O gabinete de Netanyahu votou pelo fechamento dos escritórios da Al Jazeera em Israel

TEL AVIV, Israel (AP) – Israel ordenou no domingo o fechamento dos escritórios locais da rede de notícias via satélite Al Jazeera do Catar, agravando uma rivalidade de longa data entre a emissora e o governo linha-dura do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. O Hamas está em jogo.

Acredita-se que a ordem extraordinária, que inclui a apreensão de equipamento de transmissão, a proibição de o canal transmitir as suas reportagens e o bloqueio dos seus websites, seja a primeira vez que Israel fecha uma agência de notícias estrangeira.

A Al Jazeera fechou o principal provedor de TV a cabo de Israel poucas horas após o pedido. No entanto, os links de streaming em seu site e outras plataformas online ainda funcionam no domingo.

A rede, que tem reportado ininterruptamente a guerra entre Israel e o Hamas desde o primeiro ataque transfronteiriço dos militantes, manteve uma cobertura 24 horas por dia da Faixa de Gaza no meio da ofensiva terrestre de Israel. A sua ala árabe publica frequentemente reportagens em vídeo textuais do Hamas e de outros grupos militantes na região, incluindo um relatório clandestino sobre as vítimas da guerra, atraindo a ira de Netanyahu.

“Os repórteres da Al Jazeera prejudicaram a segurança de Israel e incitaram os soldados”, disse Netanyahu em comunicado. “É hora de remover o porta-voz do Hamas do nosso país.”

A Al Jazeera emitiu uma declaração comprometendo-se a “buscar todas as vias legais disponíveis através de instituições jurídicas internacionais na busca de proteger tanto os seus direitos como o direito à informação dos jornalistas e do público”.

“A supressão da imprensa independente por parte de Israel é vista como uma tentativa de encobrir as suas atividades na Faixa de Gaza, o que é contrário ao direito internacional e humanitário”, afirmou a rede. “O ataque direto de Israel a jornalistas, as detenções, a intimidação e a intimidação não impedem a Al Jazeera de se envolver, enquanto mais de 140 jornalistas palestinos foram mortos desde o início da guerra em Gaza.”

READ  As ações sobem novamente após um declínio acentuado nos tremores do Fed e da Ucrânia

A ordem permite que Israel bloqueie a operação do canal no país por 45 dias, informou a mídia israelense.

O governo israelita tem reprimido jornalistas individuais durante décadas desde a sua fundação em 1948, mas permite amplamente um cenário mediático movimentado que inclui agências estrangeiras de todo o mundo, até mesmo de países árabes. Isso mudou com uma lei aprovada no mês passado que, segundo o gabinete de Netanyahu, permite ao governo tomar medidas contra um canal estrangeiro que “prejudica o país”.

Imediatamente após o anúncio, a divisão inglesa da Al Jazeera começou a transmitir uma mensagem pré-gravada de um dos seus correspondentes de um hotel que o canal usava em Jerusalém Oriental há meses, dizendo que os palestinos estavam ansiosos pelo seu futuro estado um dia.

“Eles proíbem qualquer dispositivo – inclusive meu celular”, disse o repórter Imran Khan. “Se eu usá-lo para qualquer tipo de coleta de notícias, os israelenses podem simplesmente confiscá-lo”.

A proibição não afecta as operações do canal na Cisjordânia ocupada ou na Faixa de Gaza, que são controladas por Israel, mas não são território soberano israelita.

A decisão ameaça aumentar as tensões com o Qatar, numa altura em que o governo de Doha desempenha um papel fundamental nos esforços de mediação para deter o Qatar. Guerra em Gazacom o Egito e a América.

O Qatar expandiu os laços com Netanyahu em particular, dizendo que o Qatar não aplicou pressão suficiente sobre o Hamas para forçá-lo a recuar nos seus termos para um acordo de cessar-fogo. Catar recebe líderes exilados do Hamas em cargo político em Doha

Os dois lados parecem estar perto de chegar a um acordo, mas várias rondas anteriores de negociações terminaram sem acordo.

READ  Mercados europeus sobem após alta recorde do BCE

Numa declaração no domingo, o Hamas condenou a ordem do governo israelita e apelou às organizações internacionais para que tomem medidas contra Israel.

Após a decisão do governo, os membros do gabinete do Partido da Unidade Nacional criticaram o seu timing, dizendo que poderia “sabotar os esforços para finalizar as negociações e resultar de considerações políticas”. O partido disse que geralmente apoia a decisão.

Israel tem há muito tempo um relacionamento difícil com a Al Jazeera, acusando-a de parcialidade. Correspondente da Al Jazeera Há quase dois anos, as relações sofreram um grande colapso Shireen Abu Akle Morto durante um ataque militar israelense na Cisjordânia ocupada.

Essas relações azedaram ainda mais após o surto A guerra de Israel contra o Hamas Em 7 de outubro, o grupo militante lançou um ataque transfronteiriço no sul de Israel que matou 1.200 pessoas e fez 250 reféns. Desde então, a campanha militar israelita em Gaza matou mais de 34 mil pessoas, segundo autoridades de saúde locais, que não decompuseram os números entre civis e combatentes.

Em Dezembro, um ataque israelita matou um Cinegrafista da Al Jazeera Ele informou sobre a guerra no sul de Gaza. Wael Dahdouh, chefe do escritório do canal em Gaza, foi ferido no mesmo ataque. Dahdouh, um repórter bem conhecido dos palestinos durante várias guerras, posteriormente evacuou Gaza. Sua esposa, três de seus filhos e um neto foram mortos em ataques israelenses.

A Al Jazeera foi um dos poucos meios de comunicação internacionais que permaneceu em Gaza durante a guerra, transmitindo imagens sangrentas de ataques aéreos e hospitais lotados e acusando Israel de massacres.

Israel acusa a Al Jazeera, financiada pelo governo do Catar, de colaborar com o Hamas. Porém, as críticas ao canal não são novas. O governo dos EUA transmitiu vídeos do falecido líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, durante a invasão do Iraque pelos EUA, durante a invasão de 2003, que derrubou o ditador Saddam Hussein.

READ  Finais da NBA de 2023: Como assistir Denver Nuggets e Miami Heat competirem pelo Troféu Larry O'Brien

Coberto ou bloqueado pela Al Jazeera Outros governos do Oriente Médio. Arábia Saudita, Jordânia, Emirados Árabes Unidos e Bahrein estão entre aqueles que boicotaram Doha durante anos, em meio a uma disputa política de vários anos que termina em 2021.

Em 2013, as autoridades egípcias invadiram um hotel de luxo utilizado pela Al Jazeera como base operacional depois de o exército o ter tomado após protestos em massa contra o presidente Mohamed Morsi. O canal foi aparentemente alvo de ataques devido à sua cobertura regular dos protestos da Irmandade Muçulmana contra a deposição de Morsi.

Três funcionários da Al-Jazeera, o australiano Peter Creste, o egípcio-canadense Mohamed Fahmy e o produtor egípcio Bahar Mohamed, foram condenados a 10 anos de prisão, mas foram libertados em 2015, após críticas internacionais generalizadas.

___

Gambrel relata de Jerusalém. O redator da Associated Press, Jack Jeffrey, em Jerusalém, contribuiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *