Papa Francisco adverte patriarca pró-guerra da Rússia a não ser ‘coroinha de Putin’

Em suas palavras mais fortes até agora contra O patriarca pró-guerraFrancisco também criticou Kirill por endossar as razões declaradas da Rússia para invadir a Ucrânia.

“Falei com ele por 40 minutos via Zoom”, disse o papa ao jornal italiano Corriere della Sera em entrevista publicada na terça-feira. “Nos primeiros vinte minutos ele leu para mim, cartas nas mãos, todas as justificativas para a guerra.”

“Ouvi-o e disse: ‘Não entendo nada disso'”, disse o Papa. “Irmão, não somos clérigos de estado, não podemos usar a linguagem da política, mas a linguagem de Cristo.”

“O patriarca não pode se transformar no coroinha de Putin”, disse o papa.

Francisco disse que o telefonema com Kirill ocorreu em 16 de março e que ele e o patriarca concordaram em adiar uma reunião marcada para 14 de junho em Jerusalém.

“Nosso segundo encontro será cara a cara e não tem nada a ver com guerra”, disse o papa. “Mas agora, ele também concorda: vamos parar, pode ser um sinal vago.”

A Igreja Ortodoxa Russa disse em um comunicado na quarta-feira que os comentários do papa foram “lamentáveis”.

“É lamentável que, após um mês e meio de conversa com o Patriarca Kirill, o Papa Francisco tenha escolhido o tom errado para transmitir o conteúdo da conversa”, disse o Departamento de Relações Exteriores do Patriarcado Russo.

“Tais declarações não contribuem para um diálogo construtivo entre a Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa Russa, que é especialmente necessário neste momento”, disse o comunicado.

Também surgiu na quarta-feira que o patriarca está entre os indivíduos a serem incluídos na proposta de sexta rodada de sanções da UE contra a Rússia, segundo duas fontes com acesso aos documentos completos.

READ  Guerra russo-ucraniana: forças do Azovstal dizem que "rendição não é uma opção" | notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

As fontes disseram que o rascunho proposto foi enviado aos embaixadores para revisão.

Uma fonte da Comissão Europeia disse que, neste momento, os nomes podem ser excluídos ou adicionados a critério dos estados membros.

O porta-voz da Igreja Ortodoxa Russa, Vladimir Leguida, foi citado pela agência de notícias TASS dizendo que as sanções não estavam de acordo com o “senso comum”.

‘O mais aleatório [these] As punições se tornam, quanto mais eles perdem o contato com o bom senso e mais difícil se torna alcançar a paz, que é o que a Igreja Ortodoxa Russa reza em cada serviço com a bênção de Sua Santidade o Patriarca, ajude todos os ucranianos afetados. “O conflito serve apenas para confirmar suas declarações”, disse Leguida em um post do Telegram na quarta-feira.

“Somente aqueles que são completamente ignorantes da história de nossa igreja podem tentar intimidar o clero e seus fiéis montando algumas listas”, disse Leguida.

Em março, o patriarca disse que o conflito era uma extensão de um choque cultural fundamental entre o mundo russo mais amplo e os valores liberais ocidentais, exemplificado por expressões de orgulho gay.

Especialistas dizem que os comentários de Kirill fornecem informações importantes sobre a visão espiritual mais ampla de Putin para um retorno ao Império Russo, onde a religião ortodoxa desempenha um papel fundamental.

Mas a postura dura do patriarca russo lhe custa seus seguidores.

Em março, a Igreja Ortodoxa Russa em Amsterdã anunciou que estava cortando laços com o líder, juntando-se a um número crescente de padres e igrejas que haviam abandonado Moscou por causa da guerra na Ucrânia.

Anastasia Graham-Yooll, da CNN, Luke McGee e Radina Gigova contribuíram para este relatório.

READ  A propagação do vírus Corona confunde os moradores de Xangai

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.