“Pele fossilizada” de uma criatura desconhecida de 286 milhões de anos • Earth.com

Numa descoberta notável, os investigadores desenterraram um fragmento tridimensional de pele fossilizada com aproximadamente 286 milhões de anos, excedendo a idade de qualquer fóssil de pele conhecido em pelo menos 21 milhões de anos.

Esta pele velhaque já adornou os primeiros répteis do Paleozóico, tem uma textura distinta de seixos, com uma notável semelhança com a pele do crocodilo dos dias modernos.

Esta descoberta representa o exemplo mais antigo conhecido de preservação de cutículas em répteis, aves e mamíferos terrestres. Destaca a importância evolutiva da camada externa da pele na adaptação à vida terrestre.

A pele fossilizada, juntamente com outros espécimes, foi escavada no sistema de cavernas calcárias Richards Spur, em Oklahoma, um local famoso por suas condições únicas de preservação.

Ethan Mooney, estudante de pós-graduação em paleontologia nos EUA Universidade de Toronto O primeiro autor do estudo expressou sua felicidade.

“De vez em quando temos uma oportunidade extraordinária de vislumbrar o tempo profundo”, disse Mooney. “Estes tipos de descobertas podem enriquecer a nossa compreensão e consciência destes animais pioneiros.”

Pele fossilizada é rara

A raridade da ossificação dos tecidos moles torna esta descoberta particularmente importante. Os pesquisadores acreditam que uma combinação de sedimentos de argila mole, infiltrações de petróleo e um ambiente de caverna pobre em oxigênio Lança de Richards Desempenha um papel fundamental na manutenção da pele.

“Os animais provavelmente caíram neste sistema de cavernas durante o início do Permiano e foram enterrados em depósitos de argila muito finos que atrasaram o processo de decomposição”, explica Mooney.

“Mas o que é interessante é que este sistema de cavernas também foi o local de uma infiltração ativa de petróleo durante o Permiano, e é provável que tenham sido as interações entre os hidrocarbonetos no petróleo e o alcatrão que permitiram que esta pele fosse preservada.”

READ  Uma nova descoberta transforma nossa compreensão dos cristais

Tamanho pequeno, grande ciência

Apesar de seu tamanho minúsculo – menor que uma unha – a pele fossilizada revelou tecido cutâneo detalhado sob exame microscópico pelo co-autor T. Maho do Universidade de Toronto Mississauga.

Esses tecidos são uma característica dos amniotas, um grupo de vertebrados terrestres que inclui répteis, aves e mamíferos, evoluindo de ancestrais anfíbios durante o Carbonífero.

“Ficamos completamente chocados com o que vimos porque era muito diferente de tudo que esperávamos”, diz Mooney.

“Encontrar um fóssil de pele tão antigo representa uma oportunidade extraordinária de olhar para o passado e ver como poderia ter sido a pele de alguns desses primeiros animais.”

Uma cápsula do tempo pré-histórica nesta pele fossilizada

As características da pele fossilizada incluíam uma superfície pedregosa que lembra pele de crocodilo e zonas de articulação entre escamas que lembram cobras e lagartos-vermes.

Essas características distintivas indicam semelhança com os répteis antigos e atuais. No entanto, a ausência de restos esqueléticos associados deixa desconhecido o tipo exato ou região corporal da pele.

Esta semelhança sublinha a importância evolutiva destas estruturas cutâneas para a sobrevivência em ambientes terrestres.

“A ederme era uma característica crucial para a sobrevivência dos vertebrados em terra”, diz Mooney. “É uma barreira crítica entre os processos internos do corpo e o ambiente externo hostil.”

A equipa levanta a hipótese de que esta pele pode representar a estrutura ancestral dos vertebrados terrestres nos primeiros amniotas, abrindo caminho para a evolução das penas das aves e dos folículos capilares dos mamíferos.

Sistema de Caverna Richards Spur

Bill e Julie May, entusiastas da paleontologia de longa data, coletaram o fóssil de pele e outros espécimes em Richards Spur.

As condições únicas neste sistema de cavernas calcárias em Oklahoma preservaram muitos dos exemplos mais antigos dos primeiros animais terrestres.

READ  Astronautas podem ser uma passagem para Marte

Estas amostras estão agora em Museu Real de Ontáriofornecendo informações valiosas sobre o mundo antigo e seus habitantes.

Em suma, esta descoberta de pele fossilizada proporciona uma visão profunda do mundo antigo dos vertebrados terrestres.

Através de um esforço apaixonado e de um estudo cuidadoso, tanto os cientistas como os entusiastas da paleontologia contribuem com um conhecimento inestimável para a nossa compreensão colectiva da rica tapeçaria de vida que habitou o nosso planeta ao longo de milhões de anos.

O estudo completo foi publicado na revista Biologia atual.

—–

Gostou do que li? Assine nosso boletim informativo para obter artigos envolventes, conteúdo exclusivo e atualizações mais recentes.

Visite-nos no EarthSnap, um aplicativo gratuito oferecido a você por Eric Ralls e Earth.com.

—–

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *