McDonald's vai recomprar todos os seus restaurantes israelenses

fonte da imagem, Boas fotos

legenda da imagem,

O Canadá é um dos países que viu protestos anti-cadeia

A gigante do fast food McDonald's vai recomprar todos os seus restaurantes israelenses depois que a marca foi boicotada em resposta à guerra Israel-Hamas.

A empresa informou que assinou acordo com o franqueado Aloniel para retomar 225 pontos de venda em todo o país, empregando 5 mil pessoas.

O McDonald's foi criticado depois que Alonial começou a distribuir milhares de refeições gratuitas aos soldados israelenses.

As vendas na região caíram desde o início do conflito, em outubro.

Na quinta-feira, o McDonald's assinou um acordo com a Aloniel, que opera uma rede de Arcos Dourados em Israel há mais de 30 anos.

A empresa norte-americana disse que os restaurantes, as operações e o pessoal seriam mantidos “em igualdade de condições” e que permaneceria “comprometida com o mercado israelita”. As condições de venda não foram divulgadas.

O boicote foi desencadeado depois de países de maioria muçulmana, como o Kuwait, a Malásia e o Paquistão, emitirem declarações distanciando-se da organização, que é vista como pró-Israel.

À medida que o boicote popular se espalhava para além do Médio Oriente, foram realizados protestos vocais em todo o mundo.

A cadeia alimentar global admitiu em Janeiro que tinha “impactado significativamente” o seu desempenho com negócios em França, Indonésia e Malásia, apesar dos seus negócios no Médio Oriente terem sido gravemente atingidos.

O presidente-executivo, Chris Kempczynski, culpou a “desinformação” pelo revés, mas a situação chegou ao fundo do poço e a empresa não atingiu sua primeira meta de vendas trimestrais em quase quatro anos.

O boicote foi descrito pelo McDonald's como “descontente e infundado”. A empresa depende de milhares de empresas independentes para possuir e operar a maioria das suas mais de 40.000 lojas em todo o mundo. Cerca de 5% estão localizados no Oriente Médio.

“O McDonald's é orgulhosamente representado por operadoras de franquia locais em todos os países em que operamos, incluindo os países muçulmanos”, disse Kempczynski.

“Enquanto esta guerra continuar… não esperamos nenhum progresso significativo [in these markets]”, acrescentou o chefe do McDonald's.

A empresa espera que, ao trazer de volta o negócio israelita “internamente”, possa restaurar a sua reputação no Médio Oriente e mais uma vez atingir os seus principais objectivos de vendas.

Grande parte da Faixa de Gaza foi destruída durante as operações militares israelitas que começaram em 7 de outubro, depois de homens armados liderados pelo Hamas atacarem o sul de Israel, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo 253 reféns.

Cerca de 130 reféns estão mantidos em cativeiro, pelo menos 34 dos quais são considerados mortos.

Mais de 33 mil pessoas foram mortas em Gaza até agora, de acordo com o Ministério da Saúde do território, administrado pelo Hamas.

READ  Albert Pujols Carreira Home Run No. Ele marcou 698

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *