Atividade fabril chinesa desacelerou em dezembro pelo terceiro mês consecutivo de contração

Uma pesquisa com gerentes de fábricas na China mostrou que a produção diminuiu em dezembro, no mais recente sinal de que a segunda maior economia do mundo continua lenta.

O Índice Oficial de Gerentes de Compras caiu para 49 no mês passado, no que as autoridades disseram ser uma evidência de demanda fraca, informou o Departamento Nacional de Estatísticas no domingo. Este foi o terceiro mês consecutivo de contração. O Índice de Gerentes de Compras (PMI) está em uma escala de 100, onde 50 representa a linha divisória entre expansão e contração.

O índice caiu em oito dos últimos nove meses, com aumento apenas em setembro. Em novembro, o índice atingiu 49,4, ante 49,5 do mês anterior.

Apesar da fraqueza inesperadamente prolongada após a pandemia, a economia da China cresceu a um ritmo de 5,2% nos primeiros três trimestres do ano e mostrou sinais de melhoria em Novembro, com a produção industrial e as vendas a retalho a aumentarem.

Nos últimos meses, o governo aumentou os gastos na construção de portos e outras infra-estruturas, cortou as taxas de juro e aliviou as restrições à compra de casas, numa tentativa de estimular a procura interna que os economistas dizem ser essencial para sustentar o crescimento.

No seu discurso de Ano Novo, o líder Xi Jinping disse que a China fez uma “transição suave” na resposta do país à pandemia, que por vezes incluiu o encerramento de fábricas e partes de cidades inteiras.

READ  A contracção na China está a piorar à medida que as pressões económicas aumentam

Xi disse em declarações divulgadas pela Agência de Notícias Xinhua que a economia chinesa se tornou “mais flexível e dinâmica do que antes”.

A procura global de bens manufaturados sofreu à medida que os bancos centrais de todo o mundo aumentaram as taxas de juro para combater as taxas de inflação elevadas há décadas. As pressões sobre os preços diminuíram nos últimos meses, mas a procura ainda não recuperou para os níveis anteriores à pandemia. Isto tem ramificações em toda a região porque as cadeias de abastecimento ligadas à China estão espalhadas por muitos países asiáticos.

Depender das exportações para impulsionar o crescimento na China significa mais concorrência à medida que o governo investe em mais construção industrial, disse Stephen Innes, da SPI Asset Management, num comentário. Ele salientou que “o maior obstáculo ao sector industrial não era o acesso ao capital, mas sim a fraca procura, pelo que expandir o investimento na indústria transformadora significa muitas vezes expandir a capacidade disponível”.

O PMI não-industrial da China subiu em dezembro para 50,4, informou o departamento de estatísticas. Contudo, o subíndice do IGC para o sector dos serviços situou-se em 49.3, inalterado face à leitura de Novembro.

Apesar da queda no mercado imobiliário causada pela repressão ao excesso de empréstimos por parte dos promotores imobiliários, a indústria da construção está a prosperar: o subíndice do sector subiu para 56,9 em Dezembro, o que é um território expansionista, de 55 em Novembro, segundo o relatório. disse. Ele disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *