Maior hospital de Gaza ‘inoperante’ em meio a ataque israelense

  • Desenvolvimentos recentes:
  • Presidente da Indonésia diz que o mundo está “indefeso” diante do sofrimento dos palestinos
  • O presidente Joko Widodo pediu um cessar-fogo antes de sua reunião com Biden

Gaza/Jerusalém, Nov. 13 (Reuters) – O maior hospital de Gaza foi fechado e o número de mortos está aumentando, disse o chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) neste domingo. Peça restrita.

Hospitais no norte do território palestino, incluindo o complexo de al-Shifa, foram sitiados pelas forças israelenses e não conseguem cuidar dos que estão lá dentro, com três recém-nascidos mortos e o risco de cortes de energia em meio a intensos combates nas proximidades, dizem profissionais médicos. .

Israel diz que tem como alvo militantes palestinos do Hamas que realizaram ataques mortais no sul de Israel em 7 de outubro.

A OMS conseguiu falar com especialistas em saúde em Al-Shifa, que descreveram a situação como “terrível e perigosa”, com tiroteios e bombardeamentos contínuos, agravando uma situação já crítica, disse o Diretor-Geral Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Infelizmente, o número de mortes de pacientes aumentou significativamente”, disse ele numa publicação no X, anteriormente conhecido como Twitter, acrescentando que Al-Shifa “já não funciona como um hospital”.

Tedros juntou-se a outros altos funcionários das Nações Unidas no apelo a um cessar-fogo imediato.

“O mundo não pode ficar em silêncio quando hospitais que deveriam ser refúgios seguros se transformam em cenários de morte, destruição e desespero”, disse ele.

O presidente da Indonésia, que abriga a maior população muçulmana do mundo, também pediu um cessar-fogo antes de uma reunião com o presidente dos EUA, Joe Biden, em Washington, na segunda-feira.

“O cessar-fogo deve ser implementado rapidamente, devemos também acelerar e aumentar o nível da ajuda humanitária e devemos iniciar conversações de paz”, disse o presidente Joko Widodo num vídeo gravado depois de participar na Organização de Cooperação Islâmica (OCI). Riad

READ  Hong Kong implementará teste em massa em meio a choque prevê aumento de infecções do governo

Ele disse que o mundo estava “indefeso” diante do sofrimento dos palestinos. Uma cimeira extraordinária islâmica-árabe instou o Tribunal Penal Internacional a investigar os crimes de guerra de Israel e os crimes contra a humanidade nos territórios palestinianos.

Israel diz que está tentando libertar mais de 200 reféns feitos por militantes do Hamas em 7 de outubro e afirma querer evacuar os hospitais.

A União Europeia condenou o Hamas por usar “hospitais e civis como escudos humanos” em Gaza, ao mesmo tempo que instou Israel a mostrar “contenção máxima” para proteger os civis.

“Estas hostilidades estão a afectar gravemente os hospitais e a causar um impacto terrível sobre os civis e o pessoal médico”, disse o chefe da política externa da UE, Joseph Borrell, num comunicado divulgado no domingo em nome do bloco de 27 nações.

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse que o Hamas estava usando hospitais e outras instalações civis para abrigar combatentes e armas, o que, segundo ele, violava as leis da guerra.

“Os Estados Unidos não querem ver tiroteios em hospitais onde pessoas inocentes, pacientes que recebem cuidados médicos, são apanhados no fogo cruzado, e temos consultado activamente as forças de segurança israelitas sobre isto”, disse Sullivan à CBS News.

Israel declarou guerra ao Hamas há mais de um mês, depois que os militantes mataram cerca de 1.200 pessoas no sul de Israel, segundo autoridades israelenses.

READ  Vídeos da Crimeia mostram radar espacial direcionado ao ATACMS em chamas

Autoridades palestinas disseram na sexta-feira que 11.078 residentes de Gaza foram mortos em ataques aéreos e de artilharia, 40% deles crianças.

A resposta militar de Israel provocou indignação em cidades de todo o mundo, onde centenas de milhares de pessoas organizaram protestos exigindo um cessar-fogo.

Os apoiantes de Israel, incluindo Washington, dizem que o cessar-fogo permitirá ao Hamas preparar-se para novos ataques, mas a administração Biden pressionou Israel a interromper os combates para permitir que os civis fugissem e entrassem.

Falando no domingo com o emir do Catar, Xeque Tamim bin Hamad al-Thani, sobre os acontecimentos em Gaza, Biden concordou que todos os reféns detidos pelo Hamas deveriam ser libertados “sem mais demora”, disse a Casa Branca em um comunicado.

O conflito levantou temores de um surto mais amplo. O Hezbollah baseado no Líbano, apoiado pelo Irão tal como o Hamas, negociou ataques com mísseis com Israel, e outros grupos apoiados pelo Irão no Iraque e na Síria lançaram pelo menos 40 ataques separados de drones e foguetes contra as forças dos EUA.

Os Estados Unidos realizaram dois ataques aéreos na Síria contra grupos alinhados ao Irã no domingo, disse um oficial de defesa dos EUA à Reuters, no que parecia ser a mais recente retaliação aos ataques.

Crianças em risco

Os militares de Israel ofereceram-se para evacuar os recém-nascidos e colocaram 300 litros de combustível na entrada de Al-Shifa na noite de sábado, mas o Hamas disse que ambos os gestos foram bloqueados.

O Hamas negou ter negado o combustível, dizendo que o hospital estava sob a autoridade do Ministério da Saúde de Gaza, acrescentando que a quantidade de combustível fornecida por Israel “não era suficiente para fazer funcionar os geradores (do hospital) durante mais de meia hora”.

READ  Regras de prorrogação da NFL são examinadas depois que líderes eliminam contas no jogo de playoff do Wild

O porta-voz do Ministério da Saúde, Ashraf al-Qitra, disse que três dos 45 bebês em incubadoras em al-Shifa já morreram.

Um cirurgião plástico em al-Shifa bombardeou as incubadoras residenciais do prédio, forçando a equipe a colocar bebês prematuros em camas comuns, usando pouca energia e aquecendo o ar condicionado.

“Esperamos perder mais deles dia após dia”, disse o Dr. Ahmed El Mogalladi.

A Cruz Vermelha Palestina disse que o al-Quds, o segundo maior hospital da Faixa, também estava fora de serviço, com funcionários lutando para cuidar daqueles que já tinham falta de remédios, comida e água.

“Nos últimos seis a sete dias, o hospital Al Quds esteve isolado do mundo. Não há entrada nem saída”, disse Tommaso Della Longa, porta-voz do Comitê Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

Reportagem de Nidal al-Mughrabi em Gaza e Dan Williams em Jerusalém; Reportagem adicional de Adam Makari, Ahmed Dolba, Sabine Seibold e Andrea Shalal; Escrito por Simon Lewis e Michael Perry; Edição de Diane Croft e Mirel Fahmy

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Um repórter veterano com quase 25 anos de experiência na cobertura do conflito palestino-israelense, incluindo diversas guerras e a assinatura do primeiro acordo de paz histórico entre os dois lados.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *