Crescem as queixas sobre a mobilização caótica da Rússia

LONDRES, 24 de setembro (Reuters) – O editor pró-Kremlin do canal de notícias estatal RT da Rússia expressou raiva neste sábado por oficiais alistados estarem enviando papéis de convocação para as pessoas erradas, à medida que a frustração aumentava com a mobilização militar.

O anúncio de quarta-feira da primeira mobilização pública da Rússia desde a Segunda Guerra Mundial para reforçar sua guerra vacilante na Ucrânia provocou uma corrida na fronteira, a prisão de 1.000 manifestantes e agitação pública generalizada.

Também atraiu críticas dos próprios apoiadores oficiais do Kremlin, algo inédito na Rússia desde o início da invasão.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

“Foi anunciado que os soldados podem ser recrutados até a idade de 35 anos. As convocações são enviadas para aqueles com menos de 40 anos”, alegou a editora-chefe da RT, Margarita Simonyan, em seu canal Telegram.

“Eles deliberadamente, por ódio, enfurecem as pessoas, como as enviadas por Kiev.”

Em outro raro sinal de turbulência, o Ministério da Defesa disse que o vice-ministro da Logística, general Dmitry Bulgakov, foi substituído pelo oficial militar de longa data coronel-general Mikhail Mizhintsev “para ser transferido para outra função”.

Sob as sanções do Reino Unido, da UE e da Austrália, Mizintsev foi apelidado de “Mutcher of Mariupol” pela UE por seu papel no bloqueio de um porto ucraniano no início da guerra que matou milhares de civis.

De acordo com as principais agências de notícias russas, a Rússia deve anexar formalmente parte do território ucraniano na próxima semana. Segue-se os chamados referendos em quatro das regiões ocupadas da Ucrânia que começaram na sexta-feira. Kiev e o Ocidente denunciaram a votação como uma farsa, dizendo que os resultados a favor da anexação foram predeterminados.

READ  Economia da China desacelerou no final do ano passado devido a problemas imobiliários

Mais de 740 prisões

Autoridades disseram que o esforço de mobilização requer 300.000 soldados, com prioridade para aqueles com experiência militar recente e habilidades-chave. O Kremlin nega relatos de duas agências de notícias russas sediadas no exterior de que a meta real é superior a 1 milhão.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky – que repetidamente pediu aos russos que não lutem – disse que sabe que autoridades pró-Moscou estão enviando pessoas para a morte.

“Fugir dessa mobilização criminosa é melhor do que ser aleijado e depois ter que responder no tribunal por participar de uma guerra agressiva”, disse ele em um discurso em vídeo em russo no sábado.

A Rússia conta oficialmente milhões de ex-militares como reservistas – a maioria da população masculina está em idade de lutar – e a ordem de quarta-feira anunciando “desmobilização parcial” não deu critérios para quem seria convocado.

Surgiram relatos de homens sem experiência militar ou idade militar anterior recebendo cartas de convocação, revivendo adormecidos – e proibidos – protestos anti-guerra.

Mais de 1.300 manifestantes foram presos em 38 cidades na quarta-feira, e na noite de sábado mais de 740 foram detidos em 30 cidades e vilas de São Petersburgo à Sibéria, informou o grupo de monitoramento independente OVD-Info.

Imagens da Reuters de São Petersburgo mostraram policiais em capacetes e equipamentos anti-motim prendendo manifestantes no chão e chutando um deles antes de colocá-los em vans.

Mais cedo, o chefe do conselho de direitos humanos do Kremlin, Valery Fadeyev, anunciou que havia escrito ao ministro da Defesa, Sergei Shoigu, com um pedido para “resolver urgentemente” os problemas.

Seu post no Telegram criticou a forma como as isenções foram usadas e listou casos de admissões inadequadas, inclusive para enfermeiras e parteiras sem experiência militar.

READ  O Tribunal de Justiça Europeu rejeitou a contestação da lei polaca e húngara

“Alguns (recrutadores) distribuem folhas de chamada às 2 da manhã. Eles acham que somos todos trapaceiros do draft”, disse ele.

‘carne de canhão’

Na sexta-feira, o Ministério da Defesa listou alguns setores nos quais os empregadores podem nomear funcionários para isenções.

Há um clamor particular entre as minorias étnicas em regiões remotas e empobrecidas da Sibéria, onde as forças armadas profissionais da Rússia recrutam desproporcionalmente há muito tempo.

Desde quarta-feira, as pessoas estão na fila há horas para entrar na Mongólia, Cazaquistão, Finlândia ou Geórgia, temendo que a Rússia possa fechar suas fronteiras, e o Kremlin diz que os relatos de êxodo são exagerados.

Questionado por repórteres das Nações Unidas no sábado por que tantos russos estavam saindo, o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, apontou o direito à livre circulação.

O governador da Buriácia, que faz fronteira com a Mongólia e abriga a minoria mongol, reconheceu que alguns receberam documentos incorretamente e disse que aqueles sem experiência militar ou isenções médicas estariam isentos.

No sábado, Tsakhia Elbegdorj, líder da Mongólia até 2017 e agora chefe da Federação Mundial da Mongólia, prometeu uma recepção calorosa para aqueles que fogem do alistamento militar, particularmente os três grupos russos mongóis, e pediu sem rodeios a Putin que acabasse com a guerra.

“Os mongóis de Buryat, os mongóis de Tuva e os mongóis de Kalmyk… são usados ​​como bucha de canhão”, disse ele em um vídeo, usando uma fita ucraniana amarela e azul.

“Hoje você está fugindo da brutalidade, da brutalidade e da possível morte. Amanhã você começará a libertar seu país da tirania.”

Após o relâmpago da ofensiva ucraniana na região de Kharkiv neste mês, a votação nos territórios ocupados foi rapidamente organizada e organizada às pressas – uma reversão acentuada da guerra de Moscou.

READ  O especialista explica por que uma aquisição pode funcionar

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatado pela Reuters; Edição por Peter Graf, Francis Kerry, David Lungren e Daniel Wallis

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.