Biden recebe líderes do Sudeste Asiático enquanto tenta se concentrar na China

WASHINGTON – O presidente Biden começou nesta quinta-feira a receber líderes do Sudeste Asiático na Casa Branca para uma visita de dois dias, transmitindo uma mensagem de solidariedade – e destinada a fornecer um baluarte contra a influência chinesa na região – mesmo em grande parte de seu governo. Ele ainda se concentra na invasão russa da Ucrânia.

A cúpula, que termina na sexta-feira, visa cobrir uma série de tópicos, incluindo comércio, direitos humanos e mudanças climáticas. Mas também faz parte do esforço da equipe de política externa de Biden destacar um dos principais objetivos do presidente: formar uma frente unida contra a China enquanto projeta cada vez mais seu poderio econômico e militar em todo o mundo.

Como candidato, Biden prometeu fazer da China o foco de sua política externa. Em vez disso, um alto funcionário do governo admitiu a repórteres nesta semana que a guerra na Europa criou demandas diárias que consumiram o tempo e a energia do presidente e de sua equipe.

Mas o funcionário, que pediu anonimato para discutir os preparativos para a cúpula, disse que Biden continua preocupado e focado na necessidade de impedir que a China domine o Indo-Pacífico. O funcionário disse que a reunião de Biden e outros líderes mundiais em Washington foi uma oportunidade para demonstrar esse compromisso.

Na noite de quinta-feira, a Casa Branca anunciou novos investimentos de cerca de US$ 150 milhões na região como parte de uma série de acordos entre os Estados Unidos e a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

Os investimentos dos EUA incluem US$ 40 milhões para projetos de energia limpa no Sudeste Asiático. Um alto funcionário da Casa Branca disse que o governo estimou que o dinheiro será usado para ajudar a levantar ou financiar até US$ 2 bilhões para construir os projetos.

READ  Atualizações ao vivo: Rússia invade a Ucrânia

Os Estados Unidos também se comprometeram a investir US$ 60 milhões para implantar recursos navais adicionais – liderados pela Guarda Costeira – na região e realizar treinamento e outras atividades em coordenação com outras nações destinadas à aplicação da lei marítima.

O departamento disse que gastará US$ 15 milhões para expandir os programas de vigilância sanitária no Sudeste Asiático e detectar melhor o Covid-19 e outras doenças transmitidas pelo ar na região.

O presidente também viajará ao Japão e à Coreia do Sul de 20 a 24 de maio, uma viagem que se concentrará principalmente na China. Autoridades da Casa Branca não forneceram detalhes sobre a viagem, mas espera-se que o presidente se encontre com outros líderes das outras nações do chamado Quarteto: Austrália, Índia e Japão.

Na quinta-feira, os líderes da ASEAN se reuniram com a presidente da Câmara Nancy Pelosi e outros legisladores antes de se reunirem em um hotel em Washington para discutir oportunidades de negócios com Gina Raimondo, secretária de Comércio, e executivos das indústrias dos EUA.

Biden recebeu os líderes na Casa Branca na noite de quinta-feira com uma breve cerimônia no gramado sul. O grupo tirou uma foto antes de entrar na Casa Branca para jantar.

Na sexta-feira, os líderes asiáticos se reunirão com a vice-presidente Kamala Harris e o secretário de Estado Anthony J. Blinken pela manhã, depois com Biden na Casa Branca no final do dia. De acordo com o responsável da gestão, o grupo vai discutir oportunidades de negócio; trânsito por vias navegáveis ​​disputadas, incluindo o Mar da China Meridional; e outros tópicos.

Um desses tópicos é provavelmente o membro da ASEAN Mianmar, onde Daw Aung San Suu Kyi foi destituída como líder civil do país no ano passado, quando deu um golpe. O funcionário do governo disse que os Estados Unidos e os países da região estão focados na situação e estão frustrados com ela.

READ  Rand Paul argumenta que os Estados Unidos não deveriam ter apoiado as aspirações da Ucrânia na OTAN

Uma autoridade de segurança nacional dos EUA disse que os Estados Unidos e outros países concordaram em deixar uma cadeira vazia durante a cúpula de Mianmar como forma de expressar sua desaprovação às ações de seus militares. O funcionário também disse que os Estados Unidos apoiam a decisão da ASEAN de proibir um representante militar de Mianmar de participar da cúpula.

A reunião também pretende ser uma oportunidade para a Sra. Harris demonstrar seu foco na região. Ela liderou uma delegação dos EUA à Ásia no verão passado, usando um discurso em Cingapura para denunciar as “reivindicações ilegais” da China sobre o Mar do Sul da China, que ela disse “minar a ordem baseada em regras e ameaçar a soberania das nações”.

A autoridade do governo disse que Harris planeja usar a reunião de sexta-feira com líderes asiáticos para se concentrar em ação climática, energia limpa e infraestrutura sustentável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.