O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Lavrov, disse que o plano de paz da China para a Ucrânia é o mais razoável até agora

MOSCOU (Reuters) – O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, teria dito nesta quinta-feira que a China propôs o plano de paz mais razoável até agora para resolver o conflito ucraniano.

Pequim apresentou um documento de 12 pontos há mais de um ano, delineando os princípios gerais para acabar com a guerra, mas não entrou em detalhes. Na altura, teve uma recepção morna tanto na Rússia como na Ucrânia, enquanto os EUA afirmaram que a China se apresentava como um pacificador, mas reflectia a “falsa narrativa” da Rússia e não condenava a sua invasão.

A Agência de Informação Russa afirmou: “O mais importante para nós é que o documento chinês se baseie numa análise das causas do que está a acontecer e na necessidade de eliminar essas causas profundas. Está organizado em termos de lógica, do geral ao específico. .” Lavrov foi citado como tendo dito aos repórteres.

“Este plano foi criticado por ser vago… mas este é um plano razoável proposto pela grande civilização chinesa para discussão.”

Lavrov deverá reunir-se com o seu homólogo chinês em breve Presidente Vladimir Putin Ele disse no mês passado que consideraria ir à China em sua primeira viagem ao exterior durante seu novo mandato de seis anos.

A Rússia diz que está pronta para encetar conversações sobre a Ucrânia, mas essas conversações devem reflectir o que chama de “novas realidades” no terreno, uma vez que as suas forças controlam pouco menos de um quinto da área do país, e Moscovo reivindica quatro regiões ucranianas como suas ter.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apresentou a sua própria fórmula de paz que apela à cessação das hostilidades e à retirada completa da Rússia de todos os territórios ocupados.

READ  A Irlanda paga até US$ 92.000 para pessoas que compram casas em ilhas remotas. Veja como funciona.

Elogiar o plano da China oferece a Moscovo uma forma de sinalizar que está aberto a conversações de paz, ao mesmo tempo que ataca a iniciativa de Zelensky, que Lavrov descreveu como “uma lista da qual pode retirar o que quiser”.

A Suíça disse que iria acolher uma conferência baseada no plano de Zelensky, mas a Rússia descreveu a iniciativa como sem sentido e disse que estava condenada ao fracasso sem a participação de Moscovo.

(Reportagem da Reuters; escrito por Mark Trevelyan; editado por Devika Simnath)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *