Ucrânia pede zona desmilitarizada em torno de usina nuclear bombardeada

  • Negócios na Ucrânia e na Rússia atribuem sucesso à fábrica de Zaporizhia
  • Cave alerta para um desastre no estilo de Chornobyl se a área não for protegida
  • A missão internacional pede o plantio até o final de agosto
  • Rússia diz estar pronta para facilitar visita de equipe de monitoramento da ONU à usina
  • Guterres, da ONU, diz que qualquer ataque a uma usina nuclear seria ‘suicídio’

KYIV, 8 de agosto (Reuters) – O alarme internacional sobre o bombardeio no fim de semana contra o complexo nuclear ucraniano de Zaporizhzhia aumentou nesta segunda-feira, com Kyiv alertando sobre o risco de um desastre no estilo de Chornobyl e pedindo que a área se torne uma zona desmilitarizada.

Kiev e Moscou retaliaram por bombardeios na região sul tomada por invasores russos em março e agora que Kiev está sendo alvo de um contra-ataque, a ONU O chefe das Nações Unidas pediu que os inspetores nucleares tenham acesso à usina.

“Qualquer ataque a uma usina nuclear seria um ato de suicídio”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em entrevista coletiva na segunda-feira no Japão, onde participou do Memorial da Paz de Hiroshima no sábado.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Petro Kotin, chefe da empresa nuclear estatal ucraniana Energoatom, pediu o envio de uma equipe de manutenção da paz no local de Zaporizhzhia, que ainda é administrado por técnicos ucranianos. consulte Mais informação

“A decisão que exigimos da comunidade internacional e de todos os nossos parceiros… é retirar os invasores da estação e criar uma zona desmilitarizada ao redor da estação”, disse Cotin na televisão.

“Ter forças de paz na zona, transferir o controle para eles e depois controlar a estação do lado ucraniano resolveria esse problema.”

READ  Os Jets vão colocar Zach Wilson no banco e Tim Boyle vai começar contra os Dolphins

Yevhenii Tsymbaliuk, embaixador da Ucrânia na Agência de Energia Atômica da ONU (AIEA), acusou a Rússia de tentar bloquear a rede elétrica da Ucrânia no sul, visando a usina. Ele convocou uma missão internacional liderada pela ONU para a fábrica até o final do mês.

“Usaremos todos os meios diplomáticos possíveis para nos aproximarmos da AIEA e da ONU para conduzir esta missão. Precisamos disso com urgência, o mais rápido possível…”, disse Tsymbaliuk a repórteres em Viena, onde a AIEA está localizada.

A agência de notícias RIA Novosti citou o embaixador de Moscou na Agência Internacional de Energia Atômica dizendo que a Rússia estava pronta para facilitar uma visita da AIEA ao complexo do reator nuclear.

O Ministério da Defesa russo disse que os ataques ucranianos danificaram as linhas de alta tensão que serviam a usina da era soviética, forçando-a a cortar a produção em dois de seus seis reatores “para evitar mais desaceleração”. consulte Mais informação

Um funcionário russo da instalação na região de Zaporizhzhya disse anteriormente que a instalação estava operando normalmente.

A Ucrânia culpou a Rússia pelos ataques à usina, que, segundo ela, danificou três sensores de radiação, deixando dois trabalhadores hospitalizados por ferimentos causados ​​por estilhaços. A Reuters não pôde verificar a versão de nenhum dos lados sobre o que aconteceu.

Em uma ligação com repórteres, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, chamou o bombardeio de “extremamente perigoso” e acrescentou: “Esperamos que os países que têm influência absoluta sobre a liderança ucraniana usem essa influência para rejeitar a continuação de tal bombardeio”.

O Kodin da Ucrânia sinalizou o risco de bombas atingirem contêineres de combustível nuclear usado altamente radioativo como particularmente perigoso. Se dois ou mais contêineres fossem quebrados, era “impossível estimar a escala desse desastre”.

O pior desastre nuclear civil do mundo ocorreu em 1986, quando um reator explodiu no complexo de Chornobyl, no noroeste da Ucrânia. Após a invasão de 24 de fevereiro, a fábrica foi ocupada pelas forças russas antes de sua retirada no final de março.

Guterres disse que o pessoal da AIEA precisava de acesso a Zaporizhzhia para “criar as condições para a estabilização”.

A Ucrânia disse que está planejando uma grande contra-ofensiva no sul ocupado pelos russos, aparentemente centrado na cidade de Kherson, no oeste de Zaporizhia, e já retomou dezenas de vilarejos.

Exportação de grãos acelera

Em outros lugares, um acordo para conter as exportações de alimentos da Ucrânia e aliviar a escassez global fez com que dois navios de grãos deixassem os portos ucranianos do Mar Negro na segunda-feira, elevando o total para 12 desde que o primeiro partiu há uma semana. consulte Mais informação

Dois navios de saída recentes transportaram quase 59.000 toneladas de milho e soja com destino à Itália e ao sudeste da Turquia. Os quatro partiram no domingo carregando quase 170.000 toneladas de milho e outros alimentos.

Um acordo de exportação de grãos intermediado pela Turquia e as Nações Unidas em 22 de julho representa uma rara vitória diplomática que pode ajudar a diminuir os preços globais dos alimentos alimentados por conflitos e guerras na Ucrânia.

Antes da invasão, Rússia e Ucrânia juntas representavam quase um terço das exportações globais de trigo. A perturbação resultante levantou temores de fome em algumas partes do mundo.

READ  Iraniano exilado que inspirou 'O Terminal' de Steven Spielberg morre no aeroporto de Paris

A Ucrânia disse que espera exportar 20 milhões de toneladas de grãos e 40 milhões de sua nova colheita para ajudar a reconstruir sua economia abalada.

A Rússia diz que está realizando uma “operação militar especial” na Ucrânia para erradicar os nacionalistas e proteger as comunidades de língua russa. A Ucrânia e o Ocidente descrevem as ações da Rússia como uma guerra não provocada ao estilo imperialista para reafirmar o controle sobre seu vizinho pró-ocidental, perdido quando a União Soviética se separou em 1991.

O conflito deslocou milhões, matou milhares de civis e deixou cidades, vilas e aldeias em ruínas.

Depois que o Kremlin anexou a Crimeia ao sul em 2014, as forças russas tentaram tomar totalmente a região de Donbass, no leste da Ucrânia, dos separatistas pró-Moscou.

“Soldados ucranianos estão segurando firmemente a defesa, infligindo baixas ao inimigo e estão prontos para qualquer mudança na situação operacional”, disse o estado-maior da Ucrânia em uma atualização operacional na segunda-feira.

As forças russas intensificaram os ataques no Donbass ao norte e noroeste da cidade de Donetsk, controlada pela Rússia, neste domingo, disseram militares da Ucrânia.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado ao Reuters.com

Relatório dos Escritórios da Reuters; Escrito por Stephen Coates e Mark Heinrich; Edição por Simon Cameron-Moore e Nick MacPhee

Nossos padrões: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *