Os cientistas descobriram um mecanismo até então desconhecido que afeta significativamente o clima da Terra

Os investigadores descobriram um mecanismo climático até então desconhecido durante o período Cretáceo, ligando o movimento continental a perturbações nas correntes oceânicas que afectavam os gradientes de temperatura. Este estudo não só aprofunda a nossa compreensão da dinâmica climática antiga, mas também sublinha o papel dos processos oceânicos no sistema climático atual.

Um estudo pioneiro revelou um mecanismo até então desconhecido que afeta significativamente o clima da Terra.

A pesquisa foi conduzida por um Ph.D. da Universidade Hebraica. Candidato Kaushal Gianchandani, sob a orientação do Professor Nathan Baldor e Hezi Gildor do Instituto de Ciências da Terra da Universidade Hebraica, em colaboração com o Professor Uri Adam e Sagi Maor da Universidade Hebraica, juntamente com o Dr. Universidade de BristolReino Unido.

Esta pesquisa de ponta, publicada em Comunicações da NaturezaAplica um novo modelo analítico desenvolvido por três investigadores da Universidade Hebraica há dois anos, centrando-se na circulação impulsionada pelo vento na superfície do oceano e destacando o papel fundamental da geometria da bacia oceânica.

Este estudo explora o clima durante um período período Cretáceo Cerca de 145 a 66 milhões de anos atrás, quando havia muito dióxido de carbono (gás quente) no ar. Analisa como os grandes redemoinhos oceânicos, que transportam água quente dos trópicos para os pólos, afectam a diferença de temperatura entre estas duas regiões. Esta diferença de temperatura é crucial para compreender por que existiram tantas espécies diferentes de plantas e animais durante o período Cretáceo.

Na sua investigação, os cientistas pretendem revelar a complexa relação entre as mudanças nos padrões das correntes oceânicas (circulação) resultantes da disposição dos continentes na Terra e as mudanças nos gradientes de temperatura durante o período Cretáceo, quando os dinossauros vagavam pela Terra. Para fazer isso, eles conduziram uma análise abrangente usando modelos computacionais que simulam climas antigos.

Suas descobertas revelaram que o movimento dos continentes da Terra durante o período Cretáceo causou uma desaceleração nas grandes correntes oceânicas parasitas responsáveis ​​pelo transporte de água quente do equador para os pólos. Esta desaceleração perturbou a forma como o oceano regula as temperaturas da sua superfície, levando a um aumento significativo nas diferenças de temperatura entre os pólos e os trópicos durante esse período. Estes resultados são consistentes com as evidências geológicas do Cretáceo, proporcionando uma compreensão mais abrangente da dinâmica climática passada.

Tomada principal:

  • Descoberta de um mecanismo até então desconhecido: O estudo revelou um mecanismo até então desconhecido que influenciou significativamente o clima da Terra durante o período Cretáceo. Este mecanismo está ligado a mudanças na distribuição dos continentes, o que afeta os padrões das correntes oceânicas e o seu impacto nos gradientes térmicos.
  • Implicações para o clima contemporâneo: Embora o estudo se concentre principalmente no Cretáceo, tem implicações para a nossa compreensão dos sistemas climáticos contemporâneos. Destaca a importância dos redemoinhos oceânicos (padrões de circulação) na formação da dinâmica climática, tanto no passado como hoje. Destaca a complexidade do clima da Terra e a poderosa influência que outros processos além da concentração de dióxido de carbono podem ter sobre ele.
  • Foco no Período Cretáceo: A pesquisa concentra-se principalmente no clima durante o Período Cretáceo, que ocorreu há cerca de 145 a 66 milhões de anos. Este período é interessante porque foi marcado pelo aumento dos níveis de dióxido de carbono na atmosfera, um gás de efeito estufa que pode afetar as temperaturas globais.
  • O papel dos redemoinhos oceânicos (circulação espiral): O estudo investiga o papel dos grandes redemoinhos oceânicos, conhecidos como circulação espiral, no transporte de água quente dos trópicos para os pólos. Compreender como essas correntes afetaram as diferenças de temperatura entre os pólos e os trópicos é crucial para compreender a biodiversidade e o clima do Cretáceo.
  • Impacto do movimento continental: Os resultados da investigação indicam que o movimento dos continentes da Terra durante o período Cretáceo perturbou as grandes correntes oceânicas responsáveis ​​pelo transporte de água quente. Esta perturbação levou a aumentos significativos nas diferenças de temperatura entre os pólos e os trópicos durante esse período.
  • Validação de evidências geológicas: Os resultados do estudo são consistentes com evidências geológicas do Cretáceo, fornecendo suporte adicional para os mecanismos propostos e melhorando a nossa compreensão da dinâmica climática passada.

Em suma, esta investigação ajuda-nos a compreender a complexa relação entre os padrões de circulação oceânica, as diferenças de temperatura do equador aos pólos e as condições climáticas anteriores. Embora contribua principalmente para a nossa compreensão do clima antigo da Terra, também sublinha a importância dos processos oceânicos na formação dos sistemas climáticos contemporâneos. Este conhecimento pode ajudar a modelar e prever os impactos das alterações climáticas na era moderna, uma vez que os padrões de circulação oceânica continuam a desempenhar um papel crucial na regulação do clima global.

Referência: “Efeitos das mudanças paleogeográficas e da variabilidade do dióxido de carbono nos gradientes de temperatura da latitude média norte no Cretáceo” por Kushal Gianchandani, Saji Maur, Uri Adam, Alexander Farnsworth, Hezi Gildor e Daniel J. Lunt e Nathan Baldor, 25 de agosto de 2023, Comunicações da Natureza.
doi: 10.1038/s41467-023-40905-7

READ  Cientistas chineses identificam a origem da Via Láctea nos raios cósmicos de alta energia

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *