Andrej Plenkovic, disse que foi um “dia histórico para a nossa vizinha e amiga Bósnia e Herzegovina!”

A Bósnia espera há muito tempo pela luz verde para manter conversações.

Em 2003, a União Europeia emitiu a Declaração de Salónica, afirmando que queria que os países dos Balcãs Ocidentais aderissem a ela. Desde então, apenas a Croácia concluiu o complexo processo de adesão.

Depois de se candidatar à adesão em 2016, a Bósnia obteve o estatuto de candidata em outubro de 2022.

Ao longo do ano passado, aprovou leis relacionadas com as prioridades identificadas pela comissão que se centram na democracia, no desempenho do Estado, no Estado de direito, nos direitos fundamentais e na reforma da administração pública.

Algumas destas leis incluem a repressão ao branqueamento de capitais, aos conflitos de interesses e até à aprovação de negociações sobre um acordo com a agência europeia de fronteiras Frontex.

A Bósnia continua dividida étnica e politicamente, mesmo décadas depois da guerra que destruiu o país entre 1992 e 1995, deixando mais de 100 mil pessoas mortas e milhões de deslocadas.

Poderão demorar ainda muitos anos até que o país adira oficialmente à União Europeia, uma vez que será necessário implementar novas reformas económicas e democráticas.

Albânia, Geórgia, Kosovo, Moldávia, Montenegro, Macedónia do Norte, Sérvia, Turquia e Ucrânia candidataram-se para aderir ao bloco e estão em diferentes fases do processo de candidatura.

A guerra na Ucrânia aumentou a consciência da União Europeia sobre a sua necessidade de demonstrar o seu compromisso para com os Balcãs Ocidentais.

READ  A política de não-coronavírus da China testa pequenas empresas por um ano de sucesso ou desmorona

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *