O presidente da Libéria, George Weah, admitiu a derrota nas eleições para Joseph Bukai

  • Weah pede que Boakai se comprometa e exorta seus apoiadores a aceitarem o resultado
  • As concessões representam uma vitória para a democracia na África Ocidental
  • Boakai enfrenta desafios nacionais significativos em meio a altas taxas de pobreza

MONROVIA (Reuters) – O presidente da Libéria, George Weah, admitiu nesta sexta-feira a derrota eleitoral ao líder da oposição Joseph Boakai após uma disputa acirrada, encerrando uma presidência marcada por acusações de corrupção, mas ajudando a garantir uma transição suave de poder na outrora conturbada nação africana.

A comissão eleitoral do país disse na sexta-feira que Boakai, 78 anos, o ex-vice-presidente que perdeu para Weah nas eleições de 2017, recebeu 50,9% dos votos, em comparação com 49,1% que Weah recebeu, depois de quase todos os votos terem sido contados.

O resultado representa uma reviravolta em relação a 2017, quando a lenda mundial do futebol Weah, impulsionada por uma onda de esperança, derrotou Bukai com 62 por cento dos votos. Desde então, muitos ficaram desapontados com a falta de progresso: persistem a pobreza, o desemprego, a insegurança alimentar e o fraco abastecimento de electricidade.

“Momentos atrás, falei com o presidente eleito Joseph Boakai para felicitá-lo pela sua vitória”, disse Weah à rádio nacional. “Exorto-vos a seguirem o meu exemplo e aceitarem os resultados eleitorais.”

A abdicação de Weah abre caminho para a segunda transferência democrática de poder da Libéria em mais de sete décadas – a primeira foi quando Weah chegou ao poder há seis anos.

Os seus comentários foram proeminentes na África Ocidental e Central, onde ocorreram oito golpes militares em três anos, minando a confiança nas eleições democráticas. Quando se realizam eleições na região, abundam as acusações de fraude e os resultados são frequentemente contestados em tribunal.

Em vez disso, os apoiantes de Boakai na capital, Monróvia, dançaram, cantaram e buzinaram à chuva depois do anúncio dos resultados das meias-finais.

“Temos um trabalho a fazer e estou feliz que os cidadãos nos aprovaram”, disse Boakai à Reuters logo após o anúncio dos resultados. “Em primeiro lugar, queremos ter uma mensagem de paz e reconciliação.”

Boakai, um político de carreira de fala mansa, concorreu contra Weah no primeiro turno de votação em outubro, mas ficou aquém dos 50% necessários para garantir uma vitória absoluta, levando a um segundo turno na terça-feira.

A Libéria está a lutar para recuperar de duas guerras civis que mataram mais de 250 mil pessoas entre 1989 e 2003, e da epidemia de Ébola de 2013-2016, que matou milhares de pessoas.

Muitos sentiram que Weah não cumpriu as suas promessas de aliviar a pobreza e melhorar a infra-estrutura dilapidada do país.

Arkoye Sarkore, 43, disse à Reuters que apoia Boakai porque não conseguiu emprego durante o mandato de Weah.

“Estou muito otimista porque sei que Boakai… é um homem de princípios e sei que quando chegar aqui trará mudanças”, disse ela. Ele acrescentou: “Algumas das coisas que não foram feitas, que não estavam certas, ele as colocará em prática, espero que sim”.

Preparação de Karel Du e Alfonso Tueh Reportagem escrita por Edward McAllister e Anaette Meridzanian. Editado por Louise Heavens, Jonathan Oatis e Cynthia Osterman

READ  Acidente de avião na Colômbia: mãe disse aos filhos para deixá-la e pedir ajuda

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *