O Irã acusa Israel de matar líderes militares iranianos e outros em um ataque aéreo a um consulado na Síria

Omar Sanadiqi/AFP

Os serviços de emergência trabalham em um prédio danificado atingido por um ataque aéreo em Damasco, Síria, segunda-feira, 1º de abril de 2024. (AP Photo/Omar Sanadiki)



CNN

Os principais comandantes militares do Irão estavam entre os sete oficiais do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica mortos num ataque aéreo ao edifício do consulado do país em Damasco, na Síria, de acordo com autoridades iranianas e meios de comunicação estatais, que culparam Israel pelo ataque.

O Ministério das Relações Exteriores iraniano disse que o comandante sênior da Guarda Revolucionária Iraniana, Mohammad Reza Zahedi, foi morto no ataque. Haji Rahimi foi citado como o segundo comandante morto no ataque, de acordo com um comunicado do IRGC publicado pela agência de notícias oficial IRNA na segunda-feira.

Os nomes de outros cinco oficiais mortos na declaração da Guarda Revolucionária Iraniana: Hossein Aman Elahi, Mehdi Jalalati, Mohsen Sadaqat, Ali Agbabai e Ali Salehi Rozbahani.

Pessoas se reuniram em torno do prédio destruído na capital síria, segundo fotos do local. Imagens do rescaldo da explosão, publicadas pelo canal oficial Press TV do Irã, mostraram danos graves, fogo e fumaça no local.

Falando diante das câmeras aos repórteres em Damasco, o embaixador iraniano Hossein Akbari afirmou que o prédio do consulado, localizado ao lado da embaixada iraniana, “foi alvo de seis mísseis de aviões de guerra israelenses F-35”.

Ele acrescentou que entre os mortos estavam funcionários da embaixada iraniana e conselheiros militares. Não está claro se algum dos funcionários do IRGC é pessoal diplomático e a CNN não pode verificar de forma independente estas alegações ou o número de vítimas.

READ  Europa adota sanções preliminares contra a Rússia por causa da crise na Ucrânia

Numa entrevista separada, Akbari acrescentou que dois polícias sírios estavam entre os feridos no ataque, que ele disse “pode ser a primeira vez que o regime sionista se permitiu atacar um edifício oficial da embaixada da República Islâmica do Irão, que tinha a bandeira da República Islâmica hasteada acima dela.”

Em resposta a uma pergunta da CNN para comentar o incidente, o exército israelense disse que não comenta reportagens estrangeiras. No entanto, um porta-voz militar disse à CNN que Israel acredita que o edifício iraniano atingido no ataque é um “edifício militar da Força Quds” e não um consulado.

Mais Agência de Notícias

O Irã acusa Israel de matar o comandante militar iraniano Mohammad Reza Zahedi e outros em um ataque aéreo ao consulado na Síria.

Ele acrescentou: “De acordo com nossas informações de inteligência, isto não é um consulado e isto não é uma embaixada. Repito, isto não é um consulado e isto não é uma embaixada. “Este é um edifício militar da Força Qods disfarçado de edifício civil em Damasco”, disse o porta-voz das FDI, almirante Daniel Hagari, a Jim Sciutto, da CNN.

Quando questionado se Israel estava envolvido no ataque, Hajari disse: “Não vou comentar esse ataque, mas quero dizer-vos que nos últimos seis meses, o Irão tem trabalhado para escalar esta área. “Ela é a atriz principal.”

“[Iran] “É o principal partido que comete atrocidades nesta região, utilizando representantes no Líbano, na Síria, no Iraque e no Iémen”, disse Hajjari.

“A partir desta manhã, um drone iraniano [unmanned aerial vehicle] O alvo era uma base israelense em Eilat”, afirmou Hagari. “O Irã é um ator que traz escalada.”

READ  Biden no microfone quente: “Encontro de Jesus” com Netanyahu a caminho

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Nasser Kanaani, alertou sobre possíveis “medidas recíprocas” após o incidente.

Al-Kanaani disse, de acordo com a Agência de Notícias Fars da Guarda Revolucionária Iraniana: “O Irão reserva-se o direito de tomar medidas recíprocas e decidirá o tipo de resposta e punição contra o agressor”.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do Irão e da Síria também acusaram Israel de planear o ataque, com o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir Abdollahian, a qualificá-lo de uma “violação de todas as obrigações e tratados internacionais” e a exigir uma “resposta séria” da comunidade internacional.

Louay Bishara/AFP/Getty Images

Equipes de emergência apagam um incêndio no local dos ataques que atingiram um prédio próximo à embaixada iraniana na capital síria, Damasco, em 1º de abril de 2024.

O ministro das Relações Exteriores da Síria, Faisal al-Miqdad, descreveu o ataque como uma “violação flagrante das regras internacionais, especialmente da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961”, de acordo com uma transcrição de sua ligação com Amir Abdullahian.

Zahedi, o comandante assassinado, foi anteriormente comandante das Forças Terrestres do IRGC, comandante das Forças Aéreas do IRGC e vice-comandante das operações do IRGC.

O porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, disse que os Estados Unidos “não tinham confirmação do alvo ou do responsável” em entrevista coletiva na segunda-feira.

“Antes de reunirmos informações sobre exatamente o que é isso, não quero falar sobre isso especificamente”, acrescentou Miller. “Mas é claro que estamos sempre preocupados com qualquer coisa que possa levar a uma escalada ou causar um aumento no conflito na região.”

Esta é uma história em desenvolvimento e será atualizada.

READ  As forças russas roubaram US$ 5 milhões em veículos agrícolas da John Deere Agency, que mantinha remotamente os ladrões de equipamentos afastados

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *