Biden e Yoon prometem dissuadir a Coreia do Norte e fornecer ajuda para combater o vírus Corona

SEUL (Reuters) – O presidente Joe Biden e seu novo colega sul-coreano concordaram neste sábado em realizar exercícios militares maiores e implantar mais armas dos EUA, se necessário, para deter a Coreia do Norte, enquanto se oferecem para enviar vacinas contra a Covid-19 e possivelmente conhecer Kim Jong. Nações Unidas.

Biden e Yoon Seok Yeol disseram que sua aliança de décadas precisa evoluir não apenas para combater as ameaças norte-coreanas, mas também para manter a região do Indo-Pacífico “livre e aberta” e proteger as cadeias de suprimentos globais.

Os dois líderes estão se reunindo em Seul em seu primeiro compromisso diplomático desde a posse do presidente sul-coreano há 11 dias. O impasse entre os aliados foi ofuscado pela inteligência que mostrou que o líder norte-coreano Kim Jong Un está pronto para realizar testes nucleares ou de mísseis.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Yoon buscou mais garantias de que os Estados Unidos fortaleceriam sua dissuasão contra ameaças da Coreia do Norte. Em uma declaração conjunta, Biden reiterou o compromisso dos Estados Unidos de defender a Coreia do Sul com armas nucleares, se necessário.

Os dois lados concordaram em considerar expandir seus exercícios militares conjuntos, que foram reduzidos nos últimos anos devido ao COVID-19 e aos esforços para reduzir as tensões com o Norte.

Os EUA também prometeram implantar “ativos estratégicos” – que normalmente incluem bombardeiros de longo alcance, submarinos de mísseis ou porta-aviões – se necessário para deter a Coreia do Norte, segundo o comunicado.

Os dois líderes disseram estar comprometidos com a desnuclearização da Coreia do Norte e abertos à diplomacia com Pyongyang.

READ  Henry Kissinger diz que Ucrânia deveria ceder território à Rússia para acabar com a guerra

“Sobre se eu me encontro com o líder da Coreia do Norte, isso dependerá de ele ser sincero e sério”, disse Biden em entrevista coletiva conjunta.

Ele disse que Washington ofereceu vacinas COVID-19 à China e à Coreia do Norte, que estão lutando contra o primeiro surto reconhecido. “Não temos resposta”, disse Biden.

A Coreia do Norte registrou mais de 200.000 novos pacientes com febre pelo quinto dia consecutivo no sábado, mas o país tem poucas vacinas ou tratamento moderno para a epidemia. Consulte Mais informação

Expansão da aliança

Biden disse que a aliança EUA-Coreia do Sul, que remonta à Guerra da Coreia de 1950-53, deve se desenvolver ainda mais para manter a região do Indo-Pacífico “livre e aberta”.

Ele disse que a aliança foi construída em oposição à mudança de fronteiras pela força – uma aparente referência à guerra da Rússia na Ucrânia e às reivindicações da China sobre Taiwan.

A declaração conjunta pediu a manutenção da paz e estabilidade no Estreito de Taiwan e a liberdade de navegação no Mar da China Meridional.

Quando perguntado por repórteres sobre possíveis reações de Pequim, o conselheiro de segurança nacional de Yoon, Kim Sung Han, disse que essas questões estão diretamente relacionadas aos interesses nacionais da Coreia do Sul, já que seus navios usam as rotas.

“Então, acho que não haverá espaço para retaliação ou mal-entendidos chineses sobre isso”, disse ele.

Mudanças no comércio internacional e nas cadeias de suprimentos deram um novo impulso aos Estados Unidos e à Coreia do Sul para aprofundar seu relacionamento, disse Yoon, pedindo cooperação em baterias elétricas e semicondutores.

READ  O rublo russo atingiu menos de um centavo depois que o Ocidente apertou as sanções

Biden aproveitou a visita para promover investimentos nos Estados Unidos por empresas coreanas, incluindo um movimento do grupo sul-coreano Hyundai Motor Group de investir cerca de US$ 5,5 bilhões para construir as primeiras instalações dedicadas à fabricação de carros elétricos e baterias nos Estados Unidos. Consulte Mais informação

Os dois líderes visitaram a fábrica de semicondutores da Samsung na sexta-feira, onde Biden disse que países como Estados Unidos e Coreia do Sul “compartilham valores” precisam de mais cooperação para proteger a segurança econômica e nacional.

Yun disse que o conceito de segurança econômica inclui cooperação em caso de choques no mercado de câmbio.

Querendo desempenhar um papel maior nas questões regionais, o presidente sul-coreano disse que seu país se juntará ao Quadro Econômico Indo-Pacífico (IPEF) de Biden, que será anunciado durante a viagem para estabelecer padrões para trabalho, meio ambiente e cadeias de suprimentos.

A China é o maior parceiro comercial da Coreia do Sul, e os assessores de Yoon enfatizaram que nem a declaração conjunta nem o IPEF excluíram explicitamente nenhum país.

Embora as autoridades da Casa Branca tenham procurado minimizar a importância de qualquer mensagem explícita para confrontar a China, é o assunto da viagem de Biden e chamou a atenção de Pequim.

“Esperamos que os Estados Unidos combinem suas palavras com ações e trabalhem com países da região para promover solidariedade e cooperação na região da Ásia-Pacífico, em vez de planejar divisão e confronto”, disse o enviado chinês para assuntos coreanos, Liu Xiaoming, no Twitter.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Trevor Honeycutt, Hyunhye Shin, Jack Kim, Eric Beach e Josh Smith; Edição por William Mallard e Mike Harrison

READ  Atualizações de notícias ao vivo da Ucrânia e da Rússia: Putin, Biden e a União Europeia

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.