A África do Sul vota numa eleição que poderá provocar a maior transformação desde 1994

JOANESBURGO (AP) – Os eleitores sul-africanos votaram quarta-feira em escolas, centros comunitários e em grandes tendas brancas montadas em campos abertos. Nas eleições São vistos como os mais importantes no seu país desde o fim do apartheid, há 30 anos. Poderia colocar a democracia emergente em território desconhecido.

Em jogo estão três décadas de domínio Partido do Congresso Nacional Africanoo que levou à saída da África do Sul do Governo brutal da minoria branca sob o apartheid e a democracia em 1994. Agora é o alvo de uma nova geração de descontentamento num país de 62 milhões de pessoas – estima-se que metade delas viva na pobreza.

Mais de 50 países irão às urnas em 2024

Depois de votar, o Presidente Cyril Ramaphosa disse não ter dúvidas de que o ANC venceria novamente por uma “maioria esmagadora”.

O principal líder da oposição, John Steenhausen, respondeu: “Pela primeira vez em 30 anos, existe agora um caminho para a vitória da oposição”.

A economia mais desenvolvida de África tem algumas das maiores economias do mundo Problemas sociais e econômicos mais profundos, incluindo uma das piores taxas de desemprego, de 32%. A desigualdade persistente, com a pobreza a afectar desproporcionalmente a maioria negra, ameaça destituir o partido que prometeu acabar com ela derrubando o apartheid sob o lema de uma vida melhor para todos.

“O nosso principal problema aqui na nossa comunidade é a falta de empregos”, disse Samuel Ratchalengwa, que estava perto da frente da turma na mesma escola no município de Soweto, em Joanesburgo, onde Ramaphosa votou. Ele saiu antes das 7h em uma manhã fria de inverno.

“Temos que usar a votação para fazer ouvir a nossa voz sobre esta questão”, disse Ratchalengwa.

READ  6 leões foram mortos no Quênia com uma lança em retaliação pela morte de um rebanho de cabras

Depois de vencer seis eleições nacionais consecutivas, muitas sondagens de opinião colocavam o apoio do ANC em menos de 50% antes desta votação, um mínimo sem precedentes. talvez Perdendo a maioria no Parlamento Pela primeira vez, embora se espere que ocupe o maior número de assentos.

Os eleitores fazem fila para votar na quarta-feira, 29 de maio de 2024, nas eleições gerais em Soweto, África do Sul. (Foto AP/Jerome Delay)

O ANC obteve 57,5% dos votos nas últimas eleições nacionais em 2019, o seu pior resultado até à data, abaixo do máximo de cerca de 70% em 2004. Este declínio foi atribuído à pobreza generalizada, mas também aos muitos ANC e à corrupção. escândalos. A falha dos serviços governamentais básicos, deixando muitas comunidades sem água corrente, electricidade ou habitação adequada.

Ramaphosa, líder do Congresso Nacional AfricanoEle prometeu “fazer melhor”.

Ramaphosa, 71 anos, sentou-se ao lado de outros eleitores no Soweto, onde nasceu e que já foi um centro de resistência ao apartheid. Ele apertou a mão de dois funcionários sorridentes que o registraram antes da votação.

“Não tenho dúvidas no meu coração que o povo irá mais uma vez investir confiança no ANC para continuar a liderar este país”, disse Ramaphosa.

Eleitores esperam do lado de fora de uma seção eleitoral na quarta-feira, 29 de maio de 2024, durante as eleições gerais em Kwa Mfana, África do Sul.  Os eleitores sul-africanos votaram em eleições consideradas as mais importantes no seu país em 30 anos, uma eleição que poderá colocá-los em território desconhecido na curta história da sua democracia, uma vez que o domínio de três décadas do ANC se tornou alvo de críticas precoces. eleições.  Uma nova geração de descontentamento num país de 62 milhões de pessoas, das quais metade vive na pobreza.  (Foto AP/Emilio Morenatti)

Eleitores esperam do lado de fora de uma seção eleitoral na quarta-feira, 29 de maio de 2024, durante as eleições gerais em Kwa Mfana, África do Sul. (Foto AP/Emilio Morenatti)

Qualquer mudança no controlo do ANC sobre o poder poderá ser de grande importância para a África do Sul. Se perder a maioria, o ANC enfrentará provavelmente a perspectiva de formar uma coligação com outros para permanecer no governo e manter Ramaphosa como presidente para um segundo mandato. Nunca antes o ANC teve de participar na governação.

Os sul-africanos votam em partidos, não diretamente no seu presidente. Os partidos obtêm então assentos no Parlamento de acordo com a sua parcela de votos e os legisladores elegem o presidente.

Eleições estavam marcadas para serem realizadas Num dia, nas nove províncias da África do Sul, quase 28 milhões de pessoas registaram-se para votar em mais de 23 mil assembleias de voto. A previsão é que os resultados finais sejam divulgados até domingo.

A oposição ao ANC a este respeito é feroz, mas fragmentado. Não se espera que os dois maiores partidos da oposição, a Aliança Democrática, de centro, e os Combatentes pela Liberdade Económica, de extrema-esquerda, aumentem os seus votos o suficiente para ultrapassar o ANC.

Isto deve-se em grande parte ao facto de os sul-africanos descontentes estarem a mudar-se para uma série de partidos da oposição. Mais de 50 pessoas competirão nas eleições nacionais, muitas delas novas. Um deles é liderado pelo ex-presidente sul-africano Jacob Zuma, que fez exatamente isso Ele se voltou contra seus ex-aliados no ANC. Zuma era Privado de pé Como candidato ao Parlamento, mas o seu partido, o deputado ao Knesset, continua a competir e é o trunfo.

Steenhausen, líder A principal oposição, Aliança DemocráticaEle disse que a África do Sul estava agora a caminhar para um “Estado de coligação”. Ele admitiu que o seu partido provavelmente não obteria a maioria, mas depositou a sua fé num acordo pré-eleitoral com outros partidos menores para combinar os seus votos para remover o ANC.

Uma mulher vota na quarta-feira, 29 de maio de 2024, durante as eleições gerais em Kwamfana, África do Sul.  Os eleitores sul-africanos votaram em eleições consideradas as mais importantes no seu país em 30 anos, uma eleição que poderá colocá-los em território desconhecido na curta história da sua democracia, uma vez que o domínio de três décadas do ANC se tornou alvo de críticas precoces. eleições.  Uma nova geração de descontentamento num país de 62 milhões de pessoas, das quais metade vive na pobreza.  (Foto AP/Emilio Morenatti)

Uma mulher vota na quarta-feira, 29 de maio de 2024, durante as eleições gerais em Kwamfana, África do Sul. (Foto AP/Emilio Morenatti)

“Não creio que resolveremos os problemas da África do Sul mantendo as mesmas pessoas à volta da mesma mesa e tomando as mesmas decisões erradas com os mesmos resultados ruins”, disse Steenhausen.

O ANC diz estar confiante em manter a sua maioria e os analistas não descartam essa possibilidade, dada a incomparável máquina de campanha popular do partido. Ainda goza de amplo apoio.

“Acordei às 4 da manhã, tomei banho e saí”, disse Velaphi Banda, de 68 anos, acrescentando que votava no ANC desde 1994 e que o faria novamente. “Nunca hesitei em qual partido votar. Sempre soube.”

Ramaphosa observou que a África do Sul é agora um país muito melhor do que era sob o apartheid, quando os negros eram impedidos de votar, não eram autorizados a circular livremente, tinham de viver em áreas designadas e eram perseguidos de todas as formas. Esta eleição é a sétima votação nacional na África do Sul em que pessoas de todas as raças podem participar.

Memórias daquela época do apartheid, e As eleições decisivas que acabaram com tudo Em 1994, ele ainda fotografava grande parte da vida cotidiana na África do Sul. Mas com o tempo, menos pessoas se lembram, e esta eleição poderá dar voz a uma nova geração.

“Sinto que não há oportunidades para os jovens nesta área”, disse Innocentia Zeta, de 27 anos, do seu bairro.

Embora 80% da população da África do Sul seja negra, é um país multirracial com um grande número de brancos, pessoas de ascendência indiana, pessoas de herança birracial e outros. Existem 12 línguas oficiais.

A votação irá também realçar as contradições do país, desde o centro económico de Joanesburgo – descrita como a cidade mais rica de África – ao pitoresco destino turístico da Cidade do Cabo, aos assentamentos informais de bairros de lata nos seus arredores, e ao interior rural. Numa dessas áreas na província oriental de KwaZulu-Natal, a avó Thembekile Ngema, de 72 anos, e outras pessoas caminharam durante 20 minutos pelas colinas para chegarem à sua assembleia de voto.

A votação está prevista para começar às sete da manhã (05h00 GMT) e terminar às nove da noite (19h00 GMT). A Comissão Eleitoral Independente, que administra as eleições, disse que houve alguns problemas com a abertura dos centros a tempo, mas foram menores. A África do Sul realizou eleições pacíficas e credíveis desde a escalada violenta de eleições cruciais em 1994. Cerca de 3.000 soldados serão destacados por todo o país para garantir que tudo esteja em ordem, disseram as autoridades.

___

Gerald Imray relatou da Cidade do Cabo e Farai Motsaka de Ishwe.

___

Notícias IP África: https://apnews.com/hub/africa

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *