Eleições francesas: Eleitores vão às urnas na corrida presidencial

Doze candidatos, incluindo o atual Emmanuel Macron, disputam a primeira posição. Se nenhum deles obtiver mais de 50% dos votos, os dois principais candidatos se enfrentarão no segundo turno em 24 de abril. Mas o segundo turno está quase garantido – nenhum candidato presidencial francês venceu no primeiro turno o sistema atual.

Macron busca se tornar o primeiro presidente francês a vencer a reeleição desde Jacques Chirac em 2002.

O centrista Macron enfrenta uma série de adversários dos partidos políticos extremistas, incluindo Marine Le Pen, porta-estandarte de longa data da extrema-direita francesa. o analista de televisão e autor Eric Zemmour; E o encrenqueiro de esquerda Jean-Luc Mélenchon.

A maioria dos analistas disse que a competição seria um referendo sobre a ascensão da direita francesa, mas a guerra na Ucrânia virou essas expectativas de cabeça para baixo.

O presidente propôs um imposto mais alto sobre o diesel no início de seu mandato, provocando o movimento dos coletes amarelos, um dos protestos mais prolongados da França em décadas. Seu histórico na pandemia de Covid-19, a outra crise definidora de sua presidência, não é claro. A política de assinatura de Macron durante a era Covid – exigindo que as pessoas mostrem provas de vacinação para seguirem suas vidas como de costume – ajudou a aumentar as taxas de vacinação, mas disparou contra uma minoria vociferante que se opõe à sua presidência.

Macron até agora fez muito poucas campanhas e se recusou a discutir seus oponentes. Especialistas acreditam que sua estratégia foi evitar a difamação política pelo maior tempo possível para caluniá-lo como o mais presidencial de todos os candidatos.

De sua parte, Le Pen fez campanha mais ampla este ano do que sua última tentativa de ganhar a presidência. E embora o controle da imigração continue sendo sua prioridade de campanha, ela suavizou sua retórica anti-islâmica e abandonou seus pedidos para que a França deixe a União Europeia – especialmente após a saída do Reino Unido da União Europeia – para conquistar eleitores fora de sua base.

READ  Imagens de drone mostram como os russos destruíram uma cidade ucraniana em batalha campal

Analistas políticos dizem que o foco de Le Pen no aumento do custo de vida pode valer a pena, já que os preços crescentes de bens de uso diário e energia estão entre as principais preocupações dos eleitores.

Muitos especialistas também esperavam que a guerra prejudicasse as campanhas de Le Pen e Zemmour, que já haviam falado com carinho do presidente russo, Vladimir Putin. Le Pen cancelou um post com uma foto dela visitando o líder russo, enquanto Zemmour retraiu sua posição depois que Putin prometeu nunca invadir a Ucrânia.

Nathalie Lusseau, membro do Parlamento Europeu e primeira ministra de Macron para assuntos europeus, disse à CNN que acredita que o presidente francês foi motivado por um “senso de dever”.

“Ele não está fazendo isso por motivos eleitorais”, disse ela. “Ele está fazendo isso porque acha que tem que fazer.”

Mas a decisão de Macron de abandonar sua campanha em vez de buscar uma solução diplomática para a crise na Ucrânia, seja motivada por política ou princípios, pode ser um fardo.

“Não é recompensador”, disse Loiso. “Ele não vai conseguir uma grande vitória. Ele sabe disso. Mas ele tem que fazer isso.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.