Os negociadores da Casa Branca e do Senado estão correndo para chegar a um acordo fronteiriço, com a ajuda à Ucrânia em jogo.



CNN

Democratas e republicanos não conseguirão chegar a um acordo sobre mudanças na política de fronteira sul dos EUA este ano, disse o senador republicano Lindsey Graham no domingo, após semanas de negociações sobre a ligação de restrições mais duras à imigração a financiamento suplementar para a Ucrânia e Israel.

“Os republicanos sentem que estamos sendo encurralados”, disse Graham durante uma aparição no programa “Meet the Press”, da NBC. “Não estamos perto de um acordo.

Democratas e Republicanos estão a tentar urgentemente chegar a um acordo sobre as mudanças na política de fronteiras antes que os senadores deixem a cidade para as férias – com as reuniões continuando no Congresso no domingo – mas muitos assessores do Congresso duvidam que um acordo possa ser alcançado, uma vez que persistem diferenças significativas.

O Presidente Joe Biden apelou repetidamente ao Congresso para aprovar o seu pedido adicional de segurança nacional, que inclui milhares de milhões de dólares em financiamento para a Ucrânia, Israel e a segurança das fronteiras, entre outras prioridades. Ele alertou que o dinheiro era necessário para a Ucrânia, que os Estados Unidos se comprometeram a apoiar na defesa contra a Rússia e, de forma mais ampla, para a segurança nacional americana.

Mas o pacote apresentado em Outubro continua paralisado.

Durante semanas, os negociadores de ambos os lados debateram-se sobre a ligação de restrições mais rigorosas à imigração a financiamento adicional para a Ucrânia e Israel. Os republicanos insistem que é necessário fazer mudanças na fronteira sul dos EUA, onde o afluxo de migrantes esgotou os recursos federais, a fim de avançar com o financiamento para a Ucrânia.

“Isto é um desastre e é o resultado das políticas de Biden sobre fronteiras abertas”, disse o senador John Cornyn, do Texas, no “Fox News Sunday”. “Aproveitaremos esta oportunidade para mudar isso.”

READ  Pub sul-africano: 22 mortos em acidente no leste de Londres

Num sinal dos desafios que os negociadores enfrentam enquanto tentam chegar a um acordo de imigração que poderá ser aprovado no Senado esta semana, 15 senadores republicanos, incluindo Graham, estão a convocar uma reunião especial em Janeiro para discutir as negociações. Numa carta enviada no domingo ao senador John Barrasso, do Wyoming, presidente da Conferência Republicana do Senado, os senadores criticaram as conversações “apressadas e secretas”.

Se o Senado sair da cidade durante as férias sem chegar a um acordo, a Casa Branca terá de fazer escolhas difíceis sobre o fornecimento de aliados como a Ucrânia, à custa da potencial prontidão militar dos EUA. O pedido suplementar também inclui 14 mil milhões de dólares para a segurança das fronteiras.

No fim de semana, altos funcionários da Casa Branca, incluindo o chefe de gabinete da Casa Branca, Jeff Zients, apelaram aos legisladores republicanos e democratas para tentarem chegar a um consenso sobre as mudanças nas políticas de fronteira, disseram à CNN duas fontes familiarizadas com as discussões. O secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, esteve no Capitólio no domingo para se reunir com os negociadores do Senado.

Mas potenciais mudanças para restringir o asilo, entre outras medidas de imigração mais duras, são difíceis de aceitar pelos Democratas, que temem que a Casa Branca esteja a adoptar políticas de imigração da era Trump.

Zients manteve um telefonema no sábado com alguns membros do Congressional Hispanic Caucus, disse uma fonte, o que levantou preocupação sobre a direção das negociações de fronteira. Mayorkas esteve no Capitólio no domingo para se reunir com os negociadores do Senado.

A outra fonte disse que persistem grandes pontos de discórdia enquanto os negociadores tentam chegar a um acordo. Incluem medidas que resultam na expulsão de migrantes na fronteira entre os EUA e o México – impedindo efectivamente os migrantes de procurarem asilo na fronteira; Limitar o uso da liberdade condicional, que permite aos imigrantes viver temporariamente nos Estados Unidos, caso a caso; A fonte disse que a prisão obrigatória.

READ  Um funcionário disse que Hong Kong enfrenta um "ato de equilíbrio difícil" para facilitar as regras de fronteira

Outras propostas incluem o aumento do critério do medo credível para os requerentes de asilo e a expansão da utilização de procedimentos de remoção acelerados.

Os republicanos também demonstraram interesse renovado no Acordo para Países Terceiros Seguros, que impediria os migrantes de procurarem asilo nos Estados Unidos se passassem por outros países antes de chegarem à fronteira dos EUA, disse a fonte.

Para Biden, a política neste momento é complicada. Embora perder o apoio da base Democrata lhe possa custar caro nas eleições de Novembro próximo, a percepção de não fazer nada na segurança das fronteiras também poderá ter efeitos mais amplos e duradouros.

As preocupações dos migrantes na fronteira entre os EUA e o México atingiram níveis recordes durante a presidência de Biden. Embora as autoridades de Biden tenham enfatizado que as detenções refletem a imigração recorde no Hemisfério Ocidental, a questão certamente será um empecilho nas eleições presidenciais de 2024, já que os republicanos apontam o dedo para as políticas de imigração do presidente.

Republicanos e Democratas estão num impasse há décadas em relação à imigração. Mas os contornos do actual acordo fronteiriço são muito mais estreitos do que nas negociações anteriores, quando o financiamento adicional para a segurança fronteiriça era frequentemente associado à legalização de imigrantes que já viviam ilegalmente nos Estados Unidos.

O senador democrata Joe Manchin, da Virgínia Ocidental, disse no domingo que estava “muito encorajado” com o andamento das negociações.

Tenho me comunicado com negociadores, colegas e amigos dos lados Democrata e Republicano, bem como da Casa Branca, e estou muito encorajado. “Estou muito otimista de que eles estão se movendo de uma forma muito positiva.”

READ  Brasil pede calma enquanto a tensão aumenta na fronteira entre Venezuela e Guiana por causa de Essequibo | Notícias de conflito

“Sei que a Câmara se opôs, mas posso assegurar-vos que a Câmara não conseguirá fazer nada a menos que comecem a trabalhar juntos de forma bipartidária nesta legislação muito preocupante e desafiadora”, disse Manchin.

Esta história e título foram atualizados com informações adicionais.

Manu Raju da CNN contribuiu para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *