Os combates se intensificam entre as forças israelenses e o Hamas depois que quase 200 pessoas foram mortas em Gaza

Escrito por Nidal Al-Mughrabi e Arafat Barbakh

CAIRO/GAZA (Reuters) – Fortes disparos de tanques israelenses e bombardeios aéreos atingiram a cidade de Khan Yunis, na Faixa de Gaza, na noite de sexta-feira, disseram moradores, depois que cerca de 200 pessoas foram mortas em 24 horas na campanha israelense contra o Movimento de Resistência Islâmica ( ativistas do Hamas).

Os aviões também realizaram uma série de ataques aéreos ao campo de Nuseirat, no centro da Faixa de Gaza, segundo médicos e jornalistas palestinos.

As forças israelenses estão bombardeando a cidade de Khan Yunis em preparação para o esperado avanço na principal cidade do sul, onde controlavam áreas no início de dezembro.

O ministro da Defesa, Yoav Galant, disse que as forças chegaram aos centros de comando e depósitos de armas do Hamas. O exército israelense disse ter destruído um complexo de túneis no porão de uma das casas do líder do Hamas em Gaza, Yahya Sinwar, na cidade de Gaza.

Doze semanas depois de os combatentes do Hamas terem atacado cidades israelitas, matando 1.200 pessoas e fazendo 240 reféns, as forças israelitas destruíram grande parte da Faixa de Gaza enquanto prosseguem a sua guerra para eliminar o grupo islâmico.

Quase todos os 2,3 milhões de residentes de Gaza fugiram das suas casas pelo menos uma vez, e muitos estão novamente em movimento, muitas vezes forçados a refugiar-se em tendas improvisadas ou amontoados sob lonas e lonas de plástico em terreno aberto.

A estreita costa tem apenas 40 quilómetros (25 milhas) de comprimento, tornando-a uma das áreas mais densamente povoadas do mundo.

As autoridades de saúde de Gaza disseram que 187 palestinos foram mortos em ataques israelenses em 24 horas, elevando o número total de mortos para 21.507 – cerca de 1% da população de Gaza. Teme-se que milhares de outros corpos sejam soterrados sob os escombros dos vivos.

READ  A Guerra Russo-Ucraniana: atualizações ao vivo sobre Bakhmut

Um jornalista palestino foi morto

Autoridades do sector da saúde e colegas jornalistas disseram que um jornalista palestiniano que trabalhava para o Canal de Satélite Al-Quds foi morto juntamente com alguns membros da sua família num ataque aéreo à sua casa no campo de Nuseirat, no centro da Faixa de Gaza.

O gabinete de comunicação social do governo em Gaza disse que 106 jornalistas palestinianos foram mortos no ataque israelita.

O Comité para a Proteção dos Jornalistas afirmou na semana passada que as primeiras 10 semanas da guerra entre Israel e Gaza foram as mais sangrentas para os jornalistas, com o maior número de jornalistas mortos num único ano num só lugar.

A maioria dos jornalistas e trabalhadores da comunicação social mortos na guerra eram palestinianos. O relatório do Comitê para a Proteção dos Jornalistas, com sede nos EUA, disse estar “particularmente preocupado com o padrão claro de ataques a jornalistas e suas famílias pelos militares israelenses”.

No início deste mês, uma investigação da Reuters concluiu que uma tripulação de um tanque israelita matou o jornalista da Reuters Issam Abdullah e feriu seis jornalistas no Líbano, em 13 de Outubro, ao disparar dois projécteis em rápida sucessão enquanto os jornalistas filmavam um bombardeamento transfronteiriço.

Israel disse anteriormente que não atacou e não irá atacar deliberadamente jornalistas e que está a fazer tudo o que está ao seu alcance para evitar vítimas civis, mas o elevado número de mortos suscitou preocupação mesmo entre os seus aliados mais fortes.

Os Estados Unidos apelaram a Israel para reduzir a guerra nas próximas semanas e avançar para operações contra os líderes do Hamas, embora até agora não tenham dado sinais de o fazer.

READ  Notas vazadas de autoridades de saúde chinesas estimam 250 milhões de infecções por Covid-19 em dezembro: relatórios

A África do Sul pediu na sexta-feira ao Tribunal Internacional de Justiça que emitisse uma ordem urgente declarando que Israel violou as suas obrigações ao abrigo da Convenção do Genocídio de 1948 na sua campanha contra o Hamas em Gaza.

Apelou ao tribunal para que emitisse medidas de curto prazo ordenando a Israel que suspendesse a sua campanha militar “para proteger os direitos do povo palestiniano de danos mais graves e irreparáveis”.

Nenhuma data foi marcada para a audiência.

Em resposta, o Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita acusou o Hamas de ser responsável pelo sofrimento dos palestinianos em Gaza, utilizando-os como escudos humanos e roubando-lhes ajuda humanitária. O Hamas nega tais acusações.

Israel ajuda a entregar vacinas a Gaza

Israel disse na sexta-feira que facilitou a entrada de vacinas suficientes para vacinar quase 1,4 milhão de pessoas contra doenças como poliomielite, tuberculose, hepatite, difteria, tétano, coqueluche e meningite.

Um comunicado divulgado pelo Gabinete de Coordenação de Atividades Governamentais nos Territórios, órgão do Ministério da Defesa que coordena com os palestinos, afirma que o processo de transferência de vacinas foi coordenado com o UNICEF, a fim de evitar a propagação da doença na Faixa. .

Gaza depende quase inteiramente de alimentos, combustível e suprimentos médicos estrangeiros, e Israel tem apenas acesso limitado ao extremo sul da Faixa. Agências internacionais dizem que os suprimentos que chegam através das inspeções israelenses representam uma pequena parcela das necessidades de Gaza.

Na semana passada, Israel cedeu à pressão internacional para abrir uma segunda passagem que, segundo ele, duplicaria o número de camiões de abastecimento por dia para 200, mas apenas 76 conseguiram entrar na quinta-feira, segundo as Nações Unidas, em comparação com 500 em tempos de paz.

READ  O Grupo Wagner recruta mercenários em escolas russas

Um porta-voz do governo israelita disse na sexta-feira que o governo não impõe restrições à ajuda humanitária e que o problema reside na sua distribuição dentro de Gaza.

(Reportagem de Nidal al-Mughrabi no Cairo e Arafat Barbakh em Gaza; escrito por Daphne Psalidakis e Kim Coghill; editado por Grant McCall e Neil Volek)

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *