Disney supera ganhos e aumenta ganhos à medida que as perdas de streaming diminuem

A Disney (DIS) disse que aumentaria seus dividendos em dinheiro em 50% na quarta-feira, já que a gigante do entretenimento divulgou lucros fiscais do primeiro trimestre que superaram as expectativas, enquanto as perdas de streaming diminuíram.

A Disney relatou lucro ajustado de US$ 1,22 por ação – uma grande vitória em comparação com a previsão de US$ 0,99 de analistas consultados pela Bloomberg. A empresa também tem como meta um lucro para o ano fiscal de 2024 de US$ 4,60 por ação, um aumento de pelo menos 20% em comparação com 2023.

A receita foi de US$ 23,5 bilhões, uma ligeira perda em comparação aos US$ 23,8 bilhões esperados.

Anunciou um dividendo em dinheiro de US$ 0,45 por ação, um aumento de 50% em relação ao último dividendo pago em janeiro. O dividendo será pago em 25 de julho aos acionistas registrados no fechamento dos negócios em 8 de julho.

O Conselho de Administração também aprovou um novo programa de recompra de ações, visando compras no valor de US$ 3 bilhões no ano fiscal de 2024.

A Disney enfrenta desafios que incluem o declínio do negócio de TV linear, a desaceleração do crescimento do seu negócio de parques temáticos e perdas no streaming. No ano passado, o investidor ativista Nelson Peltz renovou o seu esforço para mudar o conselho de administração, à medida que o preço das ações atingia os níveis mais baixos em anos.

O CEO Bob Iger comprometeu-se com várias reduções de custos para enfrentar estes desafios. A empresa disse na quarta-feira que está no caminho certo para atingir ou superar sua meta de economia anual de US$ 7,5 bilhões até o final do ano fiscal de 2024, acrescentando que “continuará a buscar mais oportunidades de eficiência”.

As ações subiram 7% nas negociações de pré-mercado de quinta-feira, após os resultados.

READ  Twitter ameaça ação legal sobre o aplicativo Topics

Novos anúncios: jogos, conteúdo e esportes

A Disney tinha muito a dizer na quarta-feira com uma série de novos anúncios.

É importante notar que a empresa disse que planeja investir US$ 1,5 bilhão na Epic Games, fabricante do Fortnite, e Iger descreveu isso como “a maior entrada da Disney no mundo dos videogames”.

“Nosso novo relacionamento com a Epic Games criará um mundo transformador de jogos e entretenimento que integra a narrativa de classe mundial da Disney ao fenômeno cultural da Epic, Fortnite, permitindo aos consumidores jogar, assistir, criar e comprar produtos digitais e físicos”, disse Iger. Na teleconferência de resultados.

Do lado do conteúdo, a empresa disse que Disney + será a plataforma de streaming exclusiva de “Taylor Swift: The Eras Tour (Taylor Edition)”. O filme concerto contará com cinco músicas acústicas adicionais, incluindo “Cardigan”.

Enquanto isso, a sequência animada de “Moana” chegará aos cinemas em novembro, à medida que a Disney se aprofunda nas sequências e franquias em meio a uma bilheteria vacilante.

A Disney também anunciou um cronograma mais agressivo para o serviço de streaming over-the-top (OTT) ESPN da empresa, revelando que a plataforma será lançada no outono de 2025.

espn Ele foi mencionado em uma postagem nas redes sociais O serviço será lançado antes do início da temporada de futebol do próximo ano.

Este desenvolvimento ocorre depois que surgiram notícias de que a ESPN da Disney se unirá à Warner Bros. Discovery (WBD) e Fox (FOXA) lançarão um novo serviço de streaming de esportes, que deve estrear neste outono.

Fluxo de rentabilidade em foco

As perdas de streaming na divisão de entretenimento diminuíram para US$ 138 milhões, de uma perda de US$ 984 milhões no mesmo período do ano anterior, depois que a empresa aumentou os preços de streaming. No entanto, a contagem principal de assinantes do Disney+, que exclui seu produto indiano Disney+ HotStar, caiu sequencialmente em 1,3 milhão devido a esses aumentos.

