O argentino Javier Miley encontra Elon Musk no Texas

BUENOS AIRES, Argentina (AP) – Um deles é um excêntrico empresário bilionário que se autoproclama absolutista da liberdade de expressão, propenso a palavrões contra o “wokeismo” e obcecado em tornar a humanidade uma espécie multiplanetária.

O outro é Líder rebelde latino-americano Autoproclamado anarcocapitalista, ele é obcecado em clonar seus cães mortos. Destruindo controles estatais.

O CTO Elon Musk e o presidente argentino Javier Miley finalmente Isso selou sua amizade nascente Sexta-feira na fábrica de carros elétricos da Tesla no Texas – seu primeiro encontro após meses de admiração mútua nas redes sociais.

Foi uma combinação perfeita no paraíso do mercado livre.

Em postagens nas redes sociais que impressionaram seus fãs de direita, a dupla destacou sua verdadeira amizade.

“Para um futuro emocionante e inspirador!” Musk escreveu no X, ou Twitter como era conhecido Antes de comprá-lo em 2022, Junto com uma foto dele e de Millie sorrindo abertamente e levantando dois polegares para a câmera, o gesto característico do presidente libertário.

“Viva a liberdade, droga!” Miley escreveu em sua própria postagem no X, que incluía uma selfie do casal, com o presidente vestindo sua camisa de couro exclusiva e máscara em sua jaqueta esportiva da Academia da Força Aérea da Marinha.

A reunião foi fechada à imprensa, e um comunicado do gabinete de Miley trouxe poucas notícias, dizendo que os entusiastas do livre mercado discutiram questões que vão desde o previsível (como fomentar o empreendedorismo reduzindo a burocracia) ao aleatório (o perigo existencial representado pelo economia). Baixas taxas de natalidade).

O escritório de Miley disse que o presidente se ofereceu para ajudar Musk na missão Um embate entre a empresa de mídia social X e a empresa brasileira Autoridades, que acusaram Musk de obstrução por desafiar a ordem de um juiz de banir algumas contas.

READ  Google chega a um acordo preliminar no processo da Play Store nos EUA

A presidência argentina disse que os dois líderes também concordaram em sediar “em breve um grande evento na Argentina para promover ideias de liberdade”, mas não deu mais detalhes.

Mas por trás da foto sorridente – e do vídeo mostrando o divertido passeio de Miley em uma futurística minivan Cybertruck – havia muito em jogo para a Argentina.

O apoio dos Estados Unidos – especialmente do Fundo Monetário Internacional, ao qual a Argentina deve mais de 42 mil milhões de dólares – é crucial para aumentar a confiança dos investidores no país sul-americano, diz Miley. Ele procura consertar a economia quebrada Com políticas orientadas para o mercado.

Com o renascimento dos governos socialistas em toda a América Latina, do Chile ao Brasil, os especialistas dizem que a Argentina está agora preparada para emergir como um importante parceiro estratégico para Washington.

“Há uma oportunidade para a Argentina preencher esta lacuna e eventualmente tornar-se um parceiro estratégico dos Estados Unidos”, disse Sergio Bernstein, que dirige uma empresa de consultoria política em Buenos Aires. “Musk poderia acelerar o processo de a Argentina se tornar parte da nova rede de amigos (dos EUA).”

No mês passado, Musk entregou o serviço de Internet via satélite Starlink à Argentina, uma medida bem recebida pelos agricultores que lutam para acompanhar a agricultura de alta tecnologia em áreas remotas do país.

Gerardo Vertin, embaixador da Argentina nos Estados Unidos, participou da reunião de sexta-feira e disse ao jornal La Nacion que Miley e Musk discutiram a Argentina. Enormes reservas de minerais estratégicosIncluindo o lítio, elemento indispensável nas baterias de carros elétricos.

“Ele expressou o desejo de ajudar a Argentina e tinha uma visão muito boa de tudo o que temos, especialmente do lítio”, disse Werthain sobre Musk.

READ  Pedidos de seguro-desemprego caem à medida que o Fed procura esfriar o mercado de trabalho

O amor de Miley pelos mercados livres e o estreito alinhamento com a política dos EUA é uma grande mudança depois de anos de governos de esquerda Políticas de intervenção aprovadas e as relações tensas com Washington – aumentaram as esperanças nos Estados Unidos de que o lítio e outros minerais tão necessários pudessem ser extraídos perto dos Estados Unidos, quebrando o domínio da China na cadeia de abastecimento de baterias.

Analistas dizem que sim Transferência de energia bem sucedida Os Estados Unidos exigirão muito mais lítio e outras matérias-primas do que aquele que o país está actualmente apto a produzir.

“Queremos ser capazes de localizar ao máximo a nossa cadeia de fornecimento, para que não transportemos materiais por todo o mundo”, disse Ben Steinberg, ex-consultor sênior do Departamento de Energia e atual vice-presidente executivo. de Assuntos Governamentais. Onde estratégias? “Os Estados Unidos têm grande interesse em trabalhar internamente e com países sul-americanos como a Argentina.”

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a América Latina e o Caribe em https://apnews.com/hub/latin-america

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *