A Ucrânia está fazendo progressos em Kherson e – surpreendentemente – em Kharkiv

Kyiv, Ucrânia – Lenin não consegue dormir à noite depois do que viu no necrotério de Rostov. Ele disse ao amigo que os corpos dos mortos na Ucrânia estavam “nadando em um caldeirão de formalina”. Ele disse que para fazer uma identificação positiva, você tem que pegar com uma vara. O desconhecido requer testes de DNA. Em suma, Lenin disse: “Estou em pânico”.

Lenin é o pseudônimo de um soldado russo sem nome, mas sua terrível experiência contada por um confidente em um telefonema feito em 5 de setembro que foi interceptado por uma agência de inteligência ocidental.

O Yahoo News não conseguiu verificar de forma independente a identidade dos oradores ou a causa do massacre descrito. Mas a história acompanha o que soldados russos e seus apoiadores cada vez mais miseráveis ​​vêm dizendo há dias nas redes sociais. Os ataques ucranianos são múltiplos, primeiro em torno de Kherson, ocupada pelos russos, e agora, inesperadamente, em torno de Kharkiv, no leste da Ucrânia, causando grandes danos ao exército russo.

Um residente de Kherson saúda um soldado ucraniano, 25 de julho (Ivan Chernichkin/Zaborona/Global Images Ukraine via Getty Images)

Vídeos mostrando supostos prisioneiros de guerra russos – sendo o último um coronel – inundaram os canais do Telegram. Embora Kyiv tenha imposto um apagão de mídia em Kherson no início de sua campanha na semana passada, o governo confirmou a restauração de grandes quilômetros quadrados de terreno.

Em 7 de setembro, o Comando de Operações do Sul da Ucrânia anunciou que havia capturado vários assentamentos, bem como duas aldeias capturadas três dias antes. O padrão azul e ouro foi erguido nos telhados de toda a região. Rastreadores online citaram um ligeiro aumento nas perdas de equipamentos russos, compartilhando vários vídeos mostrando as forças ucranianas vitoriosas com os despojos de guerra deixados pelos russos.

READ  Wagner: O chef de Putin, Yevgeny Prigozhin, admitiu ter criado um uniforme de mercenário em 2014

Vale ressaltar que a frota ucraniana do UAV turco Bayraktar TB-2 está agora Atingir alvos de oportunidade ao longo da linha de frenteEles não são mais destinados a pedreiras maiores, como centros de comando e controle, sistemas de defesa aérea e veículos de logística. Os ucranianos também estão usando novas equipes equipadas com armas da OTAN, principalmente tanques poloneses T-72M e uma variedade de veículos blindados ocidentais. Essas eram as divisões Assisti ao treinamento neste equipamento, recém chegado ao paísnos meses anteriores.

A velocidade com que as forças ucranianas parecem estar progredindo impressionou os observadores ocidentais. Mas a verdadeira surpresa é que eles também lançaram um ataque simultâneo a centenas de quilômetros ao norte em Kharkiv, perto da fronteira oriental com a Rússia. A cidade, uma das maiores da Ucrânia, está sob constante bombardeio desde que a Rússia lançou sua invasão em fevereiro.

Após o ataque com mísseis russos à cidade de Kharkiv, na Ucrânia

As consequências de um ataque com mísseis russos em Kharkiv, Ucrânia, 7 de setembro (Metin Aktas/Agência Anadolu via Getty Images)

Igor Girkin, oficial do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) e ex-comandante das forças russas na província ocupada de Donetsk, postou na rede social Telegram que as forças russas foram cercadas em Balaklia, uma cidade de Kharkiv. região. Girkin elogiou indiretamente a “excelente audácia” dos ataques ucranianos por sua velocidade e agressão. Girkin também expressou insatisfação com o mau treinamento da Guarda Nacional Russa e a “cautela” da Força Aérea Russa em se abster de ataques de retaliação.

Parece que pelo menos um destacamento da Guarda Nacional Russa conseguiu se encurralar no cerco de Balaklia. E na quarta-feira area cinzaO canal Telegram, operado pelo grupo mercenário russo Wagner, informou que unidades russas estavam deixando Balaklia. “É provável que a cidade seja rendida.”

READ  Nancy Pelosi critica o chamado 'contato' com a China: 'Nós realmente somos liderados por idiotas'

Parece também que os ucranianos estão sitiando os russos no sul.

Todo o transporte dos russos através do rio Dnipro foi agora destruído ou tornado intransitável para o tráfego motorizado. Ponte da estrada Antonovsky que foi bombardeada por sistemas de artilharia de alta mobilidade fornecidos pelos Estados Unidos (Himars) por semanas, fora da comissão. Ponte rodoviária sobre a represa Nova Kakhovka em Kherson Parece ter desmoronado, a julgar pelas imagens de satélite. Vários outros cruzamentos menores, incluindo Tanto uma estrada como uma ponte flutuante sobre o afluente de Inhulets em Darivka foram destruídas. A influência coletiva corta a área controlada pelos russos na margem ocidental do rio Dnipro quase pela metade.

A pressão para recuperar o controle de Kherson e sua capital regional, o primeiro grande centro populacional capturado pela Rússia no início da invasão no final de fevereiro, foi enviada por autoridades ucranianas por vários meses.

artilharia ucraniana

Artilharia ucraniana na linha de frente em Kherson, 15 de julho. (Metin Aktas / Agência Anadolu via Getty Images)

Kherson está localizada na foz do rio Dnipro e serve como um importante centro administrativo e de transporte. Para os russos, é a área ao norte da Crimeia, então perdê-la dá à Ucrânia um lugar mais próximo para lançar ataques na península que o Kremlin ocupa desde 2014. A Rússia fez planos para um “referendo” para anexar essencialmente Kherson, pois fez a Crimeia. Esses planos agora estão “pausados”, de acordo com para TASS.

O objetivo final de Moscou no sul da Ucrânia tem sido a criação de um corredor terrestre estratégico, estendendo-se a leste da Crimeia até a Rússia continental e a oeste através de Odessa, atingindo a região não reconhecida apoiada pela Rússia. O estado separatista da Transnístria. Isso teria resultado na falta costeira da Ucrânia, eliminando as perspectivas econômicas para um país que depende fortemente das exportações marítimas.

READ  Uma onda de calor brutal viaja do Reino Unido e da França para a Europa Central

A batida do tambor de Kherson parece ter sido tanto uma operação informativa quanto uma antecipação de uma próxima operação militar. A Rússia forçou a transferência de grupos de batalhões táticos de outras frentes para fortalecer suas defesas, colocando-o no campo de batalha onde os ucranianos se sentiam mais confiantes no combate. Essa manobra também ajuda a levar em conta os ataques à base aérea russa de Saki, na Crimeia, no mês passado.

A destruição de mais da metade da Força Aérea Naval da Frota do Mar Negro, de acordo com um oficial de inteligência ocidental, levou os russos a retirar seus aviões de Kherson, o que sem dúvida contribuiu para a posição de princípio que Girkin insinuou.

Igor Strelkov, também conhecido como Igor Girkin

Igor Strelkov, também conhecido como Igor Girkin, comandante militar supremo da autoproclamada República Popular de Donetsk, em entrevista coletiva em Donetsk em 2014 (Bulent Kilic / AFP via Getty Images)

dentro novo artigo Sobre as Perspectivas Estratégicas da Ucrânia para 2023, o general Valery Zalogny, comandante em chefe das Forças Armadas da Ucrânia, e o tenente-general Mikhailo Zabrodsky, primeiro vice-presidente do Comitê de Segurança Nacional, Defesa e Inteligência do Parlamento ucraniano, reconheceu que “uma série de ataques de mísseis bem-sucedidos” foram usados ​​contra a base aérea de Saki. Isso pode indicar que a Ucrânia já possui munições de longo alcance não declaradas, capazes de atingir profundamente o território inimigo.

Até agora, as perdas ucranianas na Frente Sul não parecem ter sido esmagadoras, Segundo o The Economist,, que visitou hospitais em Odessa e Mykolaiv, a noroeste de Kherson. Um médico que trabalha na principal unidade de emergência entrevistado pelo canal disse que uma média de 15 a 30 soldados chegam todos os dias. “Mais do que o normal, mas não nosso pior pesadelo.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.