Vinicius Junior é a estrela transformadora do Real Madrid – com um novo toque

Acompanhe hoje a cobertura ao vivo da partida entre Dortmund e Paris Saint-Germain pela Liga dos Campeões

No final do impressionante empate em 2 a 2 contra o Bayern de Munique na noite de terça-feira, o assessor de imprensa do Real Madrid agiu rapidamente para encontrar Vinicius Junior em campo e dar-lhe o treino.

Com o brasileiro seminu após trocar de camisa com o reserva do Bayern, Brian Zaragoza, parecia que os visitantes não queriam que ele pegasse um resfriado. Isso porque o Real Madrid não pode se dar ao luxo de ter medo de seu craque, que acaba de tirar seu time do fogo com dois gols no jogo de ida das semifinais da Liga dos Campeões.

Ele fez isso jogando como número 9 e em uma noite em que o 14 vezes vencedor da Copa da Europa/Liga dos Campeões enfrentou Harry Kane, o atacante que seu técnico Carlo Ancelotti havia procurado sem sucesso no verão passado.

O interesse do Real Madrid não foi além de testar as condições para Kane, e o capitão da Inglaterra acabou ingressando no Bayern vindo do Tottenham Hotspur. Em vez disso, a equipe de Ancelotti contratou Joselu, de 33 anos, por empréstimo, que acabara de ser rebaixado para o Espanyol. Numa temporada marcada por lesões, que o deixou sem meios-campistas e atacantes, o italiano tornou-se um especialista em sobrevivência.

Na primeira parte, ele criou uma nova posição para Jude Bellingham, outra chegada do verão, que marcou 17 gols em 21 jogos antes das férias de Natal. No segundo tempo, ajudou Vinicius Junior a atingir novos patamares, ao mesmo tempo que foi focando gradualmente a sua posição, tornando-o até no líder da linha de ataque do Real Madrid.

O primeiro gol de Vinicius Junior na noite passada foi obra de um atacante puro, uma corrida inteligente para abrir espaço na defesa, uma finalização brilhante atrás de Manuel Neuer que se aproximava. O brasileiro correu para a bandeira de escanteio para comemorar, beijou o escudo do Real Madrid na camisa, dançou e estendeu os braços como faz Bellingham após marcar, antes de retornar ao campo.


Vinicius Junior se agacha diante de Kroos após o gol inaugural (Kirill Kudryavtsev/AFP via Getty Images)

Lá, ele fez uma reverência a Toni Kroos, em torno de quem mais da metade de seus companheiros de equipe se reuniram. Jogando em sua antiga casa, o passe de Kroos para o gol foi lindo. Embora ele tenha minimizado isso depois.

“Grande crédito para Vinny, ele me deu o passe com seu movimento. Como eu o conheço, ele sempre vai para o espaço. O passe não foi especial”, disse Kroos.

“Treinamos muito juntos e nos conhecemos bem”, disse Vinicius Junior, que se tornou o quarto homem na história da Liga dos Campeões a marcar em três jogos consecutivos nas semifinais.

Mas o Real Madrid começou muito mal a partida. Ancelotti ficou muito zangado.

Aos 10 minutos, ele se virou e estendeu quatro dedos para o filho e auxiliar técnico Davide, reclamando da quantidade de vezes que seus jogadores já haviam perdido a bola. Os suplentes Eder Militão e Dani Ceballos levantaram-se do banco para orientar e gritaram incentivos para o campo de jogo.

Esse clima mudou repentinamente quando, cerca de 15 minutos depois, Kroos e Vinicius Junior combinaram uma jogada simples, mas devastadora, para marcar o gol inaugural. Kroos recebeu a bola no meio-campo e percebeu imediatamente o que deveria acontecer a seguir, apontando o caminho para o companheiro. Vinicius Junior percebeu o que ele queria dizer e executou. Foi inesperado. O Bayern caiu numa armadilha, embora o seu treinador Thomas Tuchel quase esperasse por isso.

“Se você olhar para os gols ou chances deles e retroceder 10 segundos, não os verá chegando”, disse Tuchel antes da partida.

No segundo tempo, o Bayern voltou forte. O ataque poderoso de Leroy Sane causou o caos. Nos bastidores, Ancelotti repreendeu Vinicius Junior e Aurelien Chouamini. Quatro minutos depois, enquanto Kane se preparava para cobrar o pênalti que colocou o time da casa em vantagem por 2 a 1 e o também internacional Bellingham tentava afastar, Vinicius Junior teve outro encontro rápido com Ancelotti.

Como já fez tantas vezes, o brasileiro liderou a rebelião no grande palco.

O Madrid não desistiu e nunca desistiu. A torcida do time, encarando a partida como se fosse uma final, com 4 mil espectadores nas arquibancadas externas da Allianz Arena gritava: “Hasta el Final, vamos Real!” (“Até o fim, vamos à realidade!”).

Aos 83 minutos, quando os pés espertos de Vinicius Junior encontraram Rodrigo dentro da área, não havia dúvidas sobre quem cobraria o pênalti após a falta deste último. Vinicius Junior marcou de pênalti contra o Barcelona no El Clásico há nove dias e assumirá novamente a responsabilidade. Lucas Vázquez recuperou a bola e afastou alguns jogadores do Bayern que tentavam incomodar o companheiro.

Vinicius Junior largou-o com cuidado e enxugou o suor do rosto com a camisa. O barulho era quase ensurdecedor.

Mas o talismã brasileiro do Real Madrid escapou silenciosamente da pressão. Ele marcou de novo e de novo e foi para o escanteio para comemorar. Objetos caíram das arquibancadas ao seu redor quando ele coroou o momento apontando para o número 7 nas costas – o mesmo número que Cristiano Ronaldo usou durante muito tempo no Real Madrid.

READ  Fontes - Jalen Melroe começará no QB na estreia do Alabama

Ao mandar aquele pênalti para Neuer, ele alcançou 32 gols (21 gols e 11 assistências) pelo Madrid nesta temporada, um à frente de Bellingham.

De acordo com o fornecedor de dados Opta, desde o início da temporada 2021-22, ele esteve diretamente envolvido em mais gols na Liga dos Campeões do que qualquer outro jogador (31 no total; 16 gols e 15 assistências).

Este é Vinicius Junior, um jogador versátil que se desenvolveu tanto que também pode ser o atacante que Ancelotti queria no verão passado.

“Estou muito feliz por ter marcado dois gols”, disse ele na linha lateral após a partida, após ser eleito o melhor em campo. “Agora é hora de ter uma noite mágica em casa.”

Tudo resumiu a vantagem de Ancelotti, sua equipe e de Vinicius Junior – ter a ideia de diminuir a diferença e desenvolvê-la bem a ponto de o lateral esquerdo poder se tornar o melhor jogador do jogo de ida da semifinal da Liga dos Campeões, enquanto jogando. sincero.

“Ele agora aprendeu a se movimentar bem sem bola e a se movimentar na defesa do adversário”, disse Ancelotti. “E então ele fica com muito frio na frente do gol.”

(Foto superior: Daniel Kobach/Getty Images)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *