Arábia Saudita e Irã reatam relações e dizem buscar estabilidade no Oriente Médio

DUBAI, Emirados Árabes Unidos (AP) – Rivais de longa data no Oriente Médio, Irã e Arábia Saudita deram outro passo importante em direção à reconciliação na quinta-feira, restaurando formalmente as relações diplomáticas após uma briga de sete anos, enfatizando a necessidade de estabilidade regional e concordando em buscar cooperação.

O acordo foi alcançado em Pequim durante uma reunião entre os ministros das Relações Exteriores do Irã e da Arábia Saudita, um mês depois que a China intermediou um acordo provisório de reconciliação entre as duas potências regionais.

Este último entendimento reduz as chances de um conflito armado entre os dois rivais, seja diretamente ou por procuração na região. Isso poderia reforçar os esforços dos diplomatas para encerrar uma longa guerra no Iêmen, um conflito no qual o Irã e a Arábia Saudita estão profundamente entrincheirados.

O anúncio de quinta-feira também marca outra vitória diplomática para os chineses, já que os estados do Golfo Árabe veem os Estados Unidos se retirando lentamente da região mais ampla.

Mas resta saber até que ponto os esforços de reconciliação irão progredir. A rivalidade remonta à revolução de 1979 que derrubou a monarquia apoiada pelo Ocidente no Irã e, nos últimos anos, os dois países apoiaram grupos armados rivais e facções políticas em toda a região.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Hossein Amirabadollahian, ofereceu detalhes do acordo de quinta-feira em um tweet, após suas conversas com seu colega saudita, o príncipe Faisal bin Farhan Al Saud.

O ministro escreveu que quinta-feira marcou o início de “relações diplomáticas oficiais… cooperação econômica e comercial, reabertura de embaixadas e consulados gerais e ênfase na estabilidade, segurança estável e desenvolvimento na região”. Amirabadullahian disse que as questões são “acordadas e na agenda comum”.

READ  Netos cuja falta de visitas “prejudicou” soldado aposentado estão perdendo batalha judicial por seu testamento

A agência oficial de notícias iraniana, IRNA, informou que, além de reabrir as embaixadas nas duas capitais, as missões diplomáticas começarão a operar em outras duas grandes cidades – Mashhad no Irã e Jeddah na Arábia Saudita. O relatório afirma que as duas partes também concordaram em estudar as perspectivas de retomada de viagens e visitas oficiais e privadas entre os dois países, além de como facilitar os procedimentos de visto para seus povos.

O Ministério das Relações Exteriores da China informou no mês passado que os dois lados concordaram em reabrir suas embaixadas e missões dentro de dois meses.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, disse que os dois ministros das Relações Exteriores assinaram uma declaração conjunta e expressaram sua determinação em melhorar as relações de acordo com as negociações em Pequim no mês passado.

A Agência de Imprensa Saudita estatal relatou uma breve notícia sobre a reunião, na qual disse: “Tiveram discussões sobre relações conjuntas e formas de melhorar a cooperação em muitos campos” com o objetivo de “aumentar a segurança, estabilidade e prosperidade do região.” Dois países, dois povos.

As negociações de quinta-feira em Pequim são a primeira reunião formal de diplomatas de alto escalão dos dois países desde 2016, quando o reino cortou relações com o Irã depois que postos diplomáticos sauditas foram invadidos por manifestantes. A Arábia Saudita havia executado um proeminente clérigo xiita junto com outros 46 dias antes, o que levou ao início de manifestações.

Mao disse na entrevista coletiva que o aquecimento das relações mostra que “os países da região têm vontade e capacidade de assumir a liderança” na manutenção da paz.

READ  O presidente das Maldivas enfrenta críticas internas generalizadas devido ao seu pivô anti-Índia

Ela disse que a China está pronta para apoiar os dois lados na promoção de boas relações e pediu à comunidade internacional que ajude os países do Oriente Médio a resolver suas diferenças.

“As táticas da hegemonia colonial de provocar contradições e criar estranhamento e divisão devem ser rejeitadas por pessoas de todo o mundo”, disse ela.

Os Estados Unidos saudaram os avanços diplomáticos entre a Arábia Saudita, com quem mantém uma aliança estreita, mas complexa.Irã, que considera uma ameaça regional. Mas as autoridades americanas também expressaram dúvidas sobre se o Irã mudaria seu comportamento.

“Se esse diálogo levar a ações concretas do Irã para conter suas atividades desestabilizadoras na região, incluindo a proliferação de armas perigosas, é claro que receberemos isso”, disse Vedant Patel, principal vice-porta-voz do Ministério das Relações Exteriores.

Embora a reabertura das embaixadas represente um grande passo à frente, a extensão da reaproximação pode depender dos esforços de paz no Iêmen, onde a Arábia Saudita está em guerra com os rebeldes Houthi, apoiados pelo Irã, desde 2015, depois que os rebeldes capturaram a capital. E uma grande parte do norte do Iêmen.

A Arábia Saudita também suspeita profundamente do programa nuclear do Irã, que fez progressos significativos Desde que os Estados Unidos se retiraram unilateralmente de um acordo de 2015 com as potências mundiais para limitar as atividades nucleares do Irã em troca do alívio das sanções.

“Sei por minhas conversas com os sauditas que eles estarão observando o espaço iemenita”, disse Tim Lenderking, enviado do governo Biden ao Iêmen, em uma audiência em um centro de estudos em Washington no início desta semana.

READ  Putin foi fotografado na China acompanhado por oficiais carregando uma maleta nuclear russa

Ele acrescentou: “Se os iranianos quiserem mostrar que já superaram o conflito, não haverá mais contrabando de armas para os houthis, em violação das resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas”. Ele também apontou o suposto envolvimento iraniano no tráfico de drogas.

Lenderking indicou o apoio do Irã para uma trégua contínua Lá, como um sinal positivo recentemente, ele pediu ao Irã que apoie os esforços políticos para chegar a um acordo de paz permanente.

___

Os escritores da Associated Press Canice Leung em Hong Kong, Amir Waheedat em Teerã e Irã e Elaine Knicmeyer em Washington contribuíram para isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *