O primeiro-ministro israelense Netanyahu rejeitou a proposta de cessar-fogo e acordo de reféns com o Hamas

Últimos desenvolvimentos na guerra do Hamas com Israel.

Netanyahu rejeita o cessar-fogo e o acordo de libertação de reféns

anúncio

O primeiro-ministro israelense rejeitou na quarta-feira o cessar-fogo proposto pelo Hamas e o acordo de libertação de reféns, descrevendo-os como “ilusórios”.

A sua posição linha-dura poderá complicar os esforços para chegar a um acordo entre as duas partes, o que poderá, em última análise, aliviar o conflito devastador em Gaza e devolver os reféns israelitas à sua terra natal.

Netanyahu prometeu prosseguir com a guerra israelita contra o Hamas, que entrou agora no seu quinto mês, até que a “vitória absoluta” seja alcançada.

O plano do Hamas prevê a cessação dos combates durante quatro meses e meio, durante os quais todos os reféns serão libertados e Israel retirará as suas forças de Gaza.

No entanto, a proposta deixaria o grupo militante palestiniano no poder, um cenário ao qual Israel se opõe.

Netanyahu disse numa conferência de imprensa noturna transmitida pela televisão nacional: “Ceder às exigências imaginárias do Hamas que ouvimos agora não só levará à libertação dos prisioneiros, mas também convidará a outro massacre”.

“Estamos no caminho da vitória absoluta”, disse Netanyahu, acrescentando que o processo continuaria durante meses, não anos. “Não há outra solução.”

As críticas ao primeiro-ministro israelita estão a crescer dentro do país, à medida que as famílias reféns pressionam o governo para mudar a sua abordagem para garantir a libertação dos seus entes queridos.

Outros questionam-se se Netanyahu será capaz de eliminar o Hamas, à medida que aumentam as perdas israelitas.

Mais reféns foram confirmados como mortos

As autoridades israelitas dizem que 31 dos reféns levados pelo Hamas para Gaza em 7 de Outubro foram agora confirmados como mortos – mais de um quinto do número ainda na área.

READ  Dinamarca declara um novo rei enquanto a Rainha Margrethe assina abdicação histórica

No seu ataque, o Hamas e outros grupos armados mataram cerca de 1.200 pessoas, a maioria delas civis, e raptaram cerca de 250. Mais de 100 prisioneiros, na sua maioria mulheres e crianças, foram libertados durante um cessar-fogo de uma semana em Novembro, em troca da libertação de 240. Palestinos presos por Israel.

O número de mortos palestinos desde quase quatro meses de guerra atingiu 27.585, segundo o Ministério da Saúde nos territórios controlados pelo Hamas. O ministério não faz distinção entre civis e combatentes nas suas estatísticas, mas afirma que a maioria dos mortos eram mulheres e crianças.

A guerra arrasou vastas áreas do pequeno enclave e levou um quarto da sua população à fome.

O projeto de lei de financiamento de Israel falhou na Câmara dos Representantes dos EUA

Um projeto de lei para fornecer mais ajuda militar a Israel foi derrotado terça-feira na Câmara dos Representantes em Washington, DC.

A votação foi um fracasso humilhante para o presidente da Câmara, Mike Johnson, que tentou separar o apoio americano a Israel de outras prioridades de segurança nacional, como o combate à invasão da Ucrânia pela Rússia e a dissuasão de travessias na fronteira entre os EUA e o México.

Este foi o segundo revés para os líderes republicanos na Câmara dos Representantes. Poucos minutos antes da votação, a sua tentativa de impeachment do secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, devido aos acontecimentos na fronteira entre os EUA e o México, fracassou graças à oposição de três membros republicanos da Câmara dos Representantes.

A Câmara dos Representantes já tinha anunciado o seu apoio ao pacote de ajuda israelita. Johnson apresentou este pacote em Novembro, num dos seus primeiros dias como novo Presidente da Câmara dos Representantes, em resposta ao ataque do Hamas em 7 de Outubro.

READ  O presidente da Polônia disse que era "difícil negar" o genocídio na Ucrânia depois que surgiram fotos de civis mortos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *