Irã revisa lei do hijab obrigatório em meio a protestos em andamento | Irã

As autoridades iranianas disseram que revisarão uma lei de décadas que exige que as mulheres cubram suas cabeças, enquanto o país luta com sua repressão Mais de dois meses de protestos relacionados ao código de vestimenta.

Tanto o parlamento quanto o judiciário estão funcionando [on the issue]No sábado, o promotor público do Irã, Mohammad Jaafar Montazeri, perguntou se a lei precisava de alguma mudança.

Uma agência de notícias iraniana citou-o dizendo que não especificou o que poderia ser alterado na lei pelos dois órgãos, os quais estão em grande parte nas mãos de conservadores.

O procurador-geral disse que a equipe de revisão se reuniu na quarta-feira com o comitê cultural do parlamento e “verá os resultados dentro de uma ou duas semanas”.

Presidente Ibrahim Raisi No sábado, ele disse que as instituições republicanas e islâmicas do Irã são constitucionalmente entrincheiradas.

“Mas existem métodos para implementar a constituição que podem ser flexíveis”, disse ele em comentários televisionados.

Os protestos começaram em 16 de setembro após a morte de Mohsa Amini, um iraniano de 22 anos de origem curda, que foi preso pela polícia moral por supostamente violar a lei baseada na lei islâmica.

Nas semanas seguintes, os manifestantes queimaram lenços de cabeça e entoaram slogans antigovernamentais. Após a morte de Amini, um número crescente de mulheres não usava o hijab, principalmente no elegante norte de Teerã.

O véu tornou-se obrigatório para todas as mulheres no Irã em abril de 1983, quatro anos depois que a Revolução Islâmica derrubou a monarquia apoiada pelos Estados Unidos.

Continua sendo uma questão muito delicada em um país onde os conservadores insistem que deveria ser compulsório, enquanto os reformadores querem deixá-la para escolha individual.

Em julho deste ano, Raisi, um ultraconservador, pediu a mobilização de “todas as instituições estatais para fazer cumprir a lei do hijab”.

Em setembro, o principal partido reformista do Irã pediu a revogação da lei do hijab obrigatório.

No sábado, o Partido da União do Povo Islâmico Iraniano, formado por parentes do ex-presidente reformista Mohammad Khatami, pediu às autoridades que “preparem os elementos legais que abrem caminho para a abolição da lei do véu obrigatório”.

O grupo de oposição disse ainda em comunicado que a República Islâmica “anuncia oficialmente o fim das atividades da polícia moral” e “permite manifestações pacíficas”.

O arquiinimigo Irã acusa os Estados Unidos e seus aliados, incluindo Grã-Bretanha e Israel, e grupos curdos baseados fora do país, de fomentar protestos de rua que o governo descreve como “motins”.

A organização não-governamental iraniana de direitos humanos, com sede em Oslo, disse na terça-feira que pelo menos 448 pessoas foram “mortas pelas forças de segurança nos protestos em andamento em todo o país”.

O coordenador de direitos humanos da ONU, Volker Türk, disse na semana passada que 14.000 pessoas, incluindo crianças, foram presas na repressão aos protestos.

A campanha de prisões caiu na armadilha de atletas, celebridades e jornalistas.

O jornal reformista Al Sharq informou que entre os últimos presos estava a estrela de cinema Mitra Hajjar, que foi presa em sua casa no sábado.

READ  O atestado de óbito da rainha Elizabeth diz que ela morreu de 'velhice', mas o que isso realmente significa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.