Putin declara lei marcial nos territórios anexados da Ucrânia

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou na quarta-feira a lei marcial nas quatro regiões da Ucrânia anexadas por Moscou e concedeu a todos os governadores regionais na Rússia poderes de emergência que abrem as portas para novas restrições abrangentes em todo o país.

Putin não esclareceu imediatamente quais medidas seriam tomadas sob a lei marcial, mas disse que sua ordem está em vigor a partir de quinta-feira. Seu decreto deu às agências de aplicação da lei três dias para apresentar propostas e ordens específicas para estabelecer forças de defesa regionais nas áreas anexadas.

Logo, a câmara alta do parlamento russo endossou a decisão de Putin de impor a defesa militar nas regiões anexadas de Donetsk, Kherson, Luhansk e Zaporizhia. A legislação adotada indicava que a declaração poderia incluir restrições a viagens e reuniões públicas, controle mais rígido e autoridade mais ampla para as agências de aplicação da lei.

“Estamos resolvendo tarefas muito difíceis em grande escala para garantir a segurança da Rússia, seu futuro seguro e a proteção de nosso povo”, disse Putin em comentários televisionados no início de uma reunião do Conselho de Segurança. “Aqueles que estão na linha de frente ou treinando em campos de tiro e centros de treinamento devem sentir nosso apoio e saber que têm nosso grande, grande país e povo unido nas costas.”

No sábado, o Ministério da Defesa da Rússia disse que dois homens atiraram em soldados em um campo de tiro militar perto da Ucrânia, matando 11 e ferindo 15. O ministério disse que dois homens de uma ex-república soviética não identificada atiraram em soldados voluntários durante um exercício de treinamento. eles os matam à mão. resposta ao fogo.

READ  Biden proíbe importações de petróleo da Rússia e alerta para aumento dos preços do gás

Putin não forneceu detalhes sobre os poderes adicionais que os chefes das regiões russas terão sob seu decreto. No entanto, a ordem afirma que as ações estipuladas na lei marcial podem ser introduzidas em qualquer lugar da Rússia “quando necessário”.

De acordo com a legislação russa, a lei marcial pode exigir a proibição de reuniões públicas, a imposição de proibições de viagens e toques de recolher e a imposição de censura, entre outras restrições.

A agência de notícias oficial RIA Novosti citou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, dizendo que as ordens de Putin não prevêem o fechamento das fronteiras da Rússia. Em uma aparente tentativa de acalmar o público nervoso, as autoridades regionais foram rápidas em anunciar que nenhum toque de recolher imediato ou restrições de viagem foram planejados.

Putin ordenou no mês passado a mobilização de reservistas, levando centenas de milhares de homens a fugir da Rússia.

Na quarta-feira, o líder russo também ordenou a criação de um comitê de coordenação para aumentar a interação entre as agências governamentais para lidar com os combates na Ucrânia, que Putin continua chamando de “operação militar especial”.

O primeiro-ministro Mikhail Mishustin, que foi nomeado para liderar a comissão, disse que se concentraria em aumentar o fornecimento de armas e equipamentos militares, realizar trabalhos de construção e facilitar o transporte.

Nas regiões da Rússia que fazem fronteira com a Ucrânia, as autoridades planejam reforçar a segurança nas principais instalações e realizar verificações de motoristas, entre outras medidas, de acordo com Andrei Kartapolov, chefe do Comitê de Defesa da câmara baixa do parlamento russo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.