READ  Bob Lee, fundador do aplicativo Cash, 43 anos, foi esfaqueado até a morte em San Francisco

A perda de assinantes, em linha com a orientação da empresa, foi ligeiramente superior ao esperado por Wall Street, com estimativas de consenso sugerindo uma perda de cerca de 700 mil usuários principais do Disney+.

A empresa disse que espera adicionar entre 5,5 milhões e 6 milhões de usuários principais do Disney+ no segundo trimestre. Ela também espera um impulso positivo contínuo na receita média por usuário, ou ARPU, depois que o ARPU principal da Disney+ aumentou sequencialmente em US$ 0,14 em comparação ao quarto trimestre.

Incluindo a ESPN+, as perdas diretas ao consumidor totalizaram US$ 216 milhões, contra US$ 1,05 bilhão relatados no mesmo período do ano anterior.

“Continuamos esperando alcançar lucratividade em nosso negócio de transmissão combinado no quarto trimestre do ano fiscal de 2024”, disse a empresa. “Acreditamos que este negócio será, em última análise, um fator-chave para o crescimento dos lucros da empresa.”

Em meio ao recente aumento de preços, a empresa também começará a reprimir o compartilhamento de senhas. A Disney disse que provavelmente não verá “benefícios visíveis” dessas iniciativas até o segundo semestre deste ano.

Pouco antes do anúncio dos lucros, a Disney enviou avisos aos usuários do Disney+, alertando que começaria a restringir o compartilhamento de contas a partir de março. O anúncio veio poucos dias depois que o Hulu enviou um aviso semelhante aos assinantes.

Iger, que anteriormente disse que o número de assinantes de contas compartilhadas era “significativo”, revelou pela primeira vez que a empresa abordaria o compartilhamento de senhas durante sua teleconferência de resultados do terceiro trimestre fiscal em agosto.

Uma tela mostrando o logotipo e o símbolo da The Walt Disney Company.

Uma tela mostrando o logotipo e símbolo da Walt Disney Company no pregão da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) em Nova York, em 14 de dezembro de 2017. (Brendan McDermid/REUTERS) (Reuters/Reuters)

Como lembrete, a Disney revisou recentemente sua estrutura de relatórios depois que o CEO Bob Iger reorganizou a empresa em três segmentos principais de negócios: Disney Entertainment, que inclui todo o portfólio de mídia e streaming; Experiência incluindo jardinagem; e esportes, que inclui ESPN e ESPN+.

READ  Banco central da Rússia corta juros citando menores riscos de estabilidade

Veja o desempenho desses setores individuais neste trimestre em comparação com as estimativas consensuais de Wall Street compiladas pela Bloomberg:

  • Receita de entretenimento: US$ 9,98 bilhões contra US$ 10,54 bilhões esperados

  • Receita esportiva: US$ 4,84 bilhões em comparação com US$ 4,62 bilhões esperados

  • Receita de experiência: US$ 9,13 bilhões Em comparação com os US$ 9,03 bilhões esperados

O rendimento operacional total do sector foi de 3,88 mil milhões de dólares, um aumento de 27% em comparação com o mesmo período do ano passado.

O lucro operacional de entretenimento aumentou mais de 100% ano após ano, para US$ 874 milhões, enquanto a divisão de Experiências alcançou recordes históricos em receita, lucro operacional e margem operacional no primeiro trimestre.

O segmento esportivo teve um prejuízo operacional de US$ 103 milhões, mas teve uma melhoria de 37% em comparação com um prejuízo de US$ 164 milhões relatado no mesmo período do ano passado.

Enquanto isso, as redes lineares continuaram a enfrentar dificuldades. O segmento diminuiu 12% ano após ano, para US$ 2,8 bilhões, enquanto o lucro operacional linear atingiu US$ 1,2 bilhão, um declínio de 7%.

Alexandra Canal Ele é repórter sênior do Yahoo Finance. Siga-a no Twitter @allie_canal, Linkedin, E envie por e-mail para alexandra.canal@yahoofinance.com.

Clique aqui para obter as últimas notícias do mercado de ações e análises aprofundadas, incluindo eventos de movimentação de ações

Leia as últimas notícias financeiras e de negócios do Yahoo Finance

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *