Eleições europeias: milhões votam para eleger novo parlamento

BRUXELAS (AP) – As urnas abriram em toda a Europa no domingo, quando eleitores de 20 países votaram em eleições que deverão deslocar o parlamento da União Europeia para a direita e influenciar o futuro do maior bloco comercial do mundo.

A guerra na Ucrânia, a migração e o impacto da política climática nos agricultores são algumas das questões que preocupam os eleitores. Boletins de voto 720 membros serão eleitos Parlamento Europeu.

Mais de 50 países irão às urnas em 2024

As sondagens sugerem que os partidos tradicionais e pró-europeus manterão a maioria no parlamento, mas a extrema-direita, incluindo partidos liderados por políticos como Geert Wilders, dos Países Baixos, e Marine Le Pen, da França, consumirão os seus assentos.

Isto tornará mais difícil para a Europa legislar e tomar decisões.

Os legisladores da UE têm uma palavra a dizer sobre questões que vão desde as regras financeiras até à política climática e agrícola. Aprovam o orçamento da UE, que inclui projectos de infra-estruturas, subsídios agrícolas e Ajuda foi dada à Ucrânia. Eles têm direito de veto à nomeação da poderosa Comissão da UE.

As eleições ocorrem numa altura em que a confiança dos eleitores será testada num círculo eleitoral de cerca de 450 milhões de pessoas. Nos últimos cinco anos, a União Europeia Abalado pela infecção pelo vírus coronaA Colapso econômico E um Crise de energia Foi alimentado pelo maior conflito terrestre na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Mas as campanhas políticas centram-se frequentemente em questões de interesse de cada país e não em interesses europeus mais amplos.

A maratona de votações de domingo conclui um ciclo eleitoral de quatro dias que começou quinta-feira na Holanda.

READ  7 horas a partir da meia-idade pode ser ideal para dormir

Uma sondagem não oficial sugeriu que o partido de extrema direita e anti-imigrantes de Geert Wilders venceria. Ganhos importantes Nos Países Baixos, uma coligação de partidos pró-europeus relegou-o para segundo lugar.

Após as últimas eleições na UE em 2019, os partidos populistas ou de extrema-direita lideram agora governos em três países – Hungria, Eslováquia e Itália – e fazem parte de coligações governativas noutros países, incluindo a Suécia, a Finlândia e, em breve, os Países Baixos. As pesquisas favorecem os populistas França, Bélgica, Áustria e Itália.

“A direita é boa”, disse aos jornalistas o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, que lidera um governo nacionalista e anti-imigração de linha dura, após a sua votação. “É sempre melhor dar certo. Vire a direita!”

Após as eleições, surge um período de negociação, à medida que os partidos políticos renegociam os seus lugares nas coligações políticas continentais que dirigem o Parlamento Europeu.

O maior grupo político – o Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita – deslocou-se para a direita durante as actuais eleições em questões como a segurança e a migração.

é uma das perguntas mais visualizadas Irmãos da Itália – O partido populista de extrema-direita da primeira-ministra Georgia Meloni, que tem raízes neofascistas – permanece nos Conservadores e Reformistas Europeus (ECR), de linha mais dura, ou torna-se parte de um novo grupo de extrema-direita. A ascensão das eleições. Meloni tem vontade de trabalhar com o EPP.

A consolidação da influência da extrema direita no ECR, combinada com a identidade e a democracia de Le Pen, será uma situação muito preocupante para os partidos pró-europeus.

O segundo maior grupo – os Socialistas e Democratas de centro-esquerda – e os Verdes recusam-se a alinhar-se com o ECR.

READ  O PS Plus Revamp da Sony não é um assassino do passe de jogo

Há também dúvidas sobre a que grupo o partido governista Fidesz, de Orbán, poderá aderir. Anteriormente fazia parte do PPE Forçado a sair 2021 devido a conflitos sobre seus interesses e valores.

As eleições também inauguram um período de incerteza, à medida que novos líderes são escolhidos para liderar o projecto europeu. Enquanto os legisladores disputam lugares na coligação, os governos irão competir pelos principais cargos da UE para os seus funcionários nacionais.

A principal delas é a liderança do poderoso órgão executivo, a Comissão Europeia, que propõe leis e monitoriza para garantir que sejam respeitadas. A Comissão controla os recursos financeiros da UE, regula o comércio e é o órgão de fiscalização da concorrência na Europa.

Outros cargos importantes incluem o de presidente do Conselho Europeu, que preside cimeiras de presidentes e primeiros-ministros, e de chefe de política externa da UE, o principal diplomata do bloco.

As estimativas não oficiais vêm de 16h15 GMT. Os resultados oficiais do referendo quinquenal serão divulgados depois das últimas assembleias de voto nos 27 países da UE encerrarem às 23h00 (21h00 GMT) em Itália, mas uma imagem clara de como será a nova assembleia só ficará clara na segunda-feira.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *