Mudanças climáticas: o mundo acaba de experimentar o verão mais quente já registrado



CNN

À medida que as ondas de calor continuam a atingir partes do mundo, os cientistas relatam que este verão brutal e mortal foi o mais quente de que há registo – e por uma ampla margem.

O período de junho a agosto foi o período mais quente na Terra desde que os registos começaram em 1940, segundo dados do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus da União Europeia.

A temperatura média global neste verão foi de 16,77°C (62,19°F), segundo Copernicus, o que é 0,66°C superior à média de 1990 a 2020 – superando o recorde anterior, estabelecido em agosto de 2019, em cerca de 0,3°C. .

Esses recordes, que monitoram a temperatura média do ar em todo o mundo, são normalmente quebrados em centésimos de grau.

Este é o primeiro conjunto de dados científicos que confirma o que muitos pensavam ser inevitável. Tem sido um verão extremamente quente em partes do Hemisfério Norte – incluindo partes dos Estados Unidos, Europa e Japão – com ondas de calor recordes e temperaturas oceânicas sem precedentes.

O planeta viveu o junho mais quente de que há registo, seguido do julho mais quente – ambos os quais quebraram recordes anteriores por largas margens.

Agosto foi também o mês mais quente já registado, de acordo com os novos dados do Copernicus, e foi mais quente do que qualquer outro mês deste ano, excepto Julho. A temperatura média global para o mês foi de 16,82 graus Celsius, 0,31 graus mais quente que o recorde anterior estabelecido em 2016.

“Os dias de verão são quando os cães não apenas latem, mas também mordem”, disse António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, num comunicado sobre os dados do Copernicus. “O nosso planeta acaba de passar por uma estação de ebulição – o verão mais quente de que há registo. O colapso climático começou.”

READ  Taleban afegão assina acordo exclusivo para produtos russos de petróleo, gás e trigo

Estima-se que Julho e Agosto tenham sido 1,5 graus mais quentes do que os níveis pré-industriais, de acordo com Copernicus, um limiar abaixo do qual os cientistas há muito alertam que o mundo deve permanecer para evitar os impactos mais catastróficos das alterações climáticas.

Embora os cientistas se concentrem mais nos aumentos da temperatura global a longo prazo, estas quebras temporárias são uma importante antevisão de como o mundo pode esperar que seja o verão, quando as temperaturas subirem 1,5 graus.

“O Hemisfério Norte testemunhou um verão cheio de eventos extremos – com ondas de calor recorrentes alimentando incêndios florestais devastadores, prejudicando a saúde, perturbando a vida diária e causando danos duradouros ao meio ambiente”, disse o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, em um comunicado. .

Os países do Hemisfério Sul também experimentaram invernos surpreendentemente quentes, com temperaturas registadas bem acima da média na Austrália, em muitos países da América do Sul e na Antártida.

Um outdoor exibe uma temperatura de 118 °F (48 °C) durante uma onda de calor recorde em Phoenix, Arizona, em 18 de julho de 2023.

As temperaturas médias globais dos oceanos também estiveram fora dos gráficos, o que ajudou a fortalecer os grandes furacões no Atlântico e os furacões no Pacífico.

Em julho, uma repentina onda de calor marinho na costa da Flórida levou o oceano a temperaturas de “banheira de hidromassagem”. Enquanto partes do Oceano Atlântico Norte experimentaram em junho uma onda de calor marinha “absolutamente sem precedentes”, com temperaturas da água atingindo 5 graus Celsius (9 graus Fahrenheit) mais quentes do que o normal.

Todos os dias, do final de julho ao final de agosto, as temperaturas dos oceanos excedem o recorde anterior estabelecido em 2016, de acordo com Copernicus.

Ainda não está claro se este será o ano mais quente já registrado na Terra, mas parece certo que chegará muito perto.

READ  As terras de Zelensky no Japão: G7 e notícias da guerra Rússia-Ucrânia

Faltando quatro meses para o final do ano, 2023 é atualmente classificado como o segundo ano mais quente de sempre, segundo Copernicus, por apenas 0,01 graus Celsius em comparação com 2016, que é atualmente o ano mais quente de sempre.

Os cientistas dizem que o próximo ano deverá ser ainda mais quente, dada a chegada do El Niño, uma flutuação climática natural que resulta em temperaturas da superfície do mar mais altas do que a média e afeta o clima.

“Este El Niño está a desenvolver-se num oceano mais quente do que qualquer El Niño anterior, por isso estamos a observar com interesse como este evento se desenvolve em termos de força e impacto”, disse Samantha Burgess, vice-diretora do Copernicus, à CNN.

Burgess disse que o verão foi repleto de números recordes e que vai piorar se o mundo continuar a queimar combustíveis fósseis que aquecem o planeta.

“A evidência científica é esmagadora – continuaremos a ver mais registos climáticos e eventos climáticos extremos mais graves e frequentes com impacto na sociedade e nos ecossistemas, até pararmos de emitir gases com efeito de estufa”, disse ela num comunicado.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *