Notícias da guerra ucraniano-russa: atualizações ao vivo

PARIS – Marine Le Pen, candidata de extrema direita francesa à presidência de Biden, rejeitou sua “harmonia de manada” com o governo Biden, na quarta-feira que a França abandonaria o comando militar integrado da Otan se eleita e buscaria a “aproximação estratégica” da aliança com Rússia.

Com a guerra da Rússia na Ucrânia em fúria, Le Pen efetivamente sinalizou que sua eleição terminaria ou pelo menos atrapalharia a coalizão unida do presidente Biden em relação ao presidente russo Vladimir Putin, possivelmente criando uma brecha na Europa Ocidental para a exploração de Putin.

Rejeitando o multilateralismo, criticando a Alemanha, criticando a União Européia, relegando as questões climáticas a baixa prioridade, atacando a “globalização” e mantendo quase total silêncio sobre o ataque brutal da Rússia na Ucrânia, a Sra. Direct tenta armar a Ucrânia e derrotar a Rússia.

Uma influência da extrema direita da França, potência nuclear e membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, reorganizaria o mundo, com consequências inesperadas e devastadoras.

Em uma coletiva de imprensa de 75 minutos dedicada às relações internacionais, aparentemente projetada para reforçar suas credenciais no cenário mundial, Le Pen disse que a França permaneceria na Otan e respeitaria o Artigo 5º Básico, que afirma que um ataque a um membro da aliança é uma ataque a todos. .

Mas ela acrescentou: “Não colocarei nossas forças sob um comando unificado da Otan ou sob um comando europeu”.

crédito…Yoan Valat / EPA, via Shutterstock

Sua posição, disse ela, não estava “sujeita ao protetorado americano exercido em solo europeu sob o disfarce da OTAN” – uma posição que ela comparou à posição tomada pelo general Charles de Gaulle em 1966, quando expulsou a França de uma OTAN integrada. exército. liderança, onde permaneceu até 2009.

READ  Últimas notícias de Biden: O presidente pressiona o príncipe herdeiro saudita pelo assassinato de Khashoggi e ri das críticas dirigidas a ele

Ela disse que sua posição não indica “submissão a Moscou”. Mas sua promessa de tirar a França da liderança foi consistente com a política de “igualdade” das grandes potências que ela disse que seguiria se derrotasse o atual presidente Emmanuel Macron no segundo turno para a presidência francesa em 24 de abril.

Pesquisas de opinião mostram Macron com 53 a 55 por cento dos votos, à frente de Le Pen por 45 a 47 por cento. Mas a situação política é volátil, pois o presidente, correndo pelo país, corre para compensar uma campanha inicial sem brilho. A extrema-direita francesa está mais perto do poder do que em qualquer outro momento desde a Segunda Guerra Mundial.

A Sra. Le Pen sugeriu que a proposta de reaproximação com a Rússia, “uma vez que a guerra russo-ucraniana termine e seja resolvida por um tratado de paz”, seria do interesse dos EUA, já que Washington não estaria “próximo da Federação Russo-Chinesa”. .

Le Pen, ex-líder do National Rally, a Frente Nacional, um partido firmemente anti-imigração, descartou o governo Biden como “muito agressivo em relação a Pequim”, dizendo que os Estados Unidos “precisam de inimigos para unir seus aliados sob sua hegemonia”.

Foi uma das poucas referências aos Estados Unidos, e nenhuma positiva, já que a Sra. Le Pen embarcou em uma espécie de tour de seus interesses que também negligenciou a Rússia, mas incluiu uma longa explicação de por que a França estava formalmente comprometida com o Líbano. .

“A França não é a França sem grandeza”, declarou.

crédito…Emmanuel Dunand/AFP – Getty Images

A França também não está sem protestos. A coletiva de imprensa foi brevemente interrompida por um manifestante segurando um retrato em forma de coração de Le Pen e Putin. O manifestante foi chamado ao chão e os seguranças o puxaram para cima.

READ  Israel invade casas de líderes do Hamas no norte de Gaza: últimos acontecimentos | noticias do mundo

A Sra. Le Pen disse que o “não-alinhamento” da França, que ela imaginou, “ameaçaria os inimigos do campo ocidental de uma maneira mais eficaz, porque o país não buscaria mais uma aliança com os Estados Unidos e, portanto, causaria maior ansiedade e um impedimento no cômputo geral do que todos os inimigos.”

Macron atacou Le Pen por estar empenhada em destruir a União Europeia e comparou a votação de 24 de abril a um referendo sobre a Europa. Na terça-feira em Estrasburgo, ele disse que o nacionalismo leva a uma “aliança de países que querem fazer a guerra”.

Le Pen disse que uma saída ao estilo britânico da União Europeia não está em seus planos, mas ela favorece uma “aliança de países europeus”, descartando as repetidas referências de Macron à “soberania europeia” e “independência estratégica europeia”. Na prática, favorece uma série de medidas – incluindo favorecer os franceses em relação aos cidadãos da UE em empregos e moradia – destinadas a minar o sindicato de 27 membros.

O mesmo objetivo parece estar por trás de suas diatribes contra a Alemanha, o parceiro mais importante da França na construção de uma Europa unida. A amizade franco-alemã esteve no coração da Europa do pós-guerra e um símbolo da recuperação do continente após a devastação da Segunda Guerra Mundial.

A Sra. Le Pen declarou que a França e a Alemanha enfrentam “diferenças estratégicas irreconciliáveis”.

crédito…Emmanuel Dunand/AFP – Getty Images

Ele disse que interromperia toda a cooperação com a Alemanha no desenvolvimento de novos equipamentos militares para prosseguir com os programas nacionais. Ela denunciou a “dominação secreta e inteligente da Europa” orquestrada por Angela Merkel, a ex-chanceler alemã. Ela observou que a Alemanha havia embarcado em um plano secreto para sabotar o modelo centralizado da França com um modelo federal alemão ou até mesmo criar “grandes zonas de passagem de fronteira”.

READ  Rishi Sunak elogia novo acordo NI Brexit, mas as preocupações do DUP permanecem

Le Pen prometeu que a Alemanha não teria permissão para “destruir a indústria nuclear francesa”. Ela insistiu que os interesses da Alemanha divergem dos da França, pois a Alemanha “considera a OTAN o pilar natural de sua segurança, ontem e hoje, que a leva a comprar a América”.

Para mostrar seu ponto de vista, disse Le Pen, “a Alemanha representa, portanto, o pólo oposto da identidade estratégica da França”. No entanto, ela disse: “Quero garantir que não tenho hostilidade à nação alemã”.

A mensagem geral era bastante clara. Rejeitando a cooperação franco-alemã, hostilidade ou hostilidade questionável em relação aos Estados Unidos e à OTAN, e buscando uma aproximação com a Rússia e uma abordagem mais suave em relação à China, Le Pen levará a França em uma direção que, para o governo Biden, testará severamente um das mais antigas alianças de guerra da América na Europa.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *