Moldávia: Documento secreto do FSB revela o plano de uma década da Rússia para desestabilizar a Moldávia

(CNN) Um plano secreto elaborado pelo serviço de segurança da Rússia, o FSB, elabora opções de desestabilização Moldávia – Incluindo apoio a grupos pró-Rússia, aproveitando-se da Igreja Ortodoxa e ameaçando cortar o fornecimento de gás natural.

O documento parece ter sido elaborado para frustrar a tendência da Moldávia em relação ao Ocidente, que inclui laços mais estreitos com a OTAN e um pedido de adesão à União Europeia. Ele repetidamente aponta a importância de impedir a Moldávia de aderir à OTAN.

Foi adquirido e divulgado pela primeira vez por um consórcio de meios de comunicação, incluindo VSquare, Frontstory, RISE Moldova, Expressen na Suécia, Dossier Center for Investigative Journalism, Yahoo News e Delfi.

A CNN viu o documento completo, que parece ter sido escrito em 2021 pela Diretoria de Cooperação Transfronteiriça do FSB. Seu título é “Objetivos Estratégicos da Federação Russa na República da Moldávia”.

O documento descreve uma estratégia de 10 anos para trazer a Moldávia, uma ex-república soviética espremida entre a Ucrânia e a Romênia, para o interior. Rússiasua influência.

O plano inclui tornar a Moldávia dependente das importações de gás russo e provocar conflitos sociais, bem como tentar bloquear os esforços da Moldávia para ganhar influência na região separatista pró-Rússia da Transnístria, onde cerca de 1.500 soldados russos estão estacionados.

O documento de cinco páginas é dividido em vários títulos com objetivos de curto, médio e longo prazos. Entre os objetivos imediatos estavam “apoiar as forças políticas na Moldávia que defendem relações construtivas com a Federação Russa” e “neutralizar as iniciativas da República da Moldávia destinadas a eliminar a presença militar russa na Transnístria”.

Os objetivos de médio prazo incluem “opor-se à política expansionista da Romênia na República da Moldávia” e “opor-se à cooperação entre a República da Moldávia e a OTAN”.

READ  Putin espera que Xi visite a China em breve, e Xi mantém sua linha sobre a Ucrânia

O documento do FSB estabelece metas de longo prazo, incluindo “a criação de grupos de influência pró-Rússia estáveis ​​nas elites políticas e econômicas da Moldávia” e “a formação de uma atitude negativa em relação à OTAN”.

Questionado sobre o documento na quinta-feira, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse: “Não sabemos nada sobre a existência desse plano. Não descarto que seja outra farsa. A Rússia sempre esteve e continua aberta a construir relações de boa vizinhança”. e relações mutuamente benéficas, inclusive com a Moldávia.

Peskov acrescentou: “Lamentamos muito que a atual liderança da Moldávia esteja testemunhando preconceitos injustificados e infundados contra Moscou”.

A Rússia acusou a Ucrânia de planejar invadir e tomar a Transnístria, que faz fronteira com o sudoeste da Ucrânia. O Ministério da Defesa da Rússia disse no mês passado que os ucranianos estavam coletando armaduras em várias aldeias fronteiriças. Tanto a Moldávia quanto a Ucrânia rejeitaram essa alegação.

No mês passado, o presidente russo, Vladimir Putin, revogou um decreto de 2012 que defendia a soberania da Moldávia, dizendo que a medida era para “garantir os interesses nacionais da Rússia em conexão com as profundas mudanças que estão ocorrendo nas relações internacionais”.

Nas últimas semanas, as autoridades moldavas prenderam vários supostos ativistas pró-Rússia, bem como um suposto agente da empresa militar privada Wagner, que tentou entrar no país.

Houve também vários protestos organizados por um partido pró-Rússia na capital Chisinau.

Tanto a Ucrânia quanto os Estados Unidos alertaram sobre os esforços russos para desestabilizar o governo da Moldávia. Na sexta-feira passada, a Casa Branca disse que “atores russos, alguns com vínculos atuais com a inteligência russa, estão tentando organizar e usar os protestos na Moldávia como base para fomentar uma insurreição fabricada contra o governo moldavo”.

READ  Mortes no Hajj: peregrinos egípcios 'completamente desertos'

Funcionários da inteligência ocidental dizem que a estratégia russa em si não é surpreendente, mas pode ter sido acelerada à medida que o governo da Moldávia aumenta os esforços para cooperar mais estreitamente com os Estados Unidos e os países europeus.

A atual presidente moldava, Maia Sandu, substituiu Igor Dodon, que era próximo do Kremlin, no final de 2020. O pró-ocidental Partido Islâmico da Malásia venceu as eleições parlamentares no ano seguinte.

O partido pró-Rússia Shore realizou manifestações semanais este ano na capital, Chisinau, atraindo milhares de pessoas para protestar contra os altos preços da energia. A festa organizou transporte para os participantes.

O partido é liderado por Ilan Schor, um empresário com ligações com a Rússia acusado de roubar bilhões de dólares de bancos da Moldávia em 2014. Mais tarde, ele foi condenado por fraude, mas negou qualquer irregularidade.

O Departamento do Tesouro dos EUA sancionou Shore, sua esposa e o partido em outubro de 2022, dizendo que “Shor trabalhou com indivíduos russos para criar uma coalizão política para obter o controle do Parlamento da Moldávia, que apoiaria vários atos legislativos em favor de A Federação Russa.”

Atualmente acredita-se que Shor está em Israel.

Os Estados Unidos prometeram apoio orçamentário ao governo da Moldávia para ajudá-lo a lidar com os altos preços da energia. As taxas de gás aumentaram no ano passado como resultado do conflito na Ucrânia.

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, James Cleverly, esteve em Chisinau na quinta-feira. “Poucas sociedades entendem mais as táticas insidiosas da atividade maligna russa do que a Moldávia e a Geórgia”, disse ele, acrescentando que “o Reino Unido não ficará parado enquanto Moscou minar flagrantemente sua democracia, soberania e integridade territorial”.

READ  Yilin e Liu He, um chinês, falam sobre a política de tecnologia dos EUA em um encontro pessoal

Anuncie, de forma inteligente, mais apoio financeiro à Moldávia para lidar com os altos preços da energia.

Marina Tauber, uma das líderes de Schur, disse ao Expressen da Suécia, afiliado da CNN, que o partido está exigindo que o governo cubra as contas de energia nos meses de inverno. Negou que a Rússia estivesse ajudando a organizar ou financiar os protestos.

O correspondente do Expressen, Matthias Karlsson, que mora em Chisinau, disse à CNN que o último protesto organizado por Shor na sexta-feira da semana passada resultou em algumas prisões. Entre os meios de comunicação que compareceram ao evento, disse ele, estava um repórter da agência estatal russa Sputnik.

As autoridades russas enfatizaram repetidamente a importância de um governo amistoso da Moldávia para Moscou, bem como a importância da região da Transnístria.

Logo após a invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro do ano passado, o então comandante do Distrito Militar Central da Rússia, major-general Rustam Minikaev, disse que um dos objetivos da chamada “operação militar especial” era criar um corredor pelo sul. Ucrânia para a região da Transnístria.

A parceria que originalmente apresentou o documento também inclui Süddeutsche Zeitung, Westdeuts Rundfunk (WDR) e Norddeutscher Rundfunk (NDR); Frontstory e Kiev Independent.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *