Supremo Tribunal: Financiamento do Gabinete de Proteção Financeira do Consumidor não é inconstitucional

WASHINGTON (AP) – O Suprema Corte Um ataque liderado pelos conservadores na quinta-feira foi considerado minador Gabinete de proteção financeira do consumidor.

Os juízes decidiram por 7 a 2 que a forma como o CFPB é financiado não viola a Constituição, revertendo o tribunal de primeira instância.

O CFPB foi criado após a crise financeira de 2008 para regular hipotecas, empréstimos para automóveis e outros financiamentos ao consumo. A ação foi movida por credores que contestavam uma regra do Bureau.

O caso CFPB é um dos vários desafios importantes para as agências reguladoras federais neste período perante o tribunal, que está aberto a limites às suas operações há mais de uma década. O CFPB, ideia da senadora Elizabeth Warren, democrata de Massachusetts, há muito que sofre oposição dos republicanos e dos seus financiadores.

Ao contrário da maioria das agências federais, o Consumer Bureau não depende de um processo orçamentário anual no Congresso. Em vez disso, é financiado diretamente pela Reserva Federal, com um limite anual atual de cerca de 600 milhões de dólares.

Um tribunal federal de recurso em Nova Orleães, numa nova decisão, disse que o fundo viola a cláusula de dotações da Constituição porque protege indevidamente o CFPB da supervisão do Congresso.

O juiz Clarence Thomas observou em sua opinião majoritária que os primeiros dias da Constituição eram “o mecanismo de financiamento da agência se ajustava confortavelmente ao procedimento de dotações do primeiro Congresso”.

Os juízes Samuel Alito e Neil Gorsuch, colegas de Thomas no painel conservador do tribunal, discordaram. “O Tribunal afirma um novo regime legal que permite ao poderoso Gabinete de Protecção Financeira do Consumidor (CFPB) financiar a sua própria agenda sem qualquer controlo ou supervisão do Congresso”, escreveu Alito.

READ  Turquia aprova candidatura da Finlândia à OTAN

O caso foi discutido na primeira semana de julgamento, há sete meses. Decisões anuladas como a votação de 7 a 2 de quinta-feira geralmente não demoram muito, mas a opinião de Alito foi mais longa do que a opinião da maioria, e dois juízes, Elena Kagan e Kedanji Brown Jackson, escreveram opiniões separadas na maioria. .

Embora a Câmara de Comércio dos EUA e alguns outros interesses empresariais apoiassem os credores consignados, os banqueiros hipotecários e outros sectores regulados pelo CFPB alertaram o tribunal para evitar uma decisão abrangente que perturbaria os mercados.

Em 2020, o tribunal Outro caso CFPB decidido, decidiu que o Congresso havia se segurado indevidamente contra a destituição do chefe da agência. Os juízes disseram que o diretor pode ser substituído a critério do presidente, mas permite que a mesa continue funcionando.

___

Acompanhe a cobertura da AP sobre a Suprema Corte dos EUA https://apnews.com/hub/us-supreme-court.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *