EUA e aliados do G7 podem remover status de ‘país preferido’ da Rússia

WASHINGTON, 10 Mar (Reuters) – Os Estados Unidos, juntamente com um grupo de sete nações e a União Europeia, vão se mover nesta sexta-feira para descartar o status de “país preferido” da Rússia sobre a invasão da Ucrânia, disseram muitos familiarizados com a situação. Reuters.

O presidente Joe Biden anunciará os planos na Casa Branca às 10h15 EST (1515 GMT), uma das fontes, que falou sob condição de anonimato.

A Casa Branca disse que Biden anunciará “medidas a serem tomadas para garantir que a Rússia continue a ser responsabilizada pela guerra não provocada e injusta contra a Ucrânia”, mas não divulgou detalhes.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

A Rússia chama suas ações na Ucrânia de “operação especial”.

A remoção do status nacional preferido da Rússia abriria o caminho para os Estados Unidos e seus aliados imporem tarifas sobre uma ampla gama de produtos russos, aumentando ainda mais a pressão sobre a economia, que já caminha para uma “profunda recessão”.

Os esforços conjuntos de Washington, Londres e outros aliados se somaram a sanções sem precedentes, restrições de exportação e restrições bancárias destinadas a pressionar o presidente russo, Vladimir Putin, a encerrar a Grande Guerra na Europa após a Segunda Guerra Mundial.

Cada país deve implementar uma mudança na posição comercial da Rússia com base em seus próprios processos nacionais, disseram os dois.

O presidente dos EUA, Joe Biden, fez as declarações na reunião de inverno do Comitê Nacional Democrata (DNC) em 10 de março de 2022 em Washington. REUTERS/Jonathan Ernst

Nos Estados Unidos, será necessária ação do Congresso para acabar com o status de “relações comerciais permanentes” (PNTR) da Rússia, mas legisladores de ambos os lados – e de ambos os lados do corredor político – já sinalizaram seu apoio, disseram duas autoridades.

“O presidente Biden e o governo aplaudem a liderança bipartidária do Congresso e seus pedidos pela retirada do PNTR”, disse um dos funcionários, acrescentando que a Casa Branca trabalhará com os legisladores para legislar pela revogação do status da Rússia.

READ  Liz Truss, nova líder do Reino Unido, finaliza esquema maciço de subsídio de energia

As sanções sem precedentes impostas aos bancos e à elite da Rússia, juntamente com as restrições à exportação de tecnologia, já afundaram a economia russa, e o Fundo Monetário Internacional prevê que ela afundará em uma “profunda recessão” este ano. .

Em 2019, a Rússia foi o 26º maior parceiro comercial de cargas dos Estados Unidos, com cerca de US$ 28 bilhões trocados entre os dois países, segundo o Escritório de Representação Comercial dos EUA.

Bens altamente importados da Rússia incluem combustíveis minerais, metais preciosos e pedras, ferro e aço, fertilizantes e produtos químicos minerais, os quais podem enfrentar impostos mais altos quando o Congresso tomar medidas para revogar o status comercial nacional preferido da Rússia.

Biden impôs na terça-feira uma proibição imediata das importações russas de petróleo e energia. consulte Mais informação

Alguns governadores dos EUA já ordenaram que as lojas de bebidas administradas pelo governo parassem de vender vodka e bebidas destiladas fabricadas na Rússia em solidariedade ao povo ucraniano. consulte Mais informação

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatório de Steve Holland e Andrea Shalal em Washington; Edição por Christopher Cushing e Michael Perry

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.