Um jornalista francês foi morto em um ataque com mísseis na Ucrânia Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

Armand Soldin, da Agence France-Presse, foi baleado em Chasev Yar e é o 15º jornalista a ser morto desde que a Rússia lançou sua invasão total da Ucrânia.

O jornalista francês Armand Soldin, que trabalhava para a agência de notícias AFP, foi morto em um ataque com mísseis em Chasiv Yar, perto da cidade ucraniana de Pakhmut, no leste, o 16º jornalista a morrer desde que a Rússia lançou sua invasão total da Ucrânia em fevereiro. 2022.

A Agence France-Presse disse que Solden estava com uma equipe de jornalistas da AFP que viajava com soldados ucranianos quando o grupo foi atacado por foguetes Grad por volta das 16h30 (13h30 GMT) na terça-feira.

A agência disse que a equipe se protegeu, mas Soldin, 32, foi morto quando um míssil caiu perto de onde ele estava deitado.

Armand Soldin ingressou na Agence France-Presse em 2015 como estagiário. A Agence France-Presse disse que ficou arrasada com a morte dele [Arman Soldin/AFP]

“Toda a agência está arrasada com a perda de Arman”, disse o chefe da AFP, Fabrice Fries. “Sua morte é um terrível lembrete dos riscos e perigos que os jornalistas enfrentam todos os dias ao cobrir o conflito na Ucrânia.”

O restante da equipe da agência saiu ileso.

Shasiv Yar está localizado perto de Bakhmut, que as forças russas tentam capturar há nove meses, e o considera um trampolim para outras partes do leste da Ucrânia.

A Agence France-Presse disse que Soldin nasceu em Sarajevo, hoje capital da Bósnia, e é cidadão francês. Ele ingressou na agência como estagiário em Roma em 2015, antes de ser designado para Londres. Ele chega à Ucrânia para cobrir a guerra um dia depois que a Rússia inicia sua invasão total.

Solden, que liderou a reportagem de vídeo da agência na Ucrânia, tem viajado regularmente para a linha de frente nos últimos meses.

READ  Obra de Banksy é revelada em Borodianka, Ucrânia

O presidente francês, Emmanuel Macron, prestou homenagem a Soldin no Twitter, elogiando sua “coragem”.

O Ministério da Defesa da Ucrânia ofereceu suas “sinceras condolências” à família e colegas de Soldin em um comunicado no Twitter.

“Ele dedicou sua vida a contar a verdade ao mundo. Seu legado e sua causa viverão.”

Soldin é o décimo quinto jornalista morto enquanto trabalhava na Ucrânia desde o início da invasão em fevereiro de 2022, segundo dados do Comitê para a Proteção dos Jornalistas. Dois outros jornalistas morreram em circunstâncias ainda não esclarecidas.

O produtor ucraniano Bohdan Petek, que trabalhava para o jornal italiano La Repubblica, foi morto a tiros em um suposto ataque de atiradores russos perto da cidade de Kherson, no sul, no mês passado. O repórter italiano que trabalhava com ele ficou ferido.

[Translation: A journalist from AFP, one of our fellow countrymen, Arman Soldin has been killed in Ukraine. With courage, within the first few hours he was at the front to establish the facts. To keep us informed. We share the pain of his loved ones and all his colleagues.]

Colegas disseram que Soldin sabia especialmente como recontar a vida de pessoas envolvidas no conflito na Ucrânia, tentando desesperadamente sobreviver em meio ao caos.

Em Kiev, ele encontra um momento de ternura entre um pai conscrito e seu filho que fugiu para o exterior, unindo-se em um jogo de estratégia online.

READ  Russos discutem matar civis em interceptação de rádio de inteligência alemã

No início deste mês, ele resgatou um ouriço ferido de uma vala e cuidou dele até recuperá-lo. Ele a chamou de Lucky.

“O trabalho fantástico de Arman resumiu tudo o que nos deixou tão orgulhosos do jornalismo da AFP na Ucrânia”, disse Phil Chetwynd, diretor de notícias globais da agência.

A morte de Arman é um terrível lembrete dos riscos e perigos de cobrir esta guerra. Nossos pensamentos esta noite estão com sua família e amigos, e com todo o nosso pessoal que está na Ucrânia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *