A transcrição do acidente da Japan Airlines contradiz a história do capitão da Guarda Costeira

Destroços do avião A350 da Japan Airlines.
Kyodo/via Reuters

  • Agora temos uma ideia melhor do que pode ter causado o acidente da Japan Airlines em Tóquio.
  • A aeronave da Guarda Costeira japonesa que foi atingida pelo avião de passageiros durante o pouso não foi autorizada a decolar.
  • Textos escritos pouco antes do acidente parecem contradizer as afirmações do piloto da Guarda Costeira.

O avião da Guarda Costeira que colidiu com um avião de passageiros da Japan Airlines esta semana não foi autorizado a decolar, de acordo com uma transcrição do controle de tráfego que detalha os momentos que antecederam o acidente.

O avião da Guarda Costeira foi instruído a se deslocar para um ponto próximo à pista na noite de terça-feira no aeroporto de Haneda, em Tóquio. Bloomberg informoucitado do texto.

Mas o capitão do avião disse após o acidente que “obteve permissão para decolar”. De acordo com relatos da mídia japonesa.

A Bloomberg informou que uma das pessoas a bordo do avião da Guarda Costeira admitiu ter dirigido o táxi.

“Táxi para parar o ponto C5 JA722A nº 1, obrigado”, Bloomberg citou o texto. Não está claro se quem fala é o capitão ou o copiloto.

Cinco dos seis tripulantes do avião da Guarda Costeira morreram. O capitão foi o único sobrevivente e ficou gravemente ferido após o acidente. Relatado pela Reuters.

Os textos mostram que o avião de passageiros da Japan Airlines que colidiu com o avião da Guarda Costeira recebeu autorização para pousar.

Todos os 379 passageiros sobreviveram antes de o avião pegar fogo após o pouso, embora o sistema de intercomunicação estivesse com defeito e mais da metade das saídas de emergência estivessem inutilizáveis.

READ  Por que Türkiye mudou sua posição sobre a adesão da Suécia à OTAN | Notícias da OTAN

Especialistas disseram que os passageiros e a tripulação sobreviveram porque ouviram a tripulação de cabine e deixaram suas bagagens para trás.

A Reuters informou que o Conselho Japonês de Segurança nos Transportes está trabalhando com agências governamentais britânicas e francesas para investigar o acidente.

A Reuters informou que o avião Airbus foi fabricado na França e seus motores Rolls-Royce foram fabricados no Reino Unido.

“O Ministério dos Transportes está fornecendo materiais objetivos e cooperará totalmente com a investigação para garantir que trabalhemos juntos para tomar todas as medidas de segurança possíveis para evitar a recorrência do acidente”, disse o ministro dos Transportes japonês, Tetsu Saito, aos repórteres após o acidente.

Correção: 3 de janeiro de 2024 – Uma versão anterior desta história escreveu incorretamente o nome do aeroporto de Tóquio. É o Aeroporto de Haneda, não o Aeroporto de Hanata. Também declarou incorretamente onde as peças das aeronaves da Japan Airlines foram fabricadas. O avião foi fabricado na França e seus motores no Reino Unido.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *