Os futuros dos EUA caíram à medida que a confiança nos cortes nas taxas de juros diminuiu

Os futuros de ações dos EUA apontaram para mais perdas na quarta-feira, com os investidores aguardando o próximo discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, em busca de pistas sobre se as taxas de juros permanecerão altas por mais tempo.

Os futuros do S&P 500 (^GSPC) caíram 0,2%, enquanto os futuros do Dow Jones Industrial Average (^DJI) fecharam logo abaixo da linha plana. Os contratos do Nasdaq 100 (^NDX), de alta tecnologia, lideraram as quedas, caindo quase 0,4%, depois que os principais indicadores fecharam em um mar vermelho.

As bolsas afastaram-se de um forte início de ano, à medida que dados económicos fortes diminuíram as esperanças de um corte de três vezes nas taxas da Fed. Os investidores reduziram as suas apostas ao ponto de esperarem uma flexibilização menor e mais tardia do que a esperada pelos decisores políticos.

O foco agora se volta para Powell, cujo discurso sobre as perspectivas econômicas na quarta-feira será avaliado em busca de pistas sobre se a reunião de junho do Fed trará um pivô à política. As aparições de Michael Barr e de outros funcionários do Fed também serão monitoradas.

Todos os olhos também estão voltados para quem vencerá a dura batalha por procuração entre a Disney e o investidor ativista Nelson Peltz, com os resultados da votação dos acionistas previstos para quarta-feira. Fontes disseram à Reuters que as indicações eram de que a Disney tinha apoio suficiente para evitar a mudança do conselho proposta por Trian de Peltz.

Em movimentos únicos de ações, as ações da Intel (INTC) caíram cerca de 5% nas negociações de pré-mercado, depois que a empresa de chips registrou perdas operacionais acentuadas em seu negócio de fundição.

READ  Últimas notícias do mercado de ações hoje: Bitcoin e Ethereum estavam em alta, enquanto Dogecoin estava em baixa. Um imposto corporativo de 2023 sobre recompra de ações pode custar bilhões às empresas.

Enquanto isso, a rival TSMC (TSM) foi forçada a interromper algumas operações de fabricação de chips após o grande terremoto em Taiwan, levantando preocupações sobre o fornecedor da Apple (AAPL) e da Nvidia (NVDA). Suas ações listadas nos EUA caíram ligeiramente.

Ele vive2 atualizações

  • Tesla é colocada na caixa de penalidade pelo JP Morgan

    Não enterre sua mão aqui.

    O analista do JPMorgan, Ryan Brinkman, reduziu seu preço-alvo para Tesla (TSLA) para US$ 115, de US$ 130 esta manhã, o que pressupõe uma queda de cerca de 30% em relação aos níveis de preços atuais (as ações já caíram 33% no acumulado do ano). O preço-alvo revisado decorre do “rebaixamento” de Brinkmann em suas estimativas sobre a Tesla após um relatório de entregas sem brilho.

    Alguns números interessantes do relatório Brinkman:

    • Espera-se que o EPS para o primeiro trimestre seja de US$ 0,42, abaixo da estimativa anterior de US$ 0,69. O consenso atual é de cerca de US$ 0,60.

    • Ela vê um fluxo de caixa livre “significativo” de US$ 1,3 bilhão no primeiro trimestre, em comparação com uma estimativa anterior de US$ 300 milhões em fluxo. Brinkman atribui isso ao excesso de estoque da Tesla após um trimestre decepcionante.

    Brinkman diz sobre as ações da Tesla:

    “Embora as ações da Tesla tenham caído -59% em relação ao máximo histórico de US$ 409,97 alcançado em 4 de novembro de 2021 (vs. S&P 500 +11%), as ações ainda parecem caras para nós, com negócios excepcionais” e conquistas tremendas, ao contrário Ações da Tesla.” A tendência nos últimos trimestres exige que ela cresça nos próximos anos até atingir nossa meta de preço de US$ 115 (que, com uma capitalização de mercado de US$ 401 bilhões, observamos nervosamente que a Tesla avalia como a montadora mais valiosa do mundo, à frente dos US$ 391 da Toyota). bilhões), sem mencionar a avaliação atual de US$ 167 por ação (US$ 580 bilhões).

  • A Intel está abrindo ainda mais seus livros e as ações estão sofrendo um impacto

    As ações da Intel (INTC) são reprogramadas antes de chegar ao mercado.

    As ações caíram 4% enquanto a Intel ajustava a forma como reportava dados financeiros aos investidores. Este era um evento esperado, mas os números relacionados ao negócio de fundição (que está focado principalmente no CEO Pat Gelsinger, como ele me explicou no Yahoo Finance Live algumas semanas atrás) podem ter surpreendido muitos na rua.

    A Intel disse que seu negócio de fabricação de chips registrou um prejuízo de US$ 7 bilhões em 2023, maior do que o prejuízo de US$ 5,2 bilhões em 2022. As vendas caíram 31% ano a ano, para US$ 18,9 bilhões. Espera-se que o negócio atinja o ponto de equilíbrio por volta de 2030.

    Essas revelações provavelmente reavivarão a conversa sobre por que a Intel está construindo fábricas para fabricar chips para terceiros, o que tem um custo significativo.

    O analista da Stifel, Ruben Roy, forneceu a análise mais simples para entender as ações após as divulgações:

    “Acreditamos que a Intel tem um caminho difícil pela frente, à medida que a empresa inicia uma fase de transição plurianual que inclui uma alta intensidade de capital e um roteiro de design ambicioso, com expectativas de passar por cinco transições de nós de processo em quatro anos. Enquanto a Intel está executando seu plano, concorrentes como AMD (AMD) e Nvidia continuam (NVDA) inovando em seus roteiros tecnológicos. A Intel também enfrenta concorrência crescente de tecnologias de CPU de origem interna, tanto no mercado de PCs de consumo quanto no mercado de data centers. Diante disso, vemos catalisadores positivos limitados para o estoque no médio prazo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *