Irã compra caças Su-35 da Rússia – Rádio Irã

DUBAI (Reuters) – O Irã chegou a um acordo para comprar caças avançados Su-35 da Rússia, disse a mídia estatal iraniana neste sábado, expandindo um relacionamento que viu drones fabricados no Irã serem usados ​​na guerra da Rússia contra a Ucrânia.

A Iranian Radio and Television Corporation citou a missão iraniana nas Nações Unidas em Nova York dizendo que “os caças Sukhoi-35 são tecnicamente aceitáveis ​​para o Irã e que o Irã concluiu um contrato para sua compra”.

O relatório do IRIB não trouxe nenhuma confirmação russa do negócio e seus detalhes não foram divulgados. A missão disse que o Irã também perguntou sobre a compra de aeronaves militares de vários outros países, que não nomeou, segundo informou a agência.

O site de notícias Semaphore noticiou a compra de caças russos pelo Irã na quinta-feira.

O presidente russo, Vladimir Putin, se encontrou com o líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, em Teerã em julho passado, e enfatizou o estreitamento dos laços diante da pressão ocidental sobre a guerra na Ucrânia.

Ultimas atualizações

Ver mais 2 histórias

O Irã reconheceu ter enviado os drones para a Rússia, mas diz que eles foram enviados antes da invasão de Moscou à Ucrânia no ano passado. Moscou nega que suas forças usem drones de fabricação iraniana na Ucrânia, embora vários tenham sido abatidos e recuperados lá.

A Força Aérea Iraniana tem apenas algumas dezenas de aeronaves de ataque, incluindo as russas, bem como modelos americanos mais antigos adquiridos antes da Revolução Iraniana de 1979.

Em 2018, o Irã disse que havia iniciado a produção do caça Kosar projetado internamente para uso em sua força aérea. Alguns especialistas militares acreditam que a aeronave é uma cópia carbono do F-5, produzido pela primeira vez nos Estados Unidos na década de 1960.

READ  Biden e líderes mundiais participam de funeral de Estado para a rainha Elizabeth II

Reportagem da redação de Dubai. Edição por Kevin Levy e Jamie Fried

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *