Natalie Portman e Julianne Moore detalham o final de ‘Maio Dezembro’.

Alerta de spoiler! A história a seguir contém detalhes importantes sobre o final de “Maio Dezembro” (agora transmitido pela Netflix).

É possível realmente conhecer alguém?

Essa é uma questão persistente no final de “May December”, o novo filme amargamente engraçado e devastador do diretor Todd Haynes (Carol) e do roteirista estreante Sammy Burch.

O filme segue a estrela de TV Elizabeth Berry (Natalie Portman) em sua viagem para Savannah, Geórgia, para acompanhar Gracie Atherton Yeo (Julianne Moore), que deve interpretá-la em um próximo filme. Décadas antes, quando tinha 30 anos, Gracie foi condenada por seduzir e estuprar Joe (Charles Melton), de 13 anos, com quem mais tarde se casou e constituiu família. Enquanto seus filhos, agora adultos, se preparam para se formar no ensino médio, Joe começa a processar seu trauma enquanto Elizabeth tenta em vão entender Gracie.

O USA TODAY conversou com Portman e Moore sobre o final do filme e o comovente monólogo.

“Maio dezembro”: Julianne Moore dirigiu Mary Kay Letourneau para o filme da Netflix

Natalie Portman diz que seu monólogo de maio foi um ‘presente’

No final do filme, Portman entrega um impressionante monólogo de três minutos diretamente para a câmera, enquanto Elizabeth lê uma antiga carta de amor que Gracie escreveu para Joe antes de descobrir o caso deles. Na carta, Gracie admite que “fomos longe demais”, mas “agora acho que perdi a noção de onde está o limite”.

Depois de inúmeras horas estudando o ceceio e os maneirismos distintivos de Gracie, esta é a primeira vez que Elizabeth incorpora totalmente seu tema. Ela chora enquanto recita a carta sozinha em seu quarto, jogando a cabeça para trás em êxtase e alívio quando finalmente chega ao fim.

READ  Keanu Reeves comemora os números da morte do ator John Wick Stunt

“É uma escrita extraordinária”, diz Portman. “Há muita mentira e omissão do que eles não falam um para o outro. Então, para que aquele momento de atuação se torne real, isso é um presente para a atriz. pessoas, então você realmente sente pelo personagem quando ele não está sendo observado.”

Na carta, “finalmente obtemos algumas informações através das lentes Gracie”, diz Burch. Ela não é ingênua. Ela está plenamente consciente das implicações legais e desempenha um papel completamente oposto ao longo do filme. Mas também, através de Natalie, vemos um portal para uma mulher profundamente perturbada. “Isso não é uma surpresa, mas ainda é muito desconfortável de se olhar.”

Portman filmou oito tomadas da cena, todas “sutilmente diferentes, mas distintas”, diz Hines.

“Foi uma aula magistral de atuação. Foi um ótimo dia”, lembra ele. “Filmamos isso no penúltimo dia de filmagem, então houve tempo para ela absorver Gracie nesse nível. Foi a cena que li no roteiro que me deu vontade de começar o filme. E eu sabia que queria filmar exatamente dessa maneira.

Portman ficou grato por ter o monólogo salvo no final dos 23 dias de filmagem.

“Ela teve muita sorte”, diz ela. “O Todd criou condições perfeitas para trabalharmos, e parte disso foi filmar cronologicamente. Pudemos, em tempo real, começar a nos conhecer e a pensar uns nos outros dessa forma.

Julianne Moore descobre o final do filme e as perguntas sem resposta

Na penúltima cena do filme, as mulheres se enfrentam pela última vez na festa de formatura dos filhos Gracie. Satisfeita com sua preparação, Elizabeth logo começou a se questionar quando Gracie perguntou: “Eu me pergunto se alguma dessas coisas será realmente importante para o seu filme.” Gracie então revela as mentiras que seu filho (Corey Michael Smith) contou a Elizabeth, o que significa que ela nunca soube toda a verdade.

READ  Rumor Roundup: WWE se afasta de Mercedes Mooney, Andrade retorna, Britt Baker e muito mais!

“Para mim, o ponto mais importante é: ‘Você me entende? Você me conhece?'”, diz Moore. “Acho que para os atores – e para todos nós – você só pode chegar perto de conhecer outra pessoa. Isso é o que há de tão maravilhoso e frustrante em ser humano. Sempre querendo saber mais, sempre tentando chegar lá. Mas sempre haverá um pedacinho muito misterioso que pertence apenas àquele humano.

De repente, sentindo-se insegura, Elizabeth se esforça para encontrar algo “real” no set de seu filme. Agora que ela terminou de interpretar Gracie com uma peruca loira e batom rosa, Elizabeth pede mais uma tomada antes que a tela fique preta.

Lendo a carta de Gracie, Burch diz: “Elizabeth provavelmente teve seu melhor momento interpretando Gracie, o que achamos que ela fará. É Ícaro voando muito perto do sol”. “Quando a virmos mais tarde no set, sabemos que ela nunca se sentirá tão confiante como naquele momento sozinha em seu quarto.”

Quanto a Joe, a última vez que o vemos foi na festa de formatura de seus filhos, onde ele começa a chorar enquanto observa de longe. Cabe ao público decidir se deixa Gracie ou não.

“Este filme levanta questões”, diz Moore. “O bom é que muita gente pergunta: ‘Então o que você acha que vai acontecer? A família fica unida?’ Não consigo responder. E o filme termina com uma inspiração em vez de uma expiração.

Fazendo um filme: Julianne Moore dirige Mary Kay Letourneau para o novo filme da Netflix, ‘May December’

Charles Melton é um dos primeiros indicados ao Oscar e o coração do filme

Maio Dezembro está se preparando para ser um grande candidato a prêmios. Portman e Moore (ambos vencedores do Oscar) estão de volta à disputa por suas atuações, assim como Burch por Melhor Roteiro Original. Enquanto isso, Melton está prestes a receber sua primeira indicação ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, tendo vencido o Gotham Awards e o New York Film Critics Circle Awards na semana passada.

READ  Em O Capitão, Derek Jeter fala sobre a traição de Alex Rodriguez.

Melton, 32, é mais conhecido por seu papel como Reggie Mantle na série Riverdale da CW. Hines não estava familiarizado com a série, mas ficou imediatamente impressionado com sua fita de teste.

“Era diferente do que Jo imaginava na página”, diz Hines. Comparada a outros atores que leram para o papel, a interpretação de Charles foi mais moderada, mais verbal e mais reservada. Seu olhar estava quase distraído quando vi uma foto dele antes de ler o papel. Eu disse: acho que isso não vai funcionar. Ele parece um modelo. Mas ele fez algo extraordinário e entendeu coisas sobre Joe que ficaram claras no teste que fez.

“Ele é uma maravilha”, continua Haynes. “Ele tem muito menos experiência do que Julian ou Natalie. Obviamente, ele enfrenta esses artistas excelentes e poderosos. Mas Charles traz sensibilidade e fisicalidade a Joe, isso é muito específico. É como uma performance ao vivo e frágil. Seu coraçãozinho delicado é batendo bem na sua frente.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *