Gabão: Celebrações seguem-se à tomada do poder pelas autoridades militares



CNN

Oficiais militares no Gabão apareceram na televisão nacional na quarta-feira para anunciar que estavam tomando o poder, o que gerou relatos de celebrações e tiroteios nas ruas da capital.

O anúncio foi feito minutos depois de o presidente Ali Bongo Ondimba, também conhecido como Ali Bongo, ter sido considerado o vencedor de uma eleição contestada, estendendo o governo de meio século da sua família sobre a nação centro-africana.

Autoridades que alegaram representar as “forças de segurança e defesa” do país fizeram o anúncio num discurso televisivo no canal de notícias Gabon24. Foi descoberto pela CNN no X, anteriormente conhecido como Twitter.

“Em nome do povo de Kabonis e em nome do fiador da segurança das empresas, CTRI [the Committee for the Transition and Restoration of Institutions] “Decidiu preservar a paz acabando com o regime”, disse um oficial do exército na transmissão.

A CNN não pôde confirmar o vídeo de forma independente e o governo do Gabão ainda não foi encontrado para comentar.

Na transmissão, o militar disse que os resultados eleitorais seriam anulados e as fronteiras do país seriam fechadas.

“Todas as instituições da República foram dissolvidas: especialmente o governo, o Senado, a Assembleia Nacional, o Tribunal Constitucional, o Conselho Económico, Social e Ambiental e o Conselho Eleitoral do Gabão”, disse o responsável.

“Apelamos ao povo gabonês, às comunidades vizinhas que vivem no Gabão e à diáspora gabonesa para que mantenham a calma.”

Altos tiros foram ouvidos na capital Libreville, disse um repórter da Reuters após uma aparição na televisão.

De acordo com vídeos partilhados com a CNN e publicados nas redes sociais, pessoas no Gabão foram vistas dançando e celebrando nas ruas da sua capital.

Num vídeo obtido pela CNN, é possível ver pessoas gritando “libertação”. e agitando a bandeira do Gabão com veículos militares no distrito de Nzeng Ayong, na capital.

READ  As ameaças de enchentes se estendem da cidade de Nova York ao Maine, à medida que os restos de Phillip, uma frente fria, chegam no fim de semana.

Cinco países da África Ocidental e Central já foram assumidos pela junta militar nos últimos três anos, cinco deles antigas colónias francesas. Os golpes de Estado no Mali, na Guiné, no Burkina Faso, no Chade e no Níger minaram o progresso democrático nos últimos anos.

Mais recentemente, a junta militar do Níger assumiu o controlo do país da África Ocidental no final de Julho, levando a União Africana a suspender a adesão do Níger ao grupo de 55 membros. No início deste mês, o governante militar do Níger propôs um regresso à democracia dentro de três anos, dizendo que os princípios da transição seriam decididos nos próximos 30 dias.

Mais cedo na quarta-feira, o órgão eleitoral do Gabão disse que Bongo venceu as eleições presidenciais com 64,27% dos votos, informou a Reuters, após uma eleição geral adiada que a oposição denunciou como fraudulenta.

O principal rival de Bongo, Albert Ondo Osa, ficou em segundo lugar com 30,77% dos votos, informou a Comissão Eleitoral. A equipa de Bongo rejeitou as alegações de Ondo Ossa de más práticas eleitorais.

Ali Bongo, 64 anos, substituiu seu pai, Omar Bongo, que morreu de ataque cardíaco em 2009 enquanto era tratado de câncer de intestino em um hospital espanhol.

O Bongo mais velho chegou ao poder em 1967, sete anos depois de o país ter conquistado a independência da França.

Ele governou a pequena nação com mão de ferro, impondo um sistema de partido único durante anos e só permitindo o governo multipartidário em 1991, embora o seu partido tenha mantido o controle do governo.

Ali Bongo iniciou sua carreira política em 1981 e serviu como ministro das Relações Exteriores e congressista de 1989 a 1991, segundo a embaixada do Gabão. Local na rede Internet Na América. Antes de se tornar presidente em 2009, foi Ministro da Defesa em 1999.

READ  O novo carro-chefe da Vivo tem um sensor de impressão digital maior e melhor na tela

Oficiais militares anunciaram quarta-feira em Libreville que haviam confiscado o governo do presidente do Gabão, Ali Bongo Ondimba.

Ali Bongo teve 18 concorrentes nas eleições desta semana, seis dos quais apoiaram o antigo ministro e professor universitário Ondo Ossa numa tentativa de estreitar a disputa. Muitos na oposição têm pressionado por mudanças na nação rica em petróleo, mas empobrecida, de 2,3 milhões de pessoas.

As tensões aumentaram em meio a temores de agitação após a votação de sábado, com observadores internacionais reclamando de falta de transparência.

Antes das eleições, a organização sem fins lucrativos Repórteres Sem Fronteiras condenou o governo gabonês por bloquear a cobertura do evento pela imprensa estrangeira.

O chefe da política externa da UE, Joseph Borrell, disse na quarta-feira que se “(a situação no Gabão) for confirmada (é) outro golpe militar”, isso “aumentaria a instabilidade em toda a região”.

“Esta é uma questão que será colocada sobre a mesa e iremos discuti-la”, disse Borrell aos jornalistas antes de uma reunião ministerial da UE sobre defesa em Toledo, Espanha.

“Toda a região está numa situação muito difícil, começando pela República Centro-Africana, depois pelo Mali, depois pelo Burkina Faso, agora pelo Níger, talvez pelo Gabão”, disse Borrell. “Os ministros da Defesa e os ministros dos Negócios Estrangeiros precisam de pensar profundamente sobre o que se passa lá. Como podemos melhorar a política com estes países.

A primeira-ministra francesa, Elisabeth Bourne, disse que o seu país está a acompanhar a situação no Gabão “muito de perto”.

Esta não é a primeira vez que o Gabão vê lutas pelo poder ou agitação devido ao governo de Bongo, que tem sido frequentemente contestado pelos críticos.

Em 2016, o edifício do parlamento foi incendiado quando eclodiram violentos protestos de rua contra a candidatura de Bongo à reeleição para um segundo mandato. Naquela época, o governo bloqueou o acesso à Internet por vários dias.

READ  O fundador da FTX, Sam Bankman-Fried, enfrenta novas acusações criminais

Uma tentativa de golpe ocorreu em 2019, quando um grupo de soldados e oficiais militares invadiu a sede da rádio e da televisão estatal, fez reféns funcionários e anunciou que tinham assumido o controlo da nação.

Eles citaram a insatisfação com Bongo como presidente e prometeram “restaurar a democracia” no país – antes que as forças de segurança e defesa do Gabão terminassem a tomada do poder e libertassem os reféns. Como resultado, dois soldados foram mortos e oito oficiais do exército foram presos.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *