Um comboio de primeiros socorros entra na Faixa de Gaza vindo do Egito

  • Ajuda acumulada no Sinai à medida que o conflito se intensificava
  • Um comboio de 20 caminhões contendo remédios e alimentos, mas sem combustível
  • Centenas de caminhões entravam em Gaza diariamente antes da guerra
  • As Nações Unidas descrevem a situação em Gaza como “catastrófica”

GAZA/CAIRO (Reuters) – O primeiro comboio de ajuda humanitária chegou à sitiada Faixa de Gaza desde o início da guerra através da passagem de fronteira de Rafah, no sábado, depois que uma disputa sobre as condições de entrega de ajuda o deixou preso no Egito.

As Nações Unidas afirmaram que o comboio de 20 camiões incluía fornecimentos vitais que o Crescente Vermelho Palestiniano receberia, mas a ajuda representa uma pequena parte da quantidade necessária e não estava claro quanta ajuda seria autorizada a passar no país. próximos dias.

Rafah é a principal estrada de entrada e saída da Faixa de Gaza, que não é controlada por Israel, e é o foco dos esforços para fornecer ajuda aos 2,3 milhões de residentes de Gaza.

Funcionários da ONU dizem que são necessários pelo menos 100 camiões por dia em Gaza para cobrir necessidades urgentes e que qualquer entrega de ajuda deve ser sustentada e em grande escala. Antes do início do conflito, uma média de 450 camiões de ajuda chegavam lá todos os dias.

“A situação humanitária em Gaza – já precária – atingiu níveis catastróficos”, disse o coordenador humanitário da ONU, Martin Griffiths, num comunicado.

Ele acrescentou: “Estou confiante de que esta entrega será o início de um esforço sustentado para fornecer suprimentos essenciais, incluindo alimentos, água, medicamentos e combustível”.

Israel impôs um bloqueio abrangente e lançou ataques aéreos contra Gaza em resposta a um ataque mortal do Hamas em território israelita em 7 de Outubro. A passagem de Rafah parou de funcionar pouco depois e os bombardeamentos no lado de Gaza causaram danos em estradas e edifícios. Reparos necessários.

READ  Ações chinesas caem com preocupações com COVID-19, preocupações sobre relacionamento Pequim-Moscou

Os suprimentos estão acabando

As Nações Unidas alertaram que os alimentos estão a acabar em Gaza e que o abastecimento de combustível necessário para fazer funcionar os geradores de reserva nos hospitais atingiu níveis perigosamente baixos.

Israel disse que não permitirá a entrada de qualquer ajuda a partir do seu território até que o Hamas liberte os reféns que fez durante o ataque, e esta ajuda pode entrar através do Egipto, desde que não acabe nas mãos do Hamas.

Os doadores internacionais estão a enviar ajuda por via aérea para Al-Arish, localizada a cerca de 45 quilómetros a oeste de Rafah, na Península Egípcia do Sinai.

Não foram realizados esforços de ajuda em grande escala a partir do Egipto durante conflitos anteriores em Gaza, quando a ajuda passou pela passagem de Kerem Shalom, que é controlada por Israel.

Os militares israelenses disseram no sábado que a ajuda que entra em Gaza não inclui combustível e irá apenas para as áreas ao sul da Faixa, onde Israel instou os civis a se reunirem.

Muitos habitantes de Gaza concentraram-se nas zonas do sul para evitar ataques aéreos no norte, embora também digam que não há lugar seguro na Faixa.

Mahmoud Abu Atta, do Crescente Vermelho Palestino, disse ao entrar na passagem de Rafah para receber ajuda: “Fortalecemos as capacidades logísticas e operacionais do Crescente Vermelho adicionando mais voluntários e carros. Alugamos armazéns em Khan Yunis e Rafah .” Ajuda.

READ  Macron ou Le Pen: a França enfrenta uma escolha difícil para o cargo de presidente

Os países ocidentais estão a tentar evacuar os titulares de passaportes estrangeiros de Gaza, e a embaixada dos EUA em Israel disse que qualquer abertura das fronteiras no sábado poderá permitir que os estrangeiros deixem a Faixa.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, visitou a fronteira na sexta-feira numa tentativa de trazer ajuda, dizendo que o mecanismo de inspeção de ajuda solicitado por Israel ainda estava a ser preparado e que a entrega de ajuda não deveria estar ligada à libertação de reféns. Ou evacuar estrangeiros

(Reportagem de Nidal Al-Mughrabi, Aidan Lewis, Yousry Mohamed e Ahmed Mohamed Hassan; edição de Thomas Janowski e Ross Russell)

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Um correspondente sênior com quase 25 anos de experiência na cobertura do conflito palestino-israelense, incluindo várias guerras e a assinatura do primeiro acordo de paz histórico entre os dois lados.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *