Rússia anuncia a retirada de suas forças da região ucraniana de Kharkiv

Kyiv, Ucrânia (AFP) – O Ministério da Defesa da Rússia anunciou neste sábado que retirará suas forças de dois distritos da região de Kharkiv, no leste da Ucrânia, onde a contra-ofensiva ucraniana fez progressos significativos na semana passada.

A notícia veio dias depois que a Ucrânia fez aparentes avanços ao sul de Kharkiv, a segunda maior cidade do país, no que poderia se tornar o maior sucesso no campo de batalha para as forças ucranianas desde que frustraram uma tentativa russa de tomar a capital Kyiv no início da guerra. Quase sete meses de guerra.

“O exército russo hoje está mostrando o que pode fazer de melhor – mostrando as costas”, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky em um vídeo divulgado por seu escritório na noite de sábado. “E, claro, correr é uma boa decisão para eles.”

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, disse que as forças seriam reagrupadas das regiões de Balaklya e Izyum para a região leste de Donetsk. Izyum tem sido uma importante base para as forças russas na região de Kharkiv, e no início desta semana vídeos nas mídias sociais mostraram moradores de Balaklia comemorando com alegria enquanto as forças ucranianas avançavam.

Konashenkov disse que a medida russa está sendo tomada “para atingir os objetivos declarados da operação militar especial para libertar Donbass”, uma região oriental que inclui duas regiões separatistas declaradas pela Rússia sua soberania.

A alegação de retirada para se concentrar em Donetsk é semelhante à justificativa dada pela Rússia para retirar suas forças da região de Kyiv no início deste ano, quando não conseguiu capturar a capital.

Igor Girkin, um russo que foi um dos primeiros líderes de um levante separatista apoiado por Moscou em Donetsk em 2014, zombou de retratar a retirada como estratégica. No aplicativo de mensagens Telegram, ele o descreveu com entusiasmo como “o processo notável (claramente dentro do plano e até antes do previsto) para transferir as cidades de Izyum, Balaklia e Kobyansk para parceiros ucranianos respeitados”.

No início do sábado, autoridades ucranianas anunciaram ganhos significativos na região de Kharkiv, dizendo que suas forças cortaram suprimentos vitais para Izyum.

READ  Líder supremo do Taleban faz rara visita a Cabul e adverte estrangeiros contra intromissão no Afeganistão - mídia estatal

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Ole Nikolenko, também observou que as tropas retomaram Kobyansk, uma cidade ao longo da principal rota de abastecimento de Izyum, que há muito tem sido o foco da linha de frente russa e o local de artilharia pesada e outras batalhas. Nikolenko twittou uma foto mostrando soldados em frente ao que ele disse ser um prédio do governo em Kobyansk, 73 quilômetros ao norte de Izyum.

O Serviço de Segurança Ucraniano publicou uma mensagem horas depois dizendo que as tropas estavam em Kobyansk, indicando que haviam sido capturadas. Os militares não confirmaram imediatamente a entrada na cidade, um centro ferroviário que a Rússia capturou em fevereiro.

Surgiram vídeos nas redes sociais mostrando forças ucranianas nos arredores de Izyum em um posto de controle na estrada. Uma grande estátua com o nome da cidade pode ser vista nas fotos. As forças ucranianas não reconheceram o controle da cidade.

O Ministério da Defesa do Reino Unido disse no sábado acreditar que as forças ucranianas avançaram até 50 quilômetros ao sul de Kharkiv, descrevendo as forças russas em torno de Izyum como “cada vez mais isoladas”.

É possível que as forças russas tenham sido pegas de surpresa. “O controle do setor estava limitado e as unidades ucranianas capturaram ou sitiaram várias cidades”, disseram os militares britânicos, acrescentando que a perda de Kobyansk afetaria muito as linhas de suprimentos russas.

Da mesma forma, o Instituto para o Estudo da Guerra, um think tank com sede em Washington, observou os amplos ganhos ucranianos, estimando que Kyiv capturou cerca de 2.500 quilômetros quadrados (965 milhas quadradas) em sua penetração oriental. O instituto disse que parecia que “forças russas desorganizadas (foram capturadas) no meio do rápido avanço ucraniano” e citou fotos de mídia social de prisioneiros russos aparentemente capturados em torno de Izyum e cidades vizinhas.

O mesmo relatório disse que as forças ucranianas “poderiam derrubar as posições russas em torno de Izyum se as linhas de comunicação terrestres russas fossem cortadas” ao norte e ao sul da cidade.

READ  EUA anunciam grande acordo econômico na Ásia em esforço para aumentar a imagem e combater a China

Vladislav Sokolov, chefe da administração local indicada pela Rússia, disse nas redes sociais que as autoridades de Izyum começaram a evacuar os moradores para a Rússia.

Os combates no leste da Ucrânia ocorrem em meio a uma ofensiva contínua em torno de Kherson, no sul. Analistas sugerem que a Rússia pode ter levado soldados do leste para reforçar o último, dando aos ucranianos a oportunidade de atacar uma linha de frente fraca.

O ministro da Defesa ucraniano, Oleksiy Reznikov, disse ao canal de TV ucraniano que os russos não tinham comida ou combustível para suas forças na área porque Kyiv cortou suas linhas de abastecimento.

“Será como uma avalanche”, disse ele, prevendo a retirada da Rússia. “Uma linha de defesa vai tremer e cair.”

Os militares ucranianos têm sido mais cautelosos, alegando ter capturado “mais de 1.000 quilômetros quadrados” (386 milhas quadradas) de forças leais ao Kremlin nesta semana. Disse que “em algumas áreas unidades das forças de defesa penetraram nas defesas inimigas a uma profundidade de 50 km”, consistente com a estimativa britânica, mas não divulgou detalhes geográficos.

Autoridades em Kyiv vêm resistindo há semanas a planos de lançar um contra-ataque, pedindo aos moradores que se abstenham de compartilhar informações nas mídias sociais.

No entanto, na sexta-feira, Zelensky disse que as tropas retomaram mais de 30 assentamentos na região de Kharkiv desde o início da contra-ofensiva.

Em outros lugares, os serviços de emergência da Ucrânia relataram que uma mulher de 62 anos foi morta em um ataque com mísseis russos na região de Kharkiv, quando sua casa foi arrasada durante a noite.

O governador ucraniano de Kharkiv, Oleh Sinihopov, acusou Moscou de atacar os assentamentos que havia retomado. Ele disse via Telegram que cinco civis foram levados para o hospital no distrito de Izium, enquanto outros nove ficaram feridos em outras partes do distrito.

Na região sitiada de Donbass, o governador ucraniano disse que civis foram mortos e feridos durante a noite por bombardeios russos perto da cidade de Bakhmut, principal alvo da vacilante ofensiva russa. Pavlo Kirilenko disse no Telegram que duas pessoas foram mortas e duas ficaram feridas em Bakhmut e na aldeia vizinha de Yehdana.

READ  Pence diz aos doadores do Partido Republicano que o partido "não tem lugar neste partido para se desculpar por Putin", em contraste com Trump

A eletricidade e a água foram restabelecidas após uma interrupção de quatro dias devido a uma explosão, disse o prefeito da cidade ucraniana de Enerhodar, que abriga a maior usina nuclear da Europa, disse Dmitro Orlov.

Innerhodar e a usina nuclear de Zaporizhzhya foram repetidamente bombardeadas nas últimas semanas, com Rússia e Ucrânia se acusando mutuamente de perpetração. O bombardeio levantou temores de um vazamento radioativo na estação, que foi cortada de fontes externas de energia. A instalação foi forçada a depender da energia de seu único reator de trabalho para sistemas de refrigeração e outras medidas de segurança.

Orloff disse que os trabalhadores da usina ajudaram a restaurar a energia da Enerhodar, mas não ficou claro se a eletricidade vinha da usina ou de uma usina termelétrica próxima.

Também no sábado, a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annallina Barbock, fez uma visita não anunciada a Kyiv e disse que a Europa não se cansaria de ajudar a Ucrânia, apesar dos esforços do presidente russo, Vladimir Putin, para aumentar a pressão retendo o fornecimento de energia.

Barbock disse que a Alemanha vai ajudar a Ucrânia a encontrar e limpar minas e outros artefatos não detonados deixados por forças russas em áreas distantes deles.

Apesar dos ganhos da Ucrânia, o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, e o chefe da Otan alertaram na sexta-feira que a guerra pode se arrastar por meses. Blinken disse que o conflito está entrando em uma fase crítica e pediu aos apoiadores ocidentais da Ucrânia que continuem seu apoio durante o inverno difícil.

___

Kozlowska relatou de Londres. O escritor da Associated Press, Frank Jordan, em Berlim, contribuiu para este relatório.

___

Siga todos os artigos da AP sobre a guerra na Ucrânia em https://apnews.com/hub/russia-ukraine.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.