Ucrânia luta por Severodonetsk enquanto ultimato de ‘rendição’ da Rússia passa

  • Centro da cidade de Severodonetsk lutará pelo leste da Ucrânia
  • Centenas de pessoas estão presas na fábrica de produtos químicos Azot em Severodonetsk
  • Ministros da Defesa da OTAN devem discutir ajuda militar à Ucrânia

Kyiv/NOVA YORK, Ucrânia, 15 Jun (Reuters) – A Ucrânia ignorou um ultimato russo para entregar a cidade de Severodonetsk, no leste da Rússia, nesta quarta-feira, quando ministros da Defesa da Otan se reuniram em Bruxelas para discutir o envio de mais armas pesadas para reabastecer os estoques cada vez menores de Kyiv.

A Rússia havia dito às forças ucranianas escondidas em uma fábrica de produtos químicos na cidade devastada para interromper a “resistência absurda e depor as armas” na manhã de quarta-feira, pressionando sua vantagem na batalha pelo controle do leste da Ucrânia.

Separatistas apoiados pela Rússia disseram que os planos anunciados por Moscou para abrir um corredor humanitário para civis presos na fábrica foram interrompidos por bombardeios ucranianos, segundo a agência de notícias RIA citando separatistas apoiados pela Rússia. Os separatistas planejavam transferir civis para os territórios sob seu controle.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Ucrânia diz que mais de 500 civis estão presos ao lado de soldados dentro de uma fábrica de produtos químicos Azote, onde suas forças resistiram semanas ao bombardeio russo que reduziu grande parte de Severodonetsk a escombros.

Após o término do prazo da manhã, o prefeito de Severodonetsk, Oleksandr Stryuk, disse que as forças russas estavam tentando invadir a cidade de várias direções, mas que as forças ucranianas continuavam a defendê-la e não estavam completamente isoladas.

“Estamos tentando empurrar o inimigo para o centro da cidade”, disse ele na televisão, sem indicar o aviso. “Esta é uma situação em andamento com sucessos parciais e recuos táticos.”

READ  Países do G7 concordam em estabelecer teto para preço do petróleo russo

“As rotas de fuga são perigosas, mas existem algumas”, disse ele.

Serhiy Gaidai, governador da região de Luhansk que contém Severodonetsk, disse que o exército está defendendo a cidade e mantendo as forças russas fora de Lyschansk, a cidade gêmea controlada pela Ucrânia na margem oposta do rio Seversky Donets.

“No entanto, os russos estão próximos, a população está sofrendo e as casas estão destruídas”, escreveu ele na Internet antes das 8h, horário de Moscou (0500 GMT).

Luhansk é uma das duas províncias orientais reivindicadas por Moscou em nome de representantes separatistas. Juntos, eles formam a região de Donbass, uma região industrial da Ucrânia na qual a Rússia concentrou seu ataque depois que não conseguiu capturar a capital ucraniana, Kyiv, em março.

A inteligência britânica disse que os combatentes da fábrica química poderiam sobreviver no subsolo e que as forças russas provavelmente permaneceriam focadas neles, impedindo-os de atacar em outros lugares.

Mas o secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, disse que as forças ucranianas na Frente Oriental estão sobrecarregadas e superadas.

A Reuters não conseguiu verificar imediatamente as contas do campo de batalha.

Eco Mariupol

O bombardeio de Azot reflete o cerco anterior da siderúrgica Azovstal no porto sulista de Mariupol, onde centenas de combatentes e civis se abrigaram do bombardeio russo. Os que estavam dentro se renderam em meados de maio e foram levados sob custódia russa.

A extensa planta de amônia foi fundada durante a era do líder soviético Joseph Stalin. O prefeito da cidade, Stryuk, disse que os que estavam dentro estavam sobrevivendo com água de poços, geradores e mantimentos, mas a situação era crítica.

READ  Um funcionário disse que Hong Kong enfrenta um "ato de equilíbrio difícil" para facilitar as regras de fronteira

O ataque russo a Severodonetsk – uma cidade que tinha uma população de pouco mais de 100.000 pessoas antes da guerra – é o foco atual da chamada Batalha de Donbass.

Kyiv disse que entre 100 e 200 de seus soldados estão sendo mortos todos os dias, enquanto centenas de outros são feridos na batalha mais sangrenta desde a invasão russa em 24 de fevereiro.

“Temos que ser fortes… quanto mais perdas o inimigo incorrer, menos ele será capaz de continuar sua agressão”, disse Zelensky em um discurso na terça-feira.

Bruxelas, estamos esperando

Os países ocidentais prometeram armas que atendem aos padrões da OTAN – incluindo mísseis avançados dos EUA. Mas leva tempo para publicá-los.A Ucrânia não tem sistemas antimísseis suficientes, disse Zelensky, acrescentando que “não pode haver justificativa para atrasos”.

Seu conselheiro, Mikhailo Podolyak, disse que os defensores de Severodonetsk queriam saber quando as armas chegariam. “Bruxelas… estamos esperando uma decisão”, escreveu ele no Twitter.

“Estamos muito focados em aumentar o apoio”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, antes da reunião em Bruxelas presidida pelo secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin. Esta é a terceira vez que um grupo de cerca de 50 países se reúne para coordenar a ajuda à Ucrânia.

Em maio, o Senado dos EUA aprovou um projeto de lei para fornecer US$ 40 bilhões em ajuda adicional à Ucrânia e prometeu sistemas avançados de mísseis de longo alcance, drones e artilharia.

‘Incapaz de sair’

A Rússia não fornece números regulares sobre suas perdas, mas os países ocidentais dizem que tem sido enorme, já que o presidente Vladimir Putin busca o controle total do Donbass e de uma faixa do sul da Ucrânia. Putin descreve a guerra como uma operação militar especial contra os nacionalistas ucranianos.

READ  Ucrânia e Rússia: prefeito de Kiev alerta moradores que fugiram para retornar em meio a nova ofensiva na Rússia

Em outro lugar em Donbass, a Ucrânia diz que a Rússia planeja atacar Sloviansk pelo norte e ao longo de uma frente perto de Bakhmut, no sul. O bombardeio foi ouvido 40 quilômetros ao sul de Bakhmut, perto da cidade de Nova York, onde as forças ucranianas disseram que a Rússia estava jogando tudo na batalha.

“Há três meses e meio estávamos contra o maior país do mundo”, disse um soldado ucraniano de 22 anos apelidado de “Viking”. Eles causaram enormes perdas a veículos e pessoal, mas não estão se segurando”.

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse a repórteres em Nova York que casas, escolas, hospitais e mercados na província de Donetsk foram atacados na semana passada, causando escassez de água e tornando a vida “quase insuportável”.

O conflito elevou os preços dos grãos e as sanções ocidentais contra a Rússia elevaram os preços do petróleo. O Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo estava programado para abrir na quarta-feira sem a habitual participação ocidental de alto nível. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Rami Ayoub, Stephen Coates e Philippa Fletcher. Edição por Grant McCall, Simon Cameron Moore e Frank Jack Daniel

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.