Argentina votou nas eleições à sombra da crise econômica

BUENOS AIRES (Reuters) – Os argentinos foram às urnas no domingo para votar em uma eleição geral sob a sombra da pior crise econômica do país sul-americano em duas décadas, uma vitória que alimentou a ascensão de uma extrema-direita expatriada. libertário.

A votação irá abalar os já instáveis ​​mercados da Argentina, afectar as suas relações com parceiros comerciais, incluindo a China e o Brasil, e definir o rumo político para o país, um grande exportador de cereais com enormes reservas de lítio e gás de xisto.

As urnas abriram às 8h (11h GMT): o economista libertário Javier Mili, o ministro centrista da Economia peronista, Sergio Massa, e a conservadora Patricia Bullrich, com os três principais candidatos que provavelmente dividirão a votação.

Prometendo “destruir” o status quo econômico e político, Miley é a candidata vencedora, enquanto eleitores furiosos acorrem à sua mensagem estrondosa, fartos de uma inflação de 138% e de mais de dois quintos de pobreza. população

“As pessoas querem mudar as coisas”, disse Federico Aurelio, presidente da consultoria Aresco. “Como? Eles não têm ideia, mas querem outra coisa.”

Miley, uma impetuosa ex-especialista de TV que foi comparada a Donald Trump e Jair Bolsonaro, obteve uma vitória surpreendente nas primárias abertas de agosto, embora Massa e Bulrich não estejam muito atrás e a disputa possa ser acirrada. As pesquisas não esperam uma vitória completa.

Um candidato precisa de 45% dos votos, ou 40% e uma vantagem de 10 pontos, para evitar um segundo turno em 19 de novembro. A votação será encerrada às 18h (21h GMT) de domingo. E os primeiros resultados são esperados às 21h (00h GMT).

READ  Atualizações recentes sobre Rússia-Ucrânia e as últimas notícias sobre a crise nas fronteiras

Quem quer que ganhe terá de lidar com uma economia sustentada: as reservas do banco central estão vazias, espera-se uma recessão após uma grande seca e um programa de 44 mil milhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional (FMI) está vacilante.

No meio desta crise, Miley levantou-se subitamente e prometeu uma terapia de choque para consertar a economia, incluindo a dolarização, o encerramento do banco central, a redução drástica do tamanho do governo e a privatização de empresas estatais.

“Ele é o único que entende a situação do país e sabe como salvá-lo”, disse Nicolás Mercado, um estudante de 22 anos de Buenos Aires.

Massa, o atual chefe econômico, está concorrendo apesar de supervisionar que a inflação atingiu os três dígitos pela primeira vez desde 1991. Prometeu reduzir o défice fiscal, controlar o peso e preservar a rede de segurança social peronista.

“Massa representa algumas das garantias tradicionais com as quais fui criada: saúde pública, educação estatal, é isso que quero proteger com o meu voto”, disse a astróloga Flavia Vasquez.

Bullrich, ex-ministro da Defesa e popular nos círculos empresariais, viu seu apoio diluído pela aparição inesperada de Miley. As pesquisas o consideram o mais provável entre os três primeiros colocados a perder o segundo turno.

Reportagem de Nicholas Miskul; Edição de Adam Jordan, Chisu Nomiyama e Barbara Lewis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